PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Libertadores do Galo completa quatro anos e time reencontra um quase vilão

Goleiro Martin Silva sobe mais do que Jô e fica com a bola no alto, na final da Libertadores de 2013 - Marcus Desimoni/UOL
Goleiro Martin Silva sobe mais do que Jô e fica com a bola no alto, na final da Libertadores de 2013 Imagem: Marcus Desimoni/UOL

Victor Martins

Do UOL, em Belo Horizonte

23/07/2017 04h00

Hoje um time em busca de sequência no Brasileiro após a demissão de Roger Machado, o Atlético-MG era bem diferente há quatro anos. Em 23 de julho de 2013, a equipe então comandada por Cuca se preparava para a final da Libertadores, contra o Olimpía, o capítulo mais importante de sua história. Quase vilão naquela oportunidade, Martin Silva vai voltar a Minas Gerais para rever o rival marcante. Agora, pelo Vasco, que enfrenta o Galo pelo Campeonato Brasileiro, no Independência. 

O atual dono da camisa 1 cruzmatlina era o titular do Olimpia há quatro anos. O arqueiro uruguaio era um dos destaques do desacreditado “Decano”, que saiu da fase preliminar da Libertadores para chegar ao jogo decisivo com a vantagem de poder perder por até um gol de diferença, depois de ter feito 2 a 0 na ida.

Por precisar da vitória e jogar num Mineirão com quase 60 mil torcedores, era natural que o Atlético tivesse maior volume de jogo. E o time mineiro atacou bastante, mas parou em boas defesas de Martín Silva. O goleiro só não conseguiu defender o chute de Jô, no primeiro minuto do segundo tempo, e a cabeçada de Leonardo Silva, já aos 41 minutos da etapa final.

24.07.2013 - Victor sai para comemorar título do Atlético-MG após pênalti chutado na trave - AFP PHOTO / EVARISTO SA - AFP PHOTO / EVARISTO SA
Victor sai para comemorar título do Atlético-MG após pênalti chutado na trave
Imagem: AFP PHOTO / EVARISTO SA

Martín Silva também travou uma guerra de nervos com Victor durante a decisão de pênaltis. O uruguaio fez o possível para tentar tirar a concentração do goleiro atleticano. Primeiro, reclamando da arbitragem, depois por causa de um terço. Victor recebeu o objeto de um torcedor do Atlético e o colocou dentro do gol, a cada vez que ia para uma cobrança de pênalti. Martín Silva, por sua vez, arremessava o terço longe, quando era a vez dele de ir para a meta.

“Chega a ser um pouco hilário. A partir do momento em que ele percebeu a presença do terço, a cada cobrança nossa, jogava o terço para trás do gol. Depois, eu ia lá e pegava. Foi assim duas vezes. Ele jogou, eu peguei e coloquei de volta. Mas, na última cobrança, tirei e fiquei com ele na mão. Quando fui para o gol, coloquei de volta, e o Giménez, do Olímpia, chutou na trave”, contou Victor, há quatro anos, em entrevista à Rede Globo.

Victor não estará em campo neste domingo pois está suspenso. Como ele, outros protagonistas da campanha vitoriosa do Galo não vão jogar, já que o técnico interino Diogo Giacomini vai usar um time mesclado por conta do duelo contra o Botafogo, pelo jogo de volta das quartas de final da Copa do Brasil.

FICHA TÉCNICA
ATLÉTICO-MG X VASCO

Data: 23 de julho de 2017, domingo
Horário: 19h (de Brasília)
Motivo: 16ª rodada do Campeonato Brasileiro
Local: Independência, em Belo Horizonte (MG)
Árbitro: Raphael Claus (Fifa/SP)
Assistentes: Alex Ang Ribeiro (SP) e Tatiane dos Santos Camargo (Fifa/SP)

ATLÉTICO-MG: Giovanni, Alex Silva, Matheus Mancini, Jesiel e Fábio Santos; Rafael Carioca, Elias, Otero e Marlone; Robinho e Fred.
Técnico: Diogo Giacomini.

VASCO: Martín Silva, Gilberto, Rafael Marques, Paulão e Ramon; Bruno Paulista, Jean, Pauilinho, Mateus Vital e Escudero; Paulo Vitor.
Técnico: Milton Mendes.

Assim, Martín Silva vai ser o único jogador daquela história final de Libertadores que vai estar em campo neste domingo. Mais uma vez como rival do Atlético.

Esporte