PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Marcel Rizzo


Com receita menor, Federação Paulista tem queda de 75% no lucro em 2019

Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da FPF, participa do UOL Entrevista - Reprodução/MOV
Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da FPF, participa do UOL Entrevista Imagem: Reprodução/MOV
Marcel Rizzo

Marcel Rizzo - Formado em jornalismo em 2000 pela PUC Campinas, passou pelas redações do Lance!, Globoesporte.com, Jornal da Tarde, Portal iG e Folha de S. Paulo, no qual editou a coluna Painel FC. Cobriu Copas do Mundo, Olimpíada e dezenas de outros eventos esportivos.

Colunista do UOL

30/04/2020 16h20

Classificação e Jogos

A Federação Paulista de Futebol (FPF) teve em 2019 queda de 75% em seu lucro comparado com o ano interior. Os números estão no balanço financeiro divulgado e a previsão para 2020 também não é animadora com a pandemia do novo coronavírus que vai diminuir ganhos de federações e clubes. Em entrevista à Maquina do Esporte, na segunda (27), o presidente da FPF, Reinaldo Carneiro Bastos, previu um recuo de 40% nas receitas este ano.

A FPF fechou 2019 com superávit de R$ 653 mil — em 2018 o lucro havia sido de R$ 2,61 milhões. É o pior desempenho da FPF desde 2016, quando teve déficit de mais de R$ 6,6 milhões, mas com um adendo de que contabilizou nas despesas pendências judiciais de mais de R$ 4,2 milhões, além de ter aumentado significativamente o repasse de dinheiro a clubes. Internamente, a FPF não se preocupa com a queda porque avalia que o dinheiro precisa circular entre os times e ser usado para a realização de campeonatos.

Houve queda na arrecadação no ano passado do departamento comercial, ou seja, de patrocínios. A receita nessa área em 2019 foi de R$ 35,4 milhões, frente R$ 39,9 milhões em 2018. Entrou menos dinheiro também com registro e filiações, com campeonatos (como taxas que são pagas), cursos e até multas por meio do TJD (Tribunal de Justiça Desportiva). Somando tudo o ganho foi de R$ 55,59 milhões (em 2018 foi de R$ 60,7 milhões).

O resultado só não foi pior porque a entidade economizou dinheiro se comparado com 2018. As despesas em 2019 tiraram das contas da entidade R$ 54,93 milhões, principalmente com pessoal (boa parte salários), administrativo e subvenção aos clubes, como premiações para os campeonatos. Em 2018 esses gastos somaram R$ 58,1 milhões.

O cenário para 2020 é incerto com a covid-19. Não há ainda previsão de quando, e se, o Campeonato Paulista vai recomeçar. O torneio foi interrompido no fim da primeira fase, ainda com toda a etapa final, os jogos mata-mata, a se realizar. As federações têm a promessa da CBF de que os Estaduais serão finalizados, mas depende da liberação dos agentes de saúde.

Reinaldo Carneiro Bastos, ainda na entrevista ao canal do Youtube da Máquina do Esporte, disse que os torneios de base em São Paulo não devem ocorrer em 2020 pela dificuldade em se encontrar protocolos para garotos de 13, 15 e 17 anos jogarem. O Sub-20 está em análise. Dependendo do calendário, até mesmo a tradicional Copa São Paulo de Juniores, disputada em janeiro, pode ser afetada em 2021.

A FPF já avisou aos clubes que eles não serão obrigados em 2019 a disputar torneios de base — o regulamento geral exige que se jogue ao menos um campeonato de base para poder participar das competições profissionais. Há incerteza também para os campeonatos femininos.

Marcel Rizzo