Topo

Coluna

Antero Greco


Palestras provocam arrepios... de raiva

Bruno Henrique, do Palmeiras, no jogo contra o Cruzeiro - Marcello Zambrana/AGIF
Bruno Henrique, do Palmeiras, no jogo contra o Cruzeiro Imagem: Marcello Zambrana/AGIF
Antero Greco

Antero Greco é paulistano do Bom Retiro, jornalista desde 74. Trabalhou no Grupo Estado, Diário Popular, TV Gazeta, Corriere Dello Sport (Roma), além de colaborações para Folha e TV Band. Entrou na ESPN em 94. Cobriu 11 Copas (7 no local).

11/10/2019 04h00

O mundo gira, a Lusitana roda (como dizia antiga propaganda) e a má sorte agora desabou sobre dois Palestras, que deixa seus torcedores arrepiados de raiva. Pois veja a seguir se não tenho razão.

Comecemos pelo lado positivo.

Cruzeiro e Palmeiras ganharam várias Séries A e Copa do Brasil nos últimos anos. A turma mineira foi bi nacional (13 e 14) e bi da Copa (17 e 18). A paulista levou os Brasileiros de 16 e 18, além da Copa de 2015. Ou seja, surfaram no sucesso, para dor de cotovelo dos rivais.

Dormiram na glória, pisaram na bola, o fio virou e ambos são assuntos do momento, mas pelos perrengues que acumulam. E por quê? Por culpa deles próprios, sem teorias de conspiração.

O Palmeiras escoou dinheiro pelo ralo em 2019. A base campeã do ano passado foi mantida, o que em princípio era bom sinal. Se bem que o ciclo de alguns jogadores (Deyverson, Jean, Dracena, Borja, até Prass, por exemplo) parecia encerrado. Só o Guerra saiu, por empréstimo.

Erro maior ficou nas escolhas quando foi ao mercado. As contratações não vingaram, exceto as de Victor Hugo (o retorno) e de Luiz Adriano, fechadas no meio da temporada. Filipe Pires, Carlos Eduardo, Artur Cabral, Ramires, Henrique Dourado, Angulo pintam como furos n'água. Teve gente que até já zarpou.

Nesse bloco, acrescente Zé Rafael e Raphael Veiga. Dá pra cravar que corresponderam às expectativas? Sem contar Ricardo Goulart. O meia chegou da China machucado, se tratou, jogou um pouco, ganhou ritmo e... voltou pra China. Como entender esse vaivém do moço?

Felipão testou este e aquele, mexeu aqui e ali, para afinal optar pela turma de 2018. Sinal evidente de que os "reforços" não deram liga. O desgaste chegou ao respeitado treinador, que não abriu mão de sua maneira de jogar e, após início retumbante no Brasileiro, viu-se impotente para segurar a queda de produção. Fora a queda na Libertadores.

Saiu Felipão e o que fez a diretoria? Recorreu a Mano Menezes, despachado pouco tempo do Cruzeiro. Na essência, não alterou grande coisa na maneira de a equipe jogar. Vá lá, o Palmeiras sob novo comando tenta ser mais cerebral e paciente, enfileirou algumas vitórias, porém retomou velhos erros, desce na classificação e está perto do adeus ao título.

Inevitável esperar mudanças intensas para 2020. Ano frustrante para clube que pintava como papa-tudo. Não teve o gostinho sequer do Estadual, outra vez levantado pelo Corinthians. O Palmeiras é candidato ao troféu decepção de 2019.

Talvez só perca para o Cruzeiro. Soa inimaginável que um grupo formado por atletas experientes e vencedores se encontre à beira do vexame inédito de ir para a Segundona. Não dá para acreditar que Fábio, Dedé, Thiago Neves, Robinho, Edilson, Henrique, Fred e outros de igual calibre despenquem de divisão. Porém, a realidade aí está para desmentir a esperança...

A desgraça parte dos bastidores. Há cartola investigado, afastado e sob suspeita. O dinheiro anda curto, o mês tem mais de 30 dias, direitos dos atletas atrasam, a bola murcha e a eficiência deles desaba. Mano jogou a toalha, Rogério Ceni foi boicotado pela "tropa" e Abel Braga entrou numa gelada.

O Cruzeiro na teoria depende só de si para se safar do pior. Tenho afirmado que "não tem time pra cair", mas a cada rodada que passa me desmente, no desempenho e nos resultados. À medida que o calendário avança, aumenta a tensão e o futebol desaparece. Nesse ritmo, logo mais baterá o desespero. Time grande, quando desce a ladeira sem freio, só para depois da ribanceira.

Se o torcedor argumentar que a equipe foi prejudicada contra Inter e Fluminense, desafios recentes, não vou desmenti-lo. Para mim, nos dois casos o VAR interferiu de forma equivocada. Noves fora isso, o Cruzeiro é o maior responsável pela situação em que se encontra.

A solução? Jogar o impossível no restante do campeonato, sacudir a poeira e respirar aliviado. Sem esquecer, na sequência, de pagar promessa e fazer uma limpa daquelas para 2020. No elenco e na diretoria. Na cúpula, começou nesta quinta-feira, com a demissão de Itair Machado. Só que tem muita gente ainda pra pegar o boné e sumir do mapa cruzeirense.

Antero Greco