PUBLICIDADE
Topo

Espanhol - 2019

Intocável no Real, Marcelo "reinará" sem Neymar no superclássico espanhol

Sergio Perez/Reuters
Imagem: Sergio Perez/Reuters

João Henrique Marques

Do UOL, em Barcelona

22/04/2017 04h00

Drible, passe preciso e velocidade na ponta esquerda. Pode parecer, mas não é Neymar. As características do atacante do Barcelona são as mesmas que deixam o lateral Marcelo com moral para o superclássico no Santiago Bernabéu, domingo, pelo Campeonato Espanhol. Com a ausência quase certa do atacante do Barça na partida (já que o clube catalão ainda tenta um recurso para colocá-lo em campo), o jogador do Real Madrid "reinará" como o brasileiro com mais chances de desequilibrar no clássico.

E não é só pela linda jogada driblando três adversários e dando passe para o gol de Cristiano Ronaldo na vitória por 4 a 2 na prorrogação contra o Bayern de Munique no meio de semana, pela Liga dos Campeões. O rendimento de Marcelo na temproada é excelente. No Real Madrid, virou imprescindível, sem nenhum reserva à altura.

“Te diria que é o jogador mais importante do Real Madrid na reta final. Por um contexto. Principal armador, elo com Cristiano Ronaldo e sem substituto, com Fabio Coentrão em estado físico ruim toda a temporada e o zagueiro Nacho sendo improvisado. O moral dele com Zidane e torcida está gigante”, comentou Bruno Alemany, repórter da radio Cadena Ser de Madri.

“Não sei se é o melhor, mas é uma alegria ver ele (Marcelo) jogar. Alem de um capitão, é um espetáculo. Estou contente com a evolução que teve e o que produz atualmente”, destacou Zidane após o jogo contra o Bayern de Munique.

No Campeonato Espanhol, Marcelo atuou em 25, dos 31 jogos do Real Madrid. É o terceiro jogador do time com mais passes, com 58 por partida (atras de Kroos, com 64 e Sergio Ramos, com 61). Em assistências, já são oito no total. A segunda melhor marca do time somente atrás de Toni Kroos, que soma dez.

Marcelo é ótimo apoio a Cristiano Ronaldo pela esquerda. Por sinal, é quem mais deu passes para gols do português na competição, com quatro no total.

Ofensivamente, o ponto negativo é a finalização. Além de poucas tentativas, com 15 chutes no total, Marcelo tem dificuldade de acertar o gol. São somente três finalizações certas, tendo marcado um gol na competição – na vitória contra o Betis por 6 a 1.

As críticas defensivas que acompanham a carreira do lateral diminuíram consideravelmente. Zidane jamais tirou Marcelo do time titular ideal para proteger a equipe como já fizeram os antecessores Carlo Ancelotti e José Mourinho.

Com o treinador francês, Marcelo tem confiança. Abusa de recuadas com o peito, as mesmas que lhe custaram duras críticas no duelo Uruguai x Brasil pelas Eliminatórias da Copa do Mundo. - Cavani interceptou a recuada e sofreu pênalti de Alisson.

No Real Madrid, Marcelo chegou com 18 anos e atua há 11 temporadas. São 13 títulos  conquistados, sendo três Espanhois, duas Liga dos Campeões e duas Copa do Rei.

São 400 partidas no total. Número maior até mesmo do que o lendário Di Stefano, ídolo maximo do clube, que atuou 396 vezes na década de 60.

“Que bom é despertar e saber que sou do Real Madrid. Nao tem preço!”, postou Marcelo em sua conta na rede social Twitter essa semana ao comemorar os 400 jogos pelo clube.