PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Antero Greco


Tiros no escuro na escolha de técnicos

Rafael Dudamel, técnico do Atlético-MG, durante partida contra o Afogados-PE, sua última no clube - Bruno Cantini / Agência Galo / Atlético
Rafael Dudamel, técnico do Atlético-MG, durante partida contra o Afogados-PE, sua última no clube Imagem: Bruno Cantini / Agência Galo / Atlético
Antero Greco

Antero Greco é paulistano do Bom Retiro, jornalista desde 74. Trabalhou no Grupo Estado, Diário Popular, TV Gazeta, Corriere Dello Sport (Roma), além de colaborações para Folha e TV Band. Entrou na ESPN em 94. Cobriu 11 Copas (7 no local).

28/02/2020 16h12

Caro amigo que segue estas mal-traçadas linhas semanais, diga com sinceridade: ficou surpreso com a demissão de Rafael Dudamel do comando do Atlético-MG? Não, né? Nem eu. O venezuelano mal teve tempo de conhecer o local de trabalho, talvez nem tenha gravado o nome de todos os jogadores do elenco e vai ver sequer passeou por BH.

Não completou dois meses no serviço, não agradou no Estadual e acumulou eliminações de cara na Sul-Americana e na Copa do Brasil. Foi vapt-vupt, com bilhete de volta para Caracas.

A passagem-relâmpago de Dudamel não foi o primeiro nem será o último caso do gênero. Na prática, é o que mais acontece. A verdade é: os clubes contratam treinadores sem critério. Na maioria das vezes, dão tiros no escuro. Se acertarem o alvo, festa. Se errarem, dispensam o infeliz e vão para nova aventura

Tem sido assim desde sempre, na base de tentativa e erro. Não existe um projeto, uma filosofia, uma linha a ser seguida, um DNA — escolha aí a expressão que melhor lhe convier.

Os dirigentes de hoje agem como os de ontem, os de anteontem, os do século passado: chamam técnico com base na carreira, no salário, no clamor da torcida e até no modismo. Até bem pouco tempo, a onda era apostar em jovens. Muitos devem ter pensado: "Vai que aparece um Telê, um Guardiola, um Klopp." E dá-lhe colocar planteis nas mãos de iniciantes.

Resultados? Em parte, decepcionantes.

Há vários técnicos novos na estrada, em busca de afirmação ou emprego. Da novíssima geração brasileira, dá para dizer que Valentim, Hellmann, Eduardo Baptista, Carille, Jair Ventura, Roger Machado, Ceni, Diniz, Larghi, Zé Ricardo, Barbieri, Argel já vingaram? Alguns têm boas perspectivas, outros com pouca rodagem correm risco de ganhar o rótulo de quebra-galhos. Nenhum ainda faz parte do bloco dos que terão sempre mercado generoso e de primeiro nível.

Até Tiago Nunes está sob crivo. Desembarcou no Corinthians cercado de esperança, após o trabalho sólido no Athletico. Parecia que arrebentaria a banca num estalar de dedos. No entanto, tomou um baque ao não passar da primeira peneira na Libertadores e não emplaca no Paulista. O time dele tem 9 pontos no Estadual, e a torcida nos calcanhares.

Retrospecto magro. A direção alvinegra jura de pés juntos que nem lhe passa pela cabeça a ideia de dispensa. Que bom, não? Mas essa convicção vai até a página 6 ou, com boa vontade, 7. Insistência, como aconteceu com Tite em 2011 após o vexame Tolima, é episódio raro.

Outra bossa é importar. Como Jorge Jesus assombra no Flamengo, e como Sampaoli encheu-se de elogios no Santos, se vislumbrou nos gringos a saída para a mesmice nos treinamentos. Nessa vieram Dudamel (Atlético), Coudet (Inter) e Jesualdo (Santos).

O primeiro dançou na quinta-feira, o argentino tem sido contestado no Sul (a vaga na Libertadores veio como alívio) e o português enfrenta resistência na Vila.

Sou a favor de jovens treinadores conquistarem espaço; é lei da vida. Da mesma forma, me agrada ver "professores" de fora por aqui; o mundo é uma constante troca de conhecimentos.

Mas, acima de tudo, gostaria de ver clubes seguros daquilo que pretendem para suas equipes. Dirigentes com projetos e metas traçadas com base em estudos e não do que lhes der na telha. Gente interessada em criar uma identidade de jogo para os times.

Daí, sim, a escolha do técnico seria feita com critérios racionais. Sucesso garantido? Não, claro. Mas menos improvisos, menos amadorismo. Menos tiros no escuro, certamente.

Antero Greco