PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Sánchez comemora fase de "camisa 10" e artilheiro no Santos

Além de armar o time santista, Sánchez marcou três gols nos últimos cinco jogos - Divulgação/Santos FC
Além de armar o time santista, Sánchez marcou três gols nos últimos cinco jogos Imagem: Divulgação/Santos FC

Samir Carvalho

Do UOL, em Santos (SP)

31/10/2018 18h24

O volante Carlos Sánchez comemora a fase de camisa 10 no Santos. O camisa 7 nunca foi protagonista em seus ex-clubes e na seleção uruguaia, mas assumiu a função de principal armador da equipe santista na temporada. Contratado para ser volante, sua posição de origem, ele resolveu o problema de criação do time, constante desde a saída de Lucas Lima.

“É uma função que eu gosto, a de armador, é algo que eu sempre treinei. Trato de cumprir o que pede Cuca, deixo tudo em campo. Uma equipe que joga muito bem, sempre tratamos de corresponder a cada jogo, sendo protagonista. Tenho que jogar como Cuca preferir, com raça, com disposição, deixando tudo em campo”, afirmou Sánchez.

Além da armação das jogadas, o uruguaio vive fase de artilheiro com a camisa santista. Ele marcou três gols nos últimos cinco jogos. Sánchez, inclusive, lembra que nunca passou por esse momento em sua carreira e que não entra em campo com a prioridade de fazer gols.

“Não (não se recorda de outro momento assim) É uma alegria enorme fazer gols. Trato de dar sacrifício ao time, ajudar, o gol é bem-vindo. Não sou eu que busco o gol, busco ajudar. Posso ajudar com gols também e às vezes a oportunidade vem. As chances estão vindo, mas só penso em ajudar e não em fazer gols”, disse.

Carlos Sánchez pode desfalcar o Santos por até três jogos no Campeonato Brasileiro, pois está na pré-lista da seleção uruguaia para os amistosos contra o Brasil e França, nos dias 16 e 20 de novembro, respectivamente. Caso seja convocado, ele não poderá atuar contra Flamengo, América-MG e Botafogo.

“Complicado, pois não depende de mim. Seleção é um prêmio para todos, não é menos importante ficar na equipe, é muito importante tudo. Se estou convocado e confirmado, seria um prêmio, vou. E se fico, faço o que venho fazendo, pensando na equipe”, disse.

“Seleção é algo lindo, poder estar lá de novo, mas não tenho confirmado nada e estou só pensando em trabalhar aqui, ajudar nos jogos. Sempre pensamos no presente, treinar e verei como será a convocatória”, concluiu.

Esporte