PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Palmeiras sofre, mas afunda São Paulo na degola e respira no Brasileirão

Hernanes festeja ao marcar para o São Paulo contra o Palmeiras -  ALEX SILVA/ESTADÃO CONTEÚDO -  ALEX SILVA/ESTADÃO CONTEÚDO
Imagem: ALEX SILVA/ESTADÃO CONTEÚDO

Danilo Lavieri e José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo

27/08/2017 17h56

O Palmeiras sofreu, viu o São Paulo desperdiçar chances na cara de Fernando Prass, mas conseguiu a vitória por 4 a 2 no clássico deste domingo (27). Com golaços de Willian, que fez dois, Keno e Hyoran, a equipe de Cuca afunda o rival na zona de rebaixamento, respira e se garante no G-4 por mais uma rodada. Os visitantes chegaram a sair à frente com gol de Marcos Guilherme e conseguiram empatar com Hernanes. Já no fim do jogo, a torcida palmeirense entoou gritos de 'segunda divisão' ao rival.

O jogo foi marcado por incríveis falhas dos sistemas defensivos de ambas as equipes e por gols perdidos, especialmente do lado dos visitantes. Marcos Guilherme acertou o travessão de Prass quando a partida ainda estava 1 a 0, e Rodrigo Caio desperdiçou chance incrível sozinho, ao lado da trave, quando o placar ainda apontava 2 a 2.
O jogo ainda teve um susto com Lucas Pratto. O argentino se chocou com Hernanes, caiu desacordado e precisou deixar o Allianz Parque em uma ambulância. Ele passa bem.
O resultado quebra a sequência ruim do Alviverde de três jogos sem vencer e deixa o time na 4ª colocação, com 36 pontos. O próximo jogo está marcado apenas para o dia 9 de setembro, contra o Atlético-MG, no Independência. Já os são-paulinos seguem na zona de rebaixamento, com 23 pontos e com a chance de virar penúltimo colocado caso Vitória e Avaí vençam seus jogos.
Melhores: Hernanes e Willian
Willian marca para o Palmeiras contra o São Paulo - ALEX SILVA/ESTADÃO CONTEÚDO - ALEX SILVA/ESTADÃO CONTEÚDO
Imagem: ALEX SILVA/ESTADÃO CONTEÚDO
O atacante palmeirense mostrou estar com o faro de gol em dia. Primeiro, aproveitou cruzamento de Michel Bastos e completou para o gol. Depois, colocou os donos da casa à frente no placar em bela jogada individual e com um estiloso arremate - e ainda fechou com uma assistência. Já Hernanes comandou as ações do São Paulo. Soube ditar o ritmo e, de quebra, deixou a sua marca.
O pior: Cueva
O peruano não conseguiu dar sequência nas jogadas do São Paulo. Mas além de não criar, o camisa 10 deixou a desejar também na hora de ajudar o sistema defensivo. No segundo tempo, por exemplo, foi tentar dar um toque de calcanhar e armou o ataque adversário. Rodrigo Caio ficou bravo com o lance e deu uma bronca no meia, que pouco depois foi substituído por Lucas Fernandes.


Escalações

Rodrigo Caio, do São Paulo, e Deyverson, do Palmeiras, dividem pelo alto - MAURO HORITA/ESTADÃO CONTEÚDO - MAURO HORITA/ESTADÃO CONTEÚDO
Imagem: MAURO HORITA/ESTADÃO CONTEÚDO
Como os treinos de Palmeiras e São Paulo foram fechados durante a semana, havia a expectativa de como os técnicos iriam montar os seus times neste clássico. Cuca colocou o alviverde com dois atacantes de ofício, Willian e Deyverson. Já Dorival Júnior não promoveu nenhuma mudança tática no time, a novidade era o retorno de Lucas Pratto, que havia cumprido suspensão automática na última rodada, contra o Avaí.

Gol e objetividade tricolor

O São Paulo começou a partida recuado e deu espaço para o Palmeiras assustar Sidão. No entanto, o Tricolor mostrou ser mais objetivo nos contragolpes. Em uma dessas investidas em velocidade, os visitantes abriram o placar. Pratto encontrou Marcos Guilherme, que mandou para o fundo das redes na saída de Prass. Mais tarde, o time de Dorival Júnior teve mais uma chance com Marcos Guilherme, que parou no travessão.

Lucas Pratto desmaia e sai de ambulância

O clima de tensão tomou conta do Allianz Parque ainda no primeiro tempo. O argentino Lucas Pratto caiu desacordado em campo após levar uma joelhada do companheiro Hernanes aos 22min e fez os jogadores correrem para solicitar a ambulância. O atacante foi atendido pelos médicos do São Paulo e precisou de mais de cinco minutos para ser colocado no veículo, imobilizado. Ele ganhou aplausos da torcida palmeirense e foi encaminhado para o Hcor, acompanhado do médico tricolor Auro Rayel.

Quem não faz...

O Palmeiras aproveitou que o São Paulo desperdiçou a chance de aumentar o placar e conseguiu a virada relâmpago. Com dois gols de Willian, aos 35 e aos 38 minutos, os donos de casa conseguiram passar à frente no placar e incendiaram o Allianz. Para empatar, o atacante aproveitou cruzamento de Michel Bastos e falha de Edimar para chutar cruzado. A virada veio com um golaço no ângulo de Sidão após passar por Jucilei.

Felicidade de palmeirense dura pouco
Os palmeirenses comemoravam a virada com gritos de guerra, mas não conseguiram terminar a primeira etapa com o resultado à frente em vacilo da zaga alviverde. Buffarini cruzou e achou Hernanes, que teve tempo de dominar no peito e concluir para empatar o jogo.


Dois saem do banco e decidem para o Palmeiras

Com o Palmeiras mais desorganizado, o São Paulo passou a ter mais chances para fazer o terceiro. Rodrigo Caio, por exemplo, perdeu uma oportunidade livre na cara de Fernando Prass. E justamente logo após um contragolpe desperdiçado por Marcos Guilherme, o Palmeiras partiu para o ataque. Keno, de fora da área, arriscou o chute e colocou o alviverde outra vez à frente no placar: 3 a 2. Já nos acréscimos, Hyoran fechou a conta após passe de Willian.


PALMEIRAS 4 X 2 SÃO PAULO

Local: Allianz Parque, em São Paulo (SP)
Data: 27/08/2017 (domingo)
Árbitro: Sandro Meira Ricci (SC-Fifa)
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Van Gasse (ambos de SP-Fifa)
Público: 33.537 torcedores
Renda: R$ 2.195.368,53
Cartões amarelos: Edimar, Arboleda (São Paulo)
Gols: Marcos Guilherme, aos 12min, Willian, aos 35 e 38min, Hernanes, aos 51min do primeiro tempo; Keno, aos 33min, e Hyoran, aos 45min do segundo tempo

PALMEIRAS
Fernando Prass; Jean, Edu Dracena, Luan e Michel Bastos; Tchê Tchê, Bruno Henrique (Keno), Moisés e Guerra (Hyoran); Willian e Deyverson (Thiago Santos)
Técnico: Cuca

SÃO PAULO
Sidão; Buffarini, Arboleda, Rodrigo Caio e Edimar; Petros; Marcos Guilherme (Denilson), Jucilei, Hernanes e Cueva (Lucas Fernandes); Lucas Pratto (Gilberto)
Técnico: Dorival Júnior

Esporte