PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Longe do título, Grêmio e Inter fazem disputa à parte por G4 no Brasileiro

Distância entre rivais chegou a ser de oito pontos, mas agora diferença é pequena - Ricardo Duarte/Inter
Distância entre rivais chegou a ser de oito pontos, mas agora diferença é pequena Imagem: Ricardo Duarte/Inter

Jeremias Wernek e Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

23/11/2018 04h00

Internacional e Grêmio já jogaram cinco vezes na temporada, mas agora disputam um Gre-Nal indireto. Os rivais estão próximos na tabela do Campeonato Brasileiro e entrarão nas últimas duas rodadas de olho na vaga direta à fase de grupos da Libertadores de 2019. O que também pode significar um clássico por espaço no G4.

O Gre-Nal na tabela começou a esquentar nas últimas rodadas. A diferença é de apenas três pontos.

O Inter entrou no G4 na 12ª rodada, ao vencer o Vasco, e um mês depois se consolidou no topo da tabela ao bater o Botafogo. Durante bom período, chegou a ser forte candidato ao título. Em setembro, ao vencer o Gre-Nal, o time de Odair Hellmann abriu oito pontos de distância em relação ao rival: 49 a 41 pontos.

À época, a equipe de Renato Gaúcho dividia suas forças entre Brasileiro e Libertadores, pouco após ser eliminada pelo Flamengo na Copa do Brasil. Fora da briga pelo título da América, o Grêmio remontou sua campanha e viu o Internacional oscilar. No final de semana passado, com a derrota do Inter para o Botafogo, o time gremista encostou ao ganhar da Chapecoense e criou o Gre-Nal indireto na tabela.

"Não importa quem está na nossa frente. Acima de tudo, temos que garantir lugar o G4. O campeonato é contra todos os clubes, não contra o Internacional. Eles fazem a parte deles, nós a nossa. A única diferença é que o Grêmio disputou outras grandes competições e o Inter ficou só com o Brasileiro. É obrigação deles estar à frente, mas mesmo assim estamos perto. Nossa briga não é com o Inter, mas com quem está lutando pelo G4", disse Renato recentemente.

No meio da semana, o Grêmio até teve a chance de ultrapassar o Inter. A derrota para o Flamengo, na sequência do revés colorado diante do Atlético-MG, impediu. Para o clube gremista, terminar à frente do rival pode ser um bônus, mas ainda não é objetivo público.

Aos olhos do Inter, a aproximação do Grêmio gera uma dose de preocupação. Às vésperas de eleições e com queda de rendimento do time, o clube vê surgir um incômodo. Principalmente aos torcedores, que apoiaram a equipe na primeira temporada após volta da Série B.

"Existe uma disputa contra 19 clubes. São 38 rodadas, o Grêmio não joga o campeonato sozinho. Nós focamos na competição, para fazer uma competição forte, dedicada, para colocar o Inter onde nunca devia ter saído, da disputa por títulos. Viemos dos dois piores anos da história do clube. A retomada tinha que ser sólida, com regularidade, para tirar a desconfiança que tinha no início. Faremos isso até a reta final, com responsabilidade, dedicação, e vamos entregar tudo até o fim, até as últimas partidas. E esperamos que com tudo que estamos fazendo, dar de presente a vitória ao nosso torcedor. Eles merecem uma vitória, como nós merecemos. E fechar o Brasileiro bem", disse o técnico Odair Hellmann.

Internamente, o Inter crê que teve um grande ano, recolocado no cenário da disputa dos títulos, firme de volta na Série A. E desde cedo longe da zona de rebaixamento, evitando sustos.

Nas duas últimas rodadas, o Inter encara Fluminense e Paraná. A partida com os cariocas acontece no próximo domingo (25), em Porto Alegre, e a despedida do ano será fora de casa. O Grêmio visita o Vitória e depois recebe o Corinthians.

Esporte