PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Xodó do Cruzeiro superou perda da família e doping por cocaína pelo futebol

Raniel, atacante do Cruzeiro, em jogo contra o Sport - Washington Alves/Light Press/Cruzeiro
Raniel, atacante do Cruzeiro, em jogo contra o Sport Imagem: Washington Alves/Light Press/Cruzeiro

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

23/08/2017 04h00

Aos 21 anos, Raniel já experimentou todo o tipo de dor na vida. Quem o vê como uma das esperanças de gol do Cruzeiro para a classificação à final da Copa do Brasil pouco sabe dos obstáculos enfrentados pelo atacante em sua trajetória. A superação envolve orfandade e até uma punição por doping.

Talento precoce, o jogador chegou ao profissional do Santa Cruz, time que o revelou, em 2014. As dificuldades, entretanto, o acompanham há muito tempo e transcendem as quatro linhas.

Ainda criança, ficou órfão de pai. O problema é que a relação com a mãe biológica não era nada boa. Sem carinho e amor, ganhou uma nova mãe. O jovem foi adotado por Dione, ex-chefe de sua genitora. O sentimento nutrido pela nova criadora faz com que o atacante se refira a ela como "minha mãe".

Aos 16 anos, Raniel já estava nas divisões de base do Santa Cruz e estudava graças à mãe adotiva. O problema é que, neste período, Dione sofreu um ataque cardíaco e morreu no hospital: “Chorei sem parar, foi o dia mais triste da minha vida”, contou em entrevista ao site do Santa Cruz.

Ainda sem condições de se sustentar, o garoto retornou à casa da mãe biológica, em uma comunidade do Recife. A mudança de vida possibilitou o contato com as drogas. “Todo mundo que eu conheço lá, cheira e fuma, mas eu sempre me mantive longe porque só tinha uma coisa na cabeça: ser jogador de futebol”.

A presença constante dos entorpecentes na vida de Raniel proporcionou mais um momento difícil na carreira profissional. O atacante experimentou cocaína em uma festa na comunidade e poderia findar um futuro brilhante. “Nem lembro do que senti. Sabia que ia ter um jogo do Pernambucano na quarta-feira, mas não imaginei que daria problema”.

E o fato culminou em um dos episódios mais tristes de sua trajetória. O jogador sequer entrou em campo, mas foi sorteado para o antidoping em um jogo do Santa Cruz. Em 20 de fevereiro de 2014, o Tribunal de Justiça Desportiva de Pernambuco (TJD-PE) o suspendeu por um ano. O atacante seguiu atuando sob efeito de uma liminar até que o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) foi acionado e manteve a punição. Ele ficou afastado dos gramados por cinco meses.

Julgado pelo Comitê Disciplinar da Fifa em setembro de 2015, só poderia retornar aos gramados em fevereiro de 2016. Mas o Santa Cruz conseguiu a conversão da pena e o jogador permaneceu atuando pela equipe pernambucana.

Em março de 2016, chegou à Toca da Raposa por empréstimo. Em Belo Horizonte, defendeu o time das categorias de base do Cruzeiro. O sucesso nas divisões inferiores culminou na contratação definitiva do jovem por R$ 2 milhões em janeiro de 2017. Os mineiros detêm 70% dos direitos econômicos do jogador.

Em quase oito meses entre os profissionais da Raposa, Raniel assume um papel importante na equipe de Mano Menezes, semifinalista da Copa do Brasil. Provável titular nesta quarta-feira (23), contra o Grêmio, no Mineirão, terá a incumbência de fazer os gols que o time necessita para chegar à decisão. 

“Fico feliz com isso. A gente sempre quer ter a torcida ao lado, mas também preciso ter calma. A gente sabe que quem o professor Mano escolher para jogar, vai dar o seu melhor. Fica a critério dele. Se ele me escolher, vou dar o meu máximo. Farei o mesmo se ficar como opção e entrar no decorrer. Agora é trabalhar forte pensando na quarta-feira”, afirmou.

Após perder por 1 a 0 no jogo de ida, o Cruzeiro precisa vencer o duelo no Gigante da Pampulha por dois ou mais gols de diferença para chegar à final. Um triunfo pelo mesmo placar da derrota na primeira partida acarreta em decisão por pênaltis. Empate ou derrota dão a classificação ao time do Rio Grande do Sul.

Ficha técnica
Cruzeiro x Grêmio

Motivo: partida de volta da semifinal da Copa do Brasil
Local: Mineirão, em Belo Horizonte
Data: 23 de agosto de 2017 (domingo)
Horário: às 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhaes (RJ/Fifa)
Assistentes: Rodrigo F Henrique Correa (RJ/Fifa) e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (RJ)

Cruzeiro
Fábio; Lucas Romero (Ezequiel), Murilo, Léo e Diogo Barbosa; Henrique, Hudson, Robinho e Thiago Neves; Alisson e Raniel (Rafael Sóbis). Técnico: Mano Menezes.

Grêmio
Marcelo Grohe; Edílson, Bressan, Kannemann e Bruno Cortez; Michel, Maicon (Arthur), Ramiro, Luan e Pedro Rocha; Lucas Barrios. Técnico: Renato Portaluppi.

Futebol