PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Benção do papa Francisco funciona e San Lorenzo sai do buraco na Argentina

Jogadores do San Lorenzo posam com bandeirão do papa antes de jogo pelo Argentino - AP Photo/Victor R. Caivano
Jogadores do San Lorenzo posam com bandeirão do papa antes de jogo pelo Argentino Imagem: AP Photo/Victor R. Caivano

Francisco De Laurentiis

Do UOL, em São Paulo

23/05/2013 06h00

Classificação e Jogos

Por muitos anos, o San Lorenzo, uma das grandes equipes do futebol argentino, esteve no fundo do poço. Mal no campo e nas finanças, o time de Buenos Aires andou na corda bamba e só escapou do rebaixamento por milagre. O que parece compreensível, já que a equipe tem moral no Vaticano.

Torcedor fanático do time, o papa Francisco "comandou" uma virada na equipe azul-grená. Desde que o argentino foi anunciado como pontífice, em 13 de março, o San Lorenzo reagiu e agora já emplaca quatro vitórias seguidas, algo que não acontecia desde 2009. Com o risco de rebaixamento cada vez menor, o clube agora até sonha com o título do Campeonato Argentino, que não vem desde 2007. No atual torneio, ocupa a quarta colocação, a seis pontos do líder Lanús, a cinco jogos do fim.

"Para nós, é especial que o papa seja torcedor e sócio do clube. É motivo de orgulho, não só porque se trata da pessoa mais importante do mundo católico, mas também pela maneira que ele demonstra sentimento e paixão por nossas cores", diz ao UOL Esporte Walter Pérez Castex, porta-voz do San Lorenzo. "Cada vez que tem oportunidade, o papa fala do clube, e isso nos traz muita alegria", completa.

O efeito da benção papal foi imediado. Apenas três dias após o anúncio na Cidade do Vaticano, os cuervos jogaram fora de casa e venceram difícil jogo contra o Colón por 1 a 0. Na ocasião, o time de Buenos Aires usou um uniforme especial, homenageando o papa Francisco.

NARRADORES ARGENTINOS ELOGIAM GALVÃO, MAS PROVOCAM E PREVEEM "MARACANAZO" NA COPA DE 2014

  • Reprodução/TV Globo

    Apaixonados, empolgados, provocadores. Assim são os narradores de futebol argentinos, que têm um estilo um tanto alternativo ao dos brasileiros. Apesar das diferenças, eles confessam até admiração por algumas vozes “brasucas”, como a de Galvão Bueno. Em papo com o UOL Esporte, dois bons exemplos do toco y me voy da narração argentina falaram sobre como é “mais gostoso” gritar gol contra times brasileiro e aproveitaram para provocar e prever um “Maracanazzo” em 2014. LEIA

Para reforçar a reza, o presidente do San Lorenzo, Matías Lammens, foi a Roma e entregou ao pontífice uma camisa e uma estola com as cores do clube. Dias depois, tudo começaria a dar certo em Buenos Aires, com uma arrancada que colocou o clube azul-grená perto do topo da tabela.

Apesar de reconhecer a importância do papa Francisco, o San Lorenzo diz que nem só da benção divina vive o time. O trabalho do treinador Juan Antonio Pizzi, ex-jogador do Barcelona e comandante do time desde 2012, além dos destaques da equipe, como o meia Buffarini e os atacantes Piatti e Stracqualursi, são muito elogiados.

"Recebemos cada benção do papa com respeito e emoção, mas nosso sucesso esportivo é mérito do plantel de jogadores e da comissão técnica, que todo dia trabalham duro para vencer e dar ao San Lorenzo o protagonismo que o time exige por sua imensa história", comenta Castex.

A série atual do time aponta seis jogos de invencibilidade, com três vitórias seguidas no Campeonato Argentino (contra Quilmes, Boca Juniors e All Boys) e mais uma pela Copa Argentina, contra o Deportivo Morón, da terceira divisão.

Papa aumenta número de sócios

O time também comemora o sucesso em outros campos, principalmente no financeiro, calcanhar de Aquiles nas últimas temporadas. No mês de março, quando houve o anúncio do papa, por exemplo, o San Lorenzo registrou número recorde de novos associados: foram 2.838 novos inscritos, motivados ainda mais pelo fato do próprio pontífice ser sócio do clube, com o número 88235N-0.

"Com este sentimento, peço a vocês que roguem por mim, da mesma forma que dou a vocês a Benção Apostólica, que, de coração, estendo a todos os diretores, jogadores, comissão técnica e torcedores do povo azul-grená", escreveu o papa, em trecho de carta enviada ao San Lorenzo, no fim de março.

O sonho agora no clube de Boedo é receber uma visita do pontífice, a primeira desde que Jorge Mario Bergoglio foi eleito no Vaticano. A equipe argentina, porém, reconhece que é difícil.

GOLEIRO DO TIME DO PAPA DEIXA CADEIA NA ARGENTINA APÓS PAGAR FIANÇA

  • AP/Victor R. Caivano

    Após passar 40 dias na cadeia, o goleiro Pablo Migliore, do San Lorenzo, foi liberado após pagamento fiança. O arqueiro é acusado de ter ajudado Maxi Mazzaro, chefe de uma torcida organizada do Boca Juniors, a se esconder depois que o torcedor teria matado um homem de 58 anos, em agosto de 2011. O atleta poderá voltar aos treinos, mas não poderá mais ser utilizado pelo clube de Buenos Aires, já que um substituto já foi contratado. VEJA

"Não sabemos se ele nos visitará quando vier à Argentina, mas seria um sonho se pudesse realizar uma missa no (estádio) Nuevo Gasómetro ou ver um jogo. Ele tem agenda apertada, mas não perdemos a ilusão de vê-lo novamente no clube, que é sua casa e um local onde é muito querido", aponta Castex.

Curiosamente, nesta sexta-feira completam-se dois anos desde a última visita de Bergoglio ao San Lorenzo, quando o atual papa era apenas cardeal. Em 2008, quando os cuervos fizeram aniversário de 100 anos, inclusive, o padre rezou a missa do centenário da equipe.

O San Lorenzo põe volta a colocar sua fé a prova na próxima segunda-feira, quando enfrenta o Unión Santa Fe, em casa, pela 15ª rodada do Torneio Final do Campeonato Argentino.

Esporte