PUBLICIDADE
Topo

Esporte

São Paulo volta a vencer, mas precisa resolver "revolta" da base

Igor Gomes, Antony e Helinho: jovens pedem passagem no Tricolor - Rubens Chiri/saopaulofc.net
Igor Gomes, Antony e Helinho: jovens pedem passagem no Tricolor Imagem: Rubens Chiri/saopaulofc.net

Bruno Grossi e Pedro Lopes

Do UOL, em São Paulo

30/10/2018 04h00

O São Paulo voltou a vencer no Campeonato Brasileiro na última sexta-feira, quando bateu o Vitória por 1 a 0 no Barradão. Um triunfo seguro, que traz um pouco mais de tranquilidade para o dia a dia do Tricolor, mas que não tira todos os obstáculos da frente da comissão técnica. É preciso ainda administrar certa insatisfação dos jovens do elenco que anseiam por mais chances, que agora podem aparecer devido às lesões que acometeram principalmente o setor ofensivo da equipe de Diego Aguirre.

Parte dos garotos do grupo acredita que tem treinado bem no CT da Barra Funda, o suficiente para, ao menos, ter chances no segundo tempo das partidas. Eles mesmos reconhecem e entendem o cuidado da comissão em não lançá-los de maneira repentina, em jogos complicados ou na má fase que a equipe tenta deixar para trás. Mas compromissos como contra América-MG e Botafogo trouxeram frustrações às promessas.

Há também o entendimento de que não falta coragem a Aguirre para colocar meninos da base. Tanto é que o treinador usou Liziero como titular nas semifinais do Campeonato Paulista, com o time em crise, e apostou em Luan em jogos tensos do Brasileirão, como contra Cruzeiro, Atlético-PR e, por último, Vitória.

LEIA MAIS:
São Paulo promove mais de um time de Cotia, mas só Liziero deslancha

Só que, ao mesmo tempo, o técnico mostrou uma paciência extra com veteranos em baixa, em comparação aos créditos dados a jovens. Brenner, por exemplo, ficou sem espaço após deslizes comportamentais e ainda não recuperou o prestígio que tinha, apesar do bom rendimento na base. Caique não teve mais chances depois de decepcionar em clássico com o Corinthians no Paulistão, embora também colecione boas atuações no sub-23. Shaylon, usado em seis jogos seguidos na virada de turno da Série A, já não é acionado há oito rodadas.

Alguns medalhões, entretanto, custaram a ir para o banco mesmo sem render bem. A visão da diretoria é que Aguirre tentou ao máximo confiar nos jogadores que levaram o São Paulo à liderança do Brasileirão. Um voto de confiança para quem foi tão longe seria deixá-los reagir. As mudanças começaram a acontecer há três rodadas apenas. Primeiro com o comandante trocando Sidão por Jean e, depois, tirando Jucilei e Nenê para que Luan e Gonzalo Carneiro se tornassem titulares.

Luan - MAURICIA DA MATTA / EC VITÓRIA - MAURICIA DA MATTA / EC VITÓRIA
Luan foi titular no meio-campo do São Paulo
Imagem: MAURICIA DA MATTA / EC VITÓRIA

Os próprios dirigentes admitem que esperavam que mais garotos da base fossem utilizados para tentar algo novo que ajudasse o Tricolor a reagir. Uma ansiedade natural, como a dos próprios atletas puxados de Cotia e da torcida, e que passa principalmente pelos recém-promovidos Igor Gomes, Antony e Helinho e até Toró, que pode ser puxado em breve do sub-20 e já treina ocasionalmente no CT da Barra Funda. Os cartolas até aceleraram o processo de renovação dos talentos precoces, mostrando que a política do clube é mesmo por mais espaço à base.

Só que o departamento de futebol, assim como fez no primeiro semestre com Dorival Júnior, opta por respeitar as decisões da comissão técnica. O "profissionalismo" é sempre citado para justificar a postura. Foi dado tempo para que Aguirre moldasse o time aos poucos, como aconteceu com Luan e como pode acontecer com Helinho se ele for escolhido para substituir os lesionados Joao Rojas ou Everton Felipe contra o Flamengo, às 17h do próximo domingo, no Morumbi. Antes, porém, precisa se recuperar de torção no tornozelo esquerdo.

O estádio, aliás, pode fazer a diferença para que os jovens tenham as chances que esperam. Há uma política de não levar os novatos para jogos fora de casa. Recentemente, apenas o zagueiro Rodrigo viajou para uma partida - contra o Atlético-MG, no Independência -, mas apenas porque não havia outro defensor à disposição e Anderson Martins atuaria no limite físico. Os demais não costumam ser relacionados, mesmo que o banco fique com menos atletas do que o permitido pelo regulamento.

Jovens que tiveram os contratos renovados pelo São Paulo em 2018

Lucas Perri - goleiro - até 30 de abril de 2022
Walce - zagueiro - até 13 de outubro de 2021
Rodrigo - zagueiro - até 31 de dezembro de 2021
Luan - volante - até 31 de dezembro de 2022
Liziero - volante - até 30 de abril de 2023
Igor Gomes - meia - até 31 de março de 2023
Helinho - atacante - até 30 de abril de 2023
Antony - atacante - até 30 de setembro de 2023
Toró - atacante - até 31 de dezembro de 2022

Esporte