PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Chegada de Oswaldo faz bem a Robinho, que vai recuperar espaço no Atlético

Robinho cumprimenta Oswaldo em 2014. Eles vão trabalhar juntos pela terceira vez - EDU ANDRADE/FATOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Robinho cumprimenta Oswaldo em 2014. Eles vão trabalhar juntos pela terceira vez Imagem: EDU ANDRADE/FATOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Victor Martins

Do UOL, em Belo Horizonte

27/09/2017 04h00

Durante os dois meses que Rogério Micale foi treinador do Atlético-MG, entre o fim de julho e o fim de setembro, ninguém perdeu mais espaço na equipe titular do que Robinho. Então titular absoluto, o camisa 7 amargou o banco de reservas em nove das 13 partidas sob o comando do antigo treinador, sendo que das nove vezes em que ficou na reserva, Robinho sequer entrou no jogo em quatro oportunidades.

A última delas aconteceu na derrota para o Vitória, no Independência. Até então vaiado pelas atuações ruins, Robinho voltou a ser lembrado pela torcida, insatisfeita com a atuação do time. Mesmo com o público gritando seu nome, o atacante não entrou. Micale optou por Marlone. Com a troca de treinadores, especialmente pela chegada de Oswaldo de Oliveira, Robinho vai ganhar mais minutos em campo.

No primeiro dia na Cidade do Galo, o novo treinador esteve rapidamente no campo, acompanhando os jogadores que não atuaram contra o Vitória ou que jogaram poucos minutos. Robinho estava entre eles e foi observado de perto pelo treinador, que vai ter uma conversa reservada com o atacante.

“Robinho é um dos grandes jogadores de todos os tempos do futebol mundial. Tive oportunidade de trabalhar com ele duas vezes no Santos, em 2005 e 2014. Fico muito triste de vê-lo no banco, sem dar a recompensa que a torcida espera. Vou conversar com ele para ver o que podemos fazer para voltar a ser o Robinho que nós conhecemos”, comentou Oswaldo de Oliveira.

Ter a confiança dos principais jogadores do Atlético, inclusive, vai ser fundamental para o trabalho do treinador se desenvolver na Cidade do Galo. Experiente, com mais de 20 anos de carreira, Oswaldo de Oliveira sabe a importância de ter ao seu lado os líderes do vestiário.

“Vou ter de trabalhar muito a parte psicológica. Tenho de analisar o que tenho que fazer agora, ver esses 14 jogos e procurar ajudar a equipe no melhor que eu puder”.

Esporte