PUBLICIDADE
Topo

Copa Sul-Americana - 2021

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Ceará qualifica elenco e evidencia viés de crescimento na Série A

Rodrigo Coutinho

Rodrigo Coutinho é jornalista e analista de desempenho. Acredita que é possível abordar o futebol de forma aprofundada e com linguagem acessível a todos.

Colunista do UOL

02/03/2021 04h00

Na temporada 2021, o Vozão disputará o seu quarto campeonato seguido na elite do futebol brasileiro. O fato é inédito desde que o Brasileirão passou a ser disputado por pontos corridos. O clube chegou a ficar 16 anos sem aparecer na competição, e o desempenho em 2020, somado ao atual potencial de investimento, prova que o Ceará pode estar vivendo um dos melhores momentos de sua história.

Não que o Alvinegro vá de repente revolucionar o mercado de transferências, mas dentro de suas possibilidades financeiras fez movimentos interessantes, melhorando o elenco e oferecendo novas peças para o técnico Guto Ferreira, que foi mantido após o bom trabalho em 2020. Melhorar o 11º lugar obtido na última Série A é possível caso as coisas permaneçam neste padrão.

A melhor posição do Ceará na história de um Nacional foi a 3ª colocação na Taça Brasil de 1964, quando perdeu nas semifinais para o Flamengo. Repetir a dose talvez seja sonhar alto demais em 2021, mas a Libertadores é palpável. O Vozão ficou a apenas dois pontos do Santos, último classificado para a competição via Brasileirão. Garantiu vaga na Copa Sul-Americana e tem condições de fazer boa figura internacional.

arte - Rodrigo Coutinho - Rodrigo Coutinho
Balanço da janela do Ceará até esse momento
Imagem: Rodrigo Coutinho

Detalhei aqui mesmo no blog como Guto Ferreira costuma montar o Ceará. Ele recebeu até aqui nove novos jogadores e perdeu sete, dois deles titulares do time base de 2020. Samuel Xavier foi para o Fluminense e Léo Chú voltou para o Grêmio, clube que detém seus direitos. Fernando Prass se aposentou, o também goleiro Diogo Silva foi para o CRB. O zagueiro Eduardo Brock para o Cruzeiro, e o atacante Mateus Gonçalves para o Cerro Porteño. Leandro Carvalho também rumou para o América Mineiro. Felipe Baixola é outro que deve deixar o clube com o fim de seu vínculo.

Entre as chegadas, se destacam o goleiro João Ricardo, que eleva bastante o nível da posição, o atacante Jael, especialista em pivôs e presença na área como gosta Guto, e os pontas Steven Mendoza e Yoni Gonzalez, muito preparados para atuar em velocidade nas transições ofensivas, como prevê constantemente o modelo de jogo da equipe.

O volante Willian Oliveira, que fez uma ótima Série B pela Chapecoense, também pode ganhar espaço pela qualidade na distribuição das jogadas, fator que não está presente de forma tão extensa nos outros ''camisas 5'' do elenco. Os meias Marlon e Jorginho trazem competitividade e equilíbrio com as peças que deverão ser titulares. Já o zagueiro Jordan e o goleiro Vinícius Machado chegam para se desenvolver.

foto - Do UOL, em São Paulo - Do UOL, em São Paulo
Goleiro João Ricardo é anunciado pelo Ceará com contrato até 2022
Imagem: Do UOL, em São Paulo

Ainda no 2º turno do Brasileirão, o clube já havia adquirido Saulo Mineiro, Felipe Vizeu e Pedro Naressi, atletas que deram boas respostas. A manutenção de alguns jogadores importantes também foi primordial. Luiz Otávio, Fernando Sobral, Fabinho e Vina são elementos da espinha dorsal que Guto confia. Certamente podem oferecer estabilidade àqueles que chegam e buscam se adaptar.

O Ceará, mesmo com orçamento mais modesto que clubes outrora gigantes do futebol brasileiro, vem provando que é possível obter resultados e crescer com seriedade e profissionalismo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL