PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Bolívia Zica


Desculpa, minha senhora, é que o menino fede a gol

Haaland comemorando seu segundo gol sobre o PSG  - DeFodi Images/Colaborador
Haaland comemorando seu segundo gol sobre o PSG Imagem: DeFodi Images/Colaborador
Bolívia Zica

Jornalista de formação, amante do futebol por paixão e corneteiro por vocação. Apresentador do canal Desimpedidos. Comanda o Bolívia Talk Show.

Colunista do UOL

18/02/2020 19h04

Quando ouve o barulho da maçaneta, a mãe do jovem Erling Haaland vai correndo até a porta. "De novo, meu filho? Sempre que você chega em casa eu sinto esse cheiro diferente". "Que cheiro, mãe? Acabei de sair do banho que tomei depois do jogo". "Não sei dizer, só sei que é um cheiro muito forte".

Desculpa, minha senhora, deixa eu me intrometer: é que o menino fede a gol. A bola procura e ele sempre comparece. A idade é pouca, mas a média é muita. Aos 19 anos, chegou a impressionantes 10 gols nesse edição da Champions League.

Antes do jogo, perguntei no Twitter quem se daria melhor no pega de hoje em Dortmund.

Claro que a torcida brasileira estaria do lado do adulto Ragney Lothbrok e seu visual viking. Só que o nórdico de verdade é o centroavante do Borussia, que meteu mais dois e garantiu a vitória em casa no jogo de ida das oitavas.

O PSG até que começou melhor. Neymar chamou o jogo e recebeu faltas duras. Deixou o cotovelo no Witsel e levou amarelo também. Haaland pegou pouco na bola, mas o time alemão logo tomou conta do jogo com as jogadas de Sancho.

No segundo tempo, os monstros saíram da jaula. A bola rebateu e sobrou para o norueguês empurrar de carrinho. Logo depois, Mbappé fez linda jogada pela direita e serviu Neymar, que empatou o jogo.

Não deu nem tempo de comemorar. Haaland pegou uma bola na entrada da área e mandou uma paulada de canhota que quase furou a rede de Navas. Que fragrância afrodisíaca é essa, moleque, que a bola chega toda seduzida e vai aonde você quer? Tem muito atacante por aqui precisando de uma borrifada.

Bolívia Zica