Futebol pelo mundo

Futebol pelo mundo

Só para assinantesAssine UOL
ReportagemEsporte

Como jogadores do Real Madrid chegam às seleções após título da Champions

A final da Champions League marca o capítulo final do futebol de clubes na Europa. Mas, em anos como 2024, a conquista do título nem sempre significa férias para os jogadores campeões curtirem o título.

No caso do Real Madrid, alguns dos principais protagonistas da conquista em Londres agora se apresentam às seleções de seus países, para a disputa da Eurocopa, na Alemanha, e da Copa América, nos Estados Unidos.

Veja como eles chegam às duas competições e o que esperar das seleções que representam:

Vini Jr com a medalha de campeão da Champions após o título do Real Madrid
Vini Jr com a medalha de campeão da Champions após o título do Real Madrid Imagem: Hannah Mckay/Reuters

Vini Jr - Brasil

Eleito o melhor jogador da Champions League e aclamado pelos colegas de clube, imprensa e torcedores como melhor do mundo, Vini se apresenta nos Estados Unidos para sua primeira como protagonista pela seleção brasileira.

Com Neymar machucado e cada vez mais notícia por assuntos externos ao futebol, caberá ao camisa 7 do Real Madrid assumir o papel de líder técnico. O Brasil, como sempre, entra na competição para brigar pelo título. Uma taça que consolidaria Vini Jr. como favorito à Bola de Ouro.

Rodrygo com a taça da Liga dos Campeões após título do Real Madrid
Rodrygo com a taça da Liga dos Campeões após título do Real Madrid Imagem: Hannah Mckay/Reuters

Rodrygo - Brasil

Peça importante na campanha do título, Rodrygo passou os últimos dias esquivando-se de especulações sobre sua saída do clube. Ainda em Wembley, disse que a intenção é ficar.

Continua após a publicidade

Na seleção, não há dúvidas: ele é titular absoluto. Seja como falso 9 — jogando por dentro —, ou atuando na direita, é difícil pensar em um time titular sem o "Rayo". Nos Estados Unidos, terá sua primeira competição na condição de indiscutível.

Éder Militão - Brasil

O título da Champions League foi o final perfeito para a temporada mais difícil da carreira do zagueiro. Uma ruptura de ligamento no joelho esquerdo tirou Militão dos gramados durante 7 meses; sem ritmo, ele começou a final no banco.

Na seleção, com um raro período mais longo de treinamentos, a expectativa é que Militão esteja no nível de seus concorrentes já para os amistosos pré-Copa América. Para Dorival, o zagueiro é forte candidato a ser titular.

Bellingham, do Real Madrid, é uma das estrelas da forte seleção inglesa
Bellingham, do Real Madrid, é uma das estrelas da forte seleção inglesa Imagem: Angel Martinez/Getty Images

Jude Bellingham - Inglaterra

Vice-artilheiro do Real Madrid na temporada, com 23 gols (um a menos que Vini Jr), o inglês chega à sua seleção como referência de uma das favoritas ao título da Eurocopa. Sem vencer nada desde a Copa de 1966, os ingleses convivem com uma pressão enorme, mas têm uma nova geração que pode finalmente quebrar o tabu.

Continua após a publicidade

Bellingham chega ao English Team para liderar o meio-campo e dar munição ao ataque formado por Harry Kane, Phil Foden e Bukayo Saka. Uma boa Eurocopa colocaria o camisa 5 do Real Madrid na disputa com Vini pela Bola de Ouro.

Toni Kross despediu-se do Real Madrid e deve se aposentar na Euro
Toni Kross despediu-se do Real Madrid e deve se aposentar na Euro Imagem: Clive Brunskill/Getty Images

Toni Kroos - Alemanha

A menos que mude de ideia, o meio-campista alemão fará na Eurocopa a sua despedida do futebol. Kroos voltará à seleção após três anos — ele já havia se despedido da Mannschaft após a Euro-2020, disputada em 2021.

O retorno foi motivado pela temporada de alto nível no Real Madrid. Jogando em casa, a Alemanha quer fazer um papel digno, algo que não conseguiu fazer nas duas últimas Copas do Mundo. Kroos é a esperança de trazer para o time a mentalidade vencedora de um campeão mundial, título que conquistou em 2014.

A seleção alemã também terá o zagueiro Antonio Rudiger, um dos pilares da conquista da Champions League — ele é um dos pilares defensivos do time de Julian Nagelsmann.

Continua após a publicidade
Aos 38 anos, Modric comandará a Croácia na Euro
Aos 38 anos, Modric comandará a Croácia na Euro Imagem: David S.Bustamante/Soccrates/Getty Images

Luka Modric - Croácia

Aos 38 anos e também na reta final da carreira, Luka Modric não apenas foi convocado para a Euro-2024 como será o capitão da seleção croata. Líder do time que foi finalista da Copa-2018 e semifinalista (eliminando o Brasil) em 2022, o veterano terá o desafio de jogar muitos minutos em alta intensidade.

Na temporada 23-24, ele passou a ter papel secundário no elenco madridista, entrando no segundo tempo na maioria dos jogos. Na seleção croata, a opção não existe: o time de Zlatko Dalic é Modric e mais dez.

Federico Valverde - Uruguai

Consolidado no time titular do Real Madrid e autor do gol mais bonito da Champions League 2023-24, o meio-campista é peça-chave no esquema de Marcelo Bielsa no Uruguai.

Continua após a publicidade

O treinador argentino chegou à Celeste mexendo em peças importantes, mas o território de Valverde continua intocado: seja ao lado de Rodrigo Bentancur, de Manuel Ugarte, ou de ambos, o jogador do Real Madrid é titular e líder do time.

Nacho e Carvajal, ao lado de Vini Jr: ambos estarão na Eurocopa
Nacho e Carvajal, ao lado de Vini Jr: ambos estarão na Eurocopa Imagem: ANP via Getty Images

Dani Carvajal, Nacho e Joselu - Espanha

No fim do ciclo de preparação para a Copa de 2022, o então treinador Luis Enrique fez algo outrora impossível na seleção espanhola: uma convocação sem um único jogador do Real Madrid.

Dois anos depois, o panorama mudou. Luis de la Fuente chamou três jogadores do campeão da Champions para a Euro-2024: o lateral Dani Carvajal, o zagueiro Nacho (que no sábado ergueu a taça como capitão do Real Madrid) e Joselu, atacante de 34 anos que há um ano chorava o rebaixamento do Espanyol para a segunda divisão.

Nacho e Joselu devem ser reservas no torneio de seleções. Quem tem chances boas de ser titular é Dani Carvajal, autor do primeiro gol em Wembley, que briga por posição com o veterano Jesus Navas, uma surpresa da convocação.

Continua após a publicidade

Eduardo Camavinga, Ferland Mendy e Aurelien Tchouameni - França

O bonde francês do Real Madrid ganhará um reforço de peso com a chegada de Kylian Mbappé, a partir de agosto. Mas antes do astro desembarcar no Bernabéu, o trio de campeões da Champions tem uma Eurocopa pela frente.

Com tanto talento nas mãos, Didier Deschamps talvez seja o técnico com mais opções para escalar sua seleção. A princípio, a dupla de volantes Camavinga e Tchouameni tem chances de ser titular; mas, com o retorno de Ngolo Kanté, o crescimento de Warren Zaire-Emery e a versatilidade de Adrien Rabiot, nem isso dá pra cravar.

O que parece mais provável é que Mendy fique no banco: Theo Hernández é o preferido do treinador para a lateral-esquerda, e um dos melhores do mundo na posição.

Andriy Lunin - Ucrânia

De terceiro goleiro do elenco a titular nas fases decisivas da Champions League: a temporada 2023-24 mudou o tamanho do goleiro Andriy Lunin no Real Madrid — e também na seleção ucraniana.

Continua após a publicidade

O fato de ter superado Kepa na disputa pela posição do lesionado Courtois fez o arqueiro ganhar pontos com o técnico do selecionado nacional, Sergyi Rebrov. Antes suplente de Georgiy Bushchan, ele passou a ser titular na repescagem contra Bósnia e Islândia e deve manter a posição.

Courtois salvou o Real Madrid na final da Champions, mas não foi convocado
Courtois salvou o Real Madrid na final da Champions, mas não foi convocado Imagem: Alex Gottschalk/Getty

Thibault Courtois - Bélgica (não convocado)

Uma das caras da "geração de ouro" da Bélgica, Courtois fará algo raro em sua carreira: assistir uma competição de seleções pela TV. Depois de uma temporada marcada pela lesão mais grave da carreira, o goleiro não foi convocado pelo técnico Domenico Tedesco, que alegou falta de ritmo para o arqueiro.

Na Euro-2024, os goleiros da Bélgica serão Koen Casteels (Wolfsburg-ALE), Matz Sels (Nottingham Forest-ING) e Thomas Kaminski (Luton Town-ING). A atuação de Courtois na final da Champions — em que só jogou porque Lunin estava gripado — mostrou que ele tinha plenas condições de ir à Alemanha.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Deixe seu comentário

Só para assinantes