PUBLICIDADE
Topo

Esporte

No meio da tabela, clássico vira divisor para o Atlético-MG no Brasileiro

Valdívia disputará seu primeiro clássico mineiro, mas sabe da importância da vitória - Bruno Cantini/Clube Atlético-Mineiro
Valdívia disputará seu primeiro clássico mineiro, mas sabe da importância da vitória Imagem: Bruno Cantini/Clube Atlético-Mineiro

Victor Martins

Do UOL, em Belo Horizonte

21/10/2017 04h00

Seis pontos separam o Atlético-MG de uma vaga na zona de classificação à próxima Copa Libertadores. Seis pontos é também a distância para a zona de rebaixamento. Na décima colocação no Campeonato Brasileiro, o Galo tem o clássico com o Cruzeiro como um divisor de águas na competição. Em caso de triunfo, vai ser possível sonhar com a presença na sexta Libertadores consecutiva. Já uma derrota pode deixar o time ainda mais perto da zona de descenso.

Por isso, o duelo deste domingo, às 17h, no Mineirão, pela 30ª rodada do Brasileirão, ganhou ainda mais peso na Cidade do Galo. Apesar de vir de mais uma derrota em casa, para a Chapecoense, o discurso se mantém voltado para a busca por um lugar no G-7. Seis pontos atrás do Botafogo, o clássico com o Cruzeiro tem motivação dobrada entre os atleticanos.

“A temporada foi mais ou menos assim. Quando pensavam que a gente ia, acabava sofrendo uma derrota que abalava todo o elenco. A gente não conseguiu engatar uma sequência que nos desse uma tranquilidade para o trabalho. A mudança de treinador mostra a temporada do Galo como foi. A gente chega em um jogo importante com a corda no pescoço, mas de uma maneira tranquila, sabendo que precisa do resultado. O trabalho vem sendo bem feito e não é a derrota para a Chapecoense que vai nos abalar”, comentou o lateral esquerdo Fábio Santos.

E o clássico pode ser o diferencial que o Atlético precisa para conseguir arrancar nesta reta final de Brasileirão. Vencer um jogo em que a motivação é diferente pode fazer o time crescer nas rodadas finais. E é em um pouco dessa mística do clássico que apostam os jogadores do Atlético.

“No clássico é diferente. Tudo o que você não jogou no ano é preciso jogar no clássico. Tem de chutar de esquerda, de direita e até de joelho. Não importa a forma, mas é preciso fazer alguma coisa para a sua equipe sair vencedora no clássico”, comentou o meia Valdívia, que teve a experiência de disputar o Gre-Nal, mas pela primeira vez vai jogar um Atlético x Cruzeiro.

Com 38 pontos, o Atlético precisa vencer pelo menos mais duas partidas para se livrar do risco de rebaixamento. Já para buscar uma vaga na Libertadores, o time mineiro precisa ter um aproveitamento acima do que o Corinthians apresentou até agora, por exemplo. Para não depender de uma grande combinação de resultados, o Galo precisa vencer sete dos nove jogos restantes para disputar a Libertadores de 2018.

Esporte