PUBLICIDADE
Topo

Esporte

Brady tem jogado em alto nível e está na briga pelo prêmio de MVP da liga

Tom Brady veste uniforme do Tampa Bay Buccaneers - Divulgação/Tampa Bay Buccaneers
Tom Brady veste uniforme do Tampa Bay Buccaneers Imagem: Divulgação/Tampa Bay Buccaneers

Lucas Tieppo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

31/10/2020 04h00

A temporada 2020 da NFL apresentou uma realidade bastante diferente. Depois de 20 anos, Tom Brady e New England Patriots seguiram caminhos distintos com a ida do vetereano de 43 anos para o Tampa Bay Buccaneers. A expectativa era acompanhar como os dois lados se sairiam, já que a união em New England rendeu seis conquistas do Super Bowl e inúmeros recordes para os dois lados.

Após sete semanas, já é possível dizer que Brady mostra que há vida longe do comando de Bill Belichick, que por sua vez, sofre para recolocar a franquia no caminho das vitórias.

Aos 43 anos, Brady está jogando em alto nível e se coloca na disputa pelo quarto prêmio de MVP (melhor jogador da temporada). Além disso, a NFL acabou de anunciar que ele foi escolhido o jogador ofensivo de outubro na Conferência Nacional.

Depois de anos sem apoio de alto nível nos Patriots, Brady tem um corpo de recebedores dos sonhos em Tampa. Boas opções já não faltavam com Chris Godwin, Mike Evans, Scotty Miller, Rob Gronkowski, mas o elenco à disposição do veterano ainda ganhou o reforço do polêmico Antonio Brown.

Em sete jogos, Brady está perto das 2000 jardas lançadas (6ª melhor marca da liga), 18 passes para touchdown (2ª colocado na NFL) e apenas quatro interceptações. Em todas essas estatísticas, o quarterback tem números melhores do que os apresentados na última temporada nos Patriots.

Na vitória sobre o Las Vegas Raiders, o quarterback chegou aos 559 touchdowns lançados em temporada regular, deixando Drew Brees, que tem 558 e ainda joga no New Orleans Saints, para trás.

Além dos bons números em campo, Brady mostra que tem voz ativa nos rumos da franquia. As contratações de Gronkowski, companheiro dos tempos de Patriots e que deixou a aposentadoria para atuar ao lado do quarterback, e de Brown mostram que os Buccaneers estão dispostos a entregar tudo o que o atleta precisa para vencer mais um Super Bowl.

Problemas no Patriots

Já no antigo time de Brady, as coisas não estão nada boas, e os problemas começaram antes mesmo do início da temporada. Os Patriots foram a franquia com mais jogadores que optaram por não atuar por causa da pandemia do novo coronavírus. Foram oito desistências.

Cam Newton - Adam Glanzman/Getty Images - Adam Glanzman/Getty Images
Cam Newton admite que pode perder a posição
Imagem: Adam Glanzman/Getty Images

Já com a temporada em andamento, a equipe mais uma vez foi vítima da pandemia e viu seu quarterback titular e substituto de Brady, Cam Newton, ser diagnosticado com a doença e desfalcar a equipe. Stephon Gilmore, defensor do ano na temporada passada, também foi infectado.

Dentro de campo, as coisas não andam nada bem. O ataque tem sofrido e está longe dos bons números recentes. A derrota para o San Francisco 49ers por 33 a 6 foi a pior sofrida pela equipe sob o comando de Bill Belichick. Já a campanha de duas vitórias e quatro derrotas é a pior desde 2000, justamente o ano em que Brady foi draftado pela franquia.

Os Patriots anotaram apenas três touchdowns e somam 11 interceptações, as piores marcas da NFL, e Cam Newton já admite que pode perder o posto de titular se o desempenho não melhorar rapidamente. O problema é que o reserva Jarrett Stidham tem jogado ainda pior.

E para agravar a situação, os Patriots jogam fora de casa neste domingo (1º) contra o Buffalo Bills, rival e líder da divisão Leste da Conferência Americana. Uma derrota deixará o time muito distante dos playoffs e poderá significar o início de um processo de muitas trocas e mudanças.

Vale lembrar que a última temporada em que os Patriots não disputaram os playoffs da NFL aconteceu em 2008.

Enquanto isso, Brady e os Buccaneers jogam nesta segunda-feira (2) contra o New York Giants e devem confirmar mais uma vitória e a liderança da divisão Sul da Conferência Nacional.

Esporte