PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Milan vence jogo bizarro em que única coisa normal é o placar

Do UOL, em São Paulo

26/01/2014 14h11

O Milan venceu o Cagliari neste domingo por 2 a 1. Até aí, tudo bem, certo? Há 15 anos que o time de Milão não perde para o rival e não seria neste domingo que a história iria mudar... Mas o placar foi um das poucas coisas normais em uma partida marcada por lances bizarros.

Para começar, a própria construção do placar foi inusitada. O Cagliari saiu na frente, aos 28 minutos do primeiro tempo, com Marco Sau. Seguiu na frente até os 41 minutos do segundo tempo, resistindo bravamente à pressão milanista. Até que Balotelli marcou o primeiro, de falta, e Pazzini virou, três minutos minutos.

Os próprios gols foram improváveis. O do Cagliari saiu de uma falha grotesca do goleirão Amelia. Ele tentou sair jogando, mas, sem habilidade, mandou a redonda nos pés de Pinilla. O camisa 51 faz passe na medida para Sau, que driblou um zagueiro e o goleiro para abrir o placar.

O empate do Milan, de Balotelli, veio após uma jogada infantil de Cabrera. Ele subiu para afastar de cabeça, na linha da grande área, errou o tempo e colocou a mão na bola, achando que o juiz não iria ver. Viu, marcou a falta e validou o gol, após a cobrança de Balotelli – pior para o técnico do Cagliari, que tinha tirado, minutos antes, o herói (até então) da partida, Sau, para colocar em campo o grande vilão, Cabrera.

A virada também pode ser considerada estranha. Sabe o japonês Honda? Joga muito, deu um passe de calcanhar neste mesmo jogo que já ganhou milhares de visualizações no Youtube, mas não estava em uma tarde particularmente inspirada. Perdeu um gol feito aos 39 do primeiro tempo, cobrou um escanteio que saiu antes do primeiro pau. Mesmo assim, continuou batendo as bolas do canto. Tentou tanto que conseguiu acertar Pazzini.

Para completar, Kaká, sempre bom moço, ainda teve um dia de bad boy. Primeiro, ele aplaudiu o gandula que atrasou o jogo segurando a bola (em claro protesto), quando seu time perdia. Depois, fez um gesto ironizando a pressão da torcida do Cagliari, quando já vencia. Tudo no melhor estilo Balotelli.

Esporte