Topo

Futebol


Botafogo marca nos acréscimos, bate Vasco nos pênaltis e é campeão

Marcello Dias/Futura Press/Estadão Conteúdo
Imagem: Marcello Dias/Futura Press/Estadão Conteúdo

Pedro Ivo Almeida

Do UOL, no Rio de Janeiro

08/04/2018 18h15

De forma dramática, o Botafogo venceu o Vasco por 1 a 0 no tempo normal e por 4 a 3 nos pênaltis e ficou com o título carioca depois de cinco anos diante de um Maracanã lotado neste domingo (8).

O capitão Carli, que fez o gol do triunfo aos 49 minutos do segundo tempo depois de muita pressão botafoguense (que atuou com um a mais desde os 36 do primeiro tempo), e Gatito Fernández, que defendeu as cobranças de Werley e Henrique, foram os heróis da conquista do time do técnico Alberto Valentim, que havia perdido o jogo de ida por 3 a 2.

Este é o 21º título botafoguense na história do torneio. O Flamengo é o maior campeão, com 34, seguido de Fluminense, com 31, e Vasco, com 24.

O Botafogo tem pouco tempo para comemorar o título. Nesta quinta-feira, a equipe vai ao Chile enfrentar o Audax pela Copa Sul-Americana. No dia 16, segunda, o compromisso será pelo Campeonato Brasileiro - estreia contra o Palmeiras no Engenhão. O Vasco tem a semana livre antes de receber o Atlético-MG domingo na estreia no torneio nacional.

O melhor: Gatito, de novo

Botafogo FR/Divulgação
Imagem: Botafogo FR/Divulgação

Carli fez o gol que levou a disputa para os pênaltis, é verdade. Mas Gatito mais uma vez se afirma como um ídolo botafoguense e um exímio pegador de pênaltis. Ele acertou o canto na maioria das cobranças e defendeu os chutes de Werley e Henrique. 

O pior: Fabrício é expulso e muda o jogo

Thiago Ribeiro/AGIF
Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

Vasco e Botafogo faziam um jogo equilibrado - o que agradava aos cruzmaltinos, com a vantagem da ida, até os 36 minutos, quando Fabricio entrou duro em Luiz Fernando e levou vermelho direto, deixando a equipe de Zé Ricardo com um a menos. A partir daí, foi quase um ataque conte a defesa, principalmente na etapa complementar.

Novidades "forçadas"

Depois de muito mistério, tanto Zé Ricardo como Alberto Valentim só fizeram mudanças obrigatórias nas equipes em relação ao jogo de ida da decisão. O primeiro colocou Evander no lugar do suspenso Wellington e Henrique na vaga do lesionado Paulinho. O segundo trocou Lindoso, que também cumpriu suspensão, por Matheus Fernandes.

1º tempo truncado tem expulsão

Muita vontade e pouca emoção. Depois de protagonizarem clássicos cheio de gols nos encontros anteriores, Vasco e Botafogo tiveram dificuldades para criar chances no primeiro tempo deste domingo no Maracanã. A equipe de Zé Ricardo assustou com Riascos, que pegou rebote após chute de Pikachu e parou em Martín Silva. O próprio Pikachu também teve uma oportunidade após cruzamento de Henrique, mas errou o alvo. Do lado do Botafogo, cabeçada de Igor Rabello por muito pouco não achou Brenner.

O panorama do jogo mudaria aos 36 minutos, Em entrada dura, Fabricio, herói da semifinal contra o Fluminense, pisou na panturrilha de Luiz Fernando e levou vermelho direto (veja vídeo acima). O atacante botafoguense saiu de campo chorando, dando lugar a Rodrigo Pimpão. Com um a mais, o time de Alberto Valentim partiu para cima, mas Valencia, Pimpão e Rabello perderam as chances até o intervalo. 

Bota pressiona, reclama e empata

Salvo um quase gol contra de Igor Rabello no início, a etapa final teve o Botafogo no campo de ataque na maior parte do tempo, e o Vasco se segurando como pôde. Nas melhores chances, Paulão salvou cabeçada de Kieza quando a bola ia em direção ao gol e Martín Silva defendeu pancada de Renatinho. No mesmo lance, Carli foi puxado na área, mas o árbitro não deu pênalti, revoltando os botafoguenses.  

Martín Silva voltou a aparecer bem aos 20 minutos, em chute à queima-roupa de Brenner. Na base do desespero, o time de Valentim se lançou ao ataque na metade final, abusando dos cruzamentos na área, mas não chegou ao gol que levaria a disputa para os pênaltis. No, fim, Leo Valencia ainda levou o segundo amarelo por matar contra-ataque. Vascaínos gritavam "é campeão" nas arquibancadas. Mas no penúltimo minuto, após bate-rebate na área, Carli completou para as redes.

Gatito brilha nas penalidades

Martín Silva até tentou e foi o primeiro a defender um pênalti, na cobrança de Rodrigo Pimpão. Mas Gatito fez melhor e pegou as cobranças de Werley e Henrique (último a cobrar). Wagner, Ríos e Pikachu converteram para o Vasco e Brenner, Gilson, Marcinho e Renatinho anotaram para o Botafogo. 4 a 3 e festa do Glorioso.

Tite na área

Um olho no campo, o outro na TV. O técnico da seleção brasileira marcou presença na decisão carioca, acompanhado do auxiliar Thomaz Erich. Na cabine reservada para ele, uma TV estava ligada na final do Campeonato Paulista entre Palmeiras e Corinthians. Tite dividia sua atenção entre os dois jogos.

Enfim lotou

Um Carioca marcado pela pequena presença de público (a média de pagantes foi de 3419 torcedores por partida) enfim teve uma festa que fez jus ao Maracanã. Vascaínos e botafoguenses fizeram linda festa nas arquibancadas com 58.135 pagantes e 64 mil presentes, melhor público do ano no futebol brasileiro

Sem mágoas

Rildo e João Paulo, protagonistas de um dos lances de maior repercussão do Estadual, estiveram no Maracanã torcendo por suas equipes. Em entrevista ao canal "Premiere", o vascaíno voltou a classificar o lance em que quebrou a perna do botafoguense como "fatalidade". "Fui no hospital e ele aceitou pedido de desculpas. Falei com a esposa dele também e espero que volte o mais rápido possível para reencontrá-lo nos gramados". 

Rildo obteve efeito suspensivo e, em reta final de lesão no ombro, tem chances de atuar na estreia do Vasco no Campeonato Brasileiro, contra o Atlético-MG, no próximo domingo. Já o botafoguense aceitou o pedido de desculpas do colega, mesmo não sabendo ainda quando poderá retornar aos campos. "Falei para ele não ficar com peso na consciência. Agora é focar na minha fisioterapia para voltar o quanto antes. Não me deram prazo, ainda não temos muita certeza", comentou João Paulo, também ao "Premiere".

Seleção do Carioca

Júlio César; Yago  Pikachu, Gum, Igor Rabello e Ayrton; Desábato, Rodrigo Lindoso, Lucas Paquetá e Paulinho; Marcos Júnior e Pedro. Este foi o time dos melhores jogadores do Carioca, na opinião dos jornalistas que participaram da eleição. Vinicius Júnior, do Flamengo, ficou de fora - teve menos votos que Marcos Júnior.

Ficha Técnica

VASCO 0 (3) X 1 (4) BOTAFOGO

Data: 8 de abril de 2018
Local: Estádio do Maracanã, Rio de Janeiro-RJ
Hora: 16h00 (de Brasília)
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Corrêa e Thiago Henrique Neto Farinha
Cartões Amarelos: Paulão, Desábato, Werley (Vasco). Marcelo, Pimpão, Leo Valencia (Botafogo)
Cartão Vermelho: Fabrício (Vasco). Leo Valencia (Botafogo)

Gols: Carli, aos 49 minutos do segundo tempo

Vasco: Martín Silva; Rafael Galhardo (Werley), Erazo, Paulão e Fabrício; Desábato, Evander (Ríos), Yago Pikachu, Wagner e Henrique; Riascos (Ricardo). Treinador: Zé Ricardo.

Botafogo: Gatito; Marcinho, Joel Carli, Igor Rabello e Moisés (Gilson); Matheus Fernandes, Marcelo (Kieza), Renatinho; Leo Valencia e Luiz Fernando (Rodrigo Pimpão); Brenner. Treinador: Alberto Valentim.

Mais Futebol