PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Borja desencanta, Palmeiras bate a Ponte e vê Corinthians a 9 pontos

Willian Palmeiras lesão - Ale Cabral/AGIF - Ale Cabral/AGIF
Willian deixou a partida ainda na primeira etapa; artilheiro preocupa para o fim de semana
Imagem: Ale Cabral/AGIF

Do UOL, em São Paulo (SP)

19/10/2017 21h53

As conversas sobre chance de título se arrefeceram. No entanto, o Palmeiras, enfim, aproveitou um tropeço do líder Corinthians. Na noite desta quinta-feira, a equipe alviverde venceu a Ponte Preta por 2 a 0, no Estádio do Pacaembu, e diminuiu a diferença para o arquirrival. Agora, com os gols de Keno e Miguel Borja, nove pontos separam os dois adversários na tabela de classificação do Campeonato Brasileiro.

O triunfo desta quinta, marcado pelo primeiro gol de Borja desde 21 de junho, deixa o Palmeiras na terceira posição com 50 pontos após 29 rodadas de Série A. O Corinthians, que ficou no 0 a 0 com o Grêmio, soma 59. Os gaúchos, depois da igualdade em Itaquera, foram a 50 e só se encontram na segunda colocação pelo saldo de gols.

A Ponte Preta, em contrapartida, parece destinada a brigar contra a zona de rebaixamento até o fim da temporada. O time de Campinas, com apenas 32 pontos somados, ocupa a 17ª colocação, a primeira dentro da região mais indesejada da tabela.

Embalado por duas vitórias sob o comando do interino Alberto Valentim, o Palmeiras possui um duelo direto pela frente no fim de semana. Domingo, a partir das 17h (de Brasília), a equipe alviverde encara o Grêmio, que deve levar um time alternativo à Arena em Porto Alegre. A Ponte, encrencada na tabela, recebe o Avaí no mesmo dia, mas às 19h.

Quem foi bem: Keno

Mais uma vez, Keno aproveitou a chance dada por Alberto Valentim. O atacante participou decisivamente da vitória desta quinta-feira: abriu o placar na primeira etapa e fez a bola chegar a Miguel Borja no segundo gol. Vai ficar difícil tirar o camisa 27 do time titular.

Quem foi mal: Rodrigo

O experiente zagueiro foi decisivo para o Palmeiras anotar o 1 a 0. Rodrigo errou o domínio e permitiu a Keno chegar inteiro na dividida dentro da área. O palmeirense levou a melhor no “pé de ferro” e teve toda a liberdade para tocar no contrapé de Aranha.

Desencantou

Foram quase quatro meses e um turno de jejum. Desde 21 de junho, Miguel Borja não balançava as redes pelo Palmeiras. A seca terminou neste 19 de outubro. O atacante, que ganhou oportunidade de Alberto Valentim após lesão de Willian, quebrou o incômodo período com estilo: aos 27min da etapa final, o colombiano deu um chapéu no goleiro Aranha e tocou de cabeça para as redes. Caprichosamente, a bola ainda tocou na trave antes de entrar e confirmar o oitavo gol do camisa 9 pelo clube.

Willian vira preocupação

Principal atacante do Palmeiras na temporada, Willian se tornou a nova preocupação para a comissão técnica. Ainda na primeira etapa, o artilheiro do time no ano (17 gols) sentiu fortes dores na coxa esquerda e precisou ser substituído. O camisa 29 passará por avaliação nesta sexta-feira e é dúvida para o compromisso diante do Grêmio, rival direto na briga pelas primeiras posições na tabela.

Palmeiras aproveita “ajuda” do gandula

O Palmeiras abriu o placar contando com uma “ajudinha” de um gandula. Dudu recebeu rápido a bola e cobrou o lateral para Willian, que se encontrava completamente livre. O atacante rolou para Moisés, mas Aranha defendeu o primeiro arremate. Na sobra, Keno ganhou a dividida com Rodrigo e tocou no contrapé do goleiro rival. No intervalo, os gandulas até receberam uma orientação da arbitragem para não acelerarem o jogo.

Ponte Preta investe nos contra-ataques

A tática de Eduardo Baptista era clara desde o primeiro minuto do jogo no Pacaembu: investir na velocidade dos pontas e explorar as costas dos laterais palmeirenses. A estratégia deu certo, mas faltou pontaria e capricho para a equipe de Campinas. Prass, por exemplo, fez grande defesa quando o placar ainda apontava 0 a 0, em jogada erroneamente anulada pela arbitragem.

Alberto Valentim ignora xodó de Cuca

Ao ver Willian sentir a lesão na coxa e pedir para sair, o técnico interino palmeirense não hesitou em chamar Miguel Borja para entrar. O colombiano, ainda sem convencer, venceu a disputa direta com Deyverson, titular com Cuca, para substituir o artilheiro palmeirense na temporada. O antigo xodó e titular absoluto, com o novo comandante, agora encara uma nova realidade como a terceira opção de ataque.

Eduardo Baptista recebe carinho dos ex-comandados

Técnico do Palmeiras entre janeiro e maio deste ano, Eduardo Baptista reencontrou a ex-equipe pela primeira vez nesta quinta-feira. Respeitado por boa parte do elenco, apesar do insucesso no trabalho, o treinador recebeu o carinho dos antigos comandados no Pacaembu. Um dos atletas que fizeram questão de abraçar o treinador foi Felipe Melo, que, no dia da demissão, escreveu um post dedicado ao atual treinador da Ponte Preta.

Outubro Rosa

Assim como no ano passado, o Palmeiras se mobilizou para o movimento popular Outubro Rosa, que levanta a bandeira para a prevenção ao câncer de mama. Em atitude semelhante a de 2016, o time alviverde estampou o número dos jogadores de rosa, a fim de promover a campanha. Nos próximos dias 25 e 26, o clube e a Federação Paulista de Futebol (FPF) vão disponibilizar uma carreta que receberá torcedoras para realizar exames de prevenção. Basta se cadastrar no site Marque esse gol.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 2 x 0 PONTE PRETA

Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo (SP)
Data: 19 de outubro de 2017 (quinta-feira)
Horário: 20h (de Brasília)
Público: 17.778 pagantes
Renda: R$ 525.802,50
Árbitro: Leandro Bizzio Marinho (SP)
Assistentes: Miguel Cataneo Ribeiro da Costa e Gustavo Rodrigues de Oliveira (ambos de SP)
Cartões Amarelos: Elton, Marllon, Jeferson e Nino Paraíba (Ponte Preta)

Gols:
PALMEIRAS: Keno, aos 27min do 1º tempo; e Miguel Borja, aos 27min do 2º tempo

PALMEIRAS: Fernando Prass; Mayke, Edu Dracena, Juninho e Egídio; Bruno Henrique, Tchê Tchê (Arouca) e Moisés (Felipe Melo); Keno, Willian (Miguel Borja) e Dudu.
Técnico: Alberto Valentim (interino).

PONTE PRETA: Aranha; Nino Paraíba, Marllon, Rodrigo e Jeferson; Naldo, Jean Patrick (Saraiva) e Elton (Jadson); Danilo, Lucca e Claudinho (Renato Cajá).
Técnico: Eduardo Baptista.

Esporte