PUBLICIDADE
Topo

Futebol Americano

Jogador acusado de estupro acerta volta à NFL e vai defender time de Brady

Antonio Brown, jogador da NFL - Prince Williams/WireImage
Antonio Brown, jogador da NFL Imagem: Prince Williams/WireImage

Colaboração para o UOL, em São Paulo

25/10/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Antonio Brown acerta contrato de um ano com o tampa bay Buccaneers
  • Jogador foi suspenso por 8 jogos por violar o código de conduta da NFL
  • Brown tem diversas acusações, entre elas de estupro e de abuso sexual
  • Tom Brady, quarterback da equipe, foi grande incentivador da contratação

Antonio Brown está de volta à NFL após acertar contrato de um ano com o Tampa Bay Buccaneers neste fim de semana. O wide receiver, no entanto, só está liberado para jogar pelo time de Tom Brady a partir da semana 9 da temporada 2020 por ainda cumprir uma suspensão de oito jogos.

Brown foi punido pela NFL por violar várias vezes o código de condutas imposta pela liga. A lista de problemas extracampo envolvendo o jogador é grande e envolve acusações de assédio sexual e estupro, além de brigas e envolvimento em outros crimes.

Apesar de todas as polêmicas, Brown ganha espaço em um time que sonha com o Super Bowl e conta com a atenção da mídia pela presença de Brady, que teve papel importante na negociação.

Brady e Brown criaram uma relação próxima desde que trabalharam juntos por um curto período pelo New England Patriots na temporada passada. O quarterback sempre defendeu e incentivou o retorno do ex-companheiro à NFL.

O jornalista Adam Schefter, da emissora americana ESPN, revelou que Brady foi "uma força motriz por trás do interesse da franquia em Brown".

Brown é acusado de estupro e abuso sexual

Segundo a NFL, a punição de oito jogos foi imposta por múltiplas violações do código de conduta da liga, sem mais detalhes. É sabido que Brown cometeu diversos crimes, como agressão a um motorista de caminhão. Existem ainda investigações em andamento para apurar acusações de assédio e estupro e que podem gerar nova punição e até o banimento da liga.

Na primeira, ele é acusado de conduta sexual inapropriada com uma pintora contratada para pintar um quadro na casa do jogador em 2017 e que afirmou ter abusada várias vezes por ele.

Já segundo Britney Taylor, ex-preparadora física do jogador, foram três crimes cometidos contra ela. O primeiro em junho de 2017, quando Brown a teria beijado sem seu consentimento. Um mês depois, ele teria se masturbado próximo a ela e depois ejaculado nas suas costas. Por fim, em maio de 2018, a profissional acusa o jogador de ter cometido estupro ao forçar relação sexual.

Brown e seus advogados alegam inocência e afirmam que as relações sexuais foram consensuais e que as acusações só surgiram depois que o jogador negou-se a investir em um projeto de Britney.

Brown vira arma para Brady chegar ao Super Bowl

Mesmo com todos os problemas e investigações, os Buccaneers decidiram contratar Brown para aumentar o poder de fogo do ataque comandado por Tom Brady. Os dois atuaram juntos por uma partida na temporada 2019, quando o recebedor defendeu o New England Patriots na vitória sobre o Miami Dolphins na semana 2. Logo depois, o jogador foi dispensado quando surgiram as acusações feitas pela ex-preparadora.

Desde então, Brown ficou afastado da liga até ter punição anunciada em julho desde ano. Mesmo impossibilitado de atuar, o jogador realizou alguns treinos com Russell Wilson, quarterback do Seattle Seahawks, time que parecia mais disposto a apostar nele. Mas os Buccaneers surpreenderam e acertaram o vínculo por uma temporada ontem (24) com o apoio de Brady.

A chegada de Brown, de 32 anos, reforça a intenção da franquia de dar a Brady todas as armas para que o veterano conquiste mais um Super Bowl - a edição 55 será disputada no estádio da franquia de Tampa. O camisa 12 tem contrato por apenas duas temporadas e pode se aposentar ao fim do vínculo. Assim, o quarterback não tem tempo a perder, e por isso Brown pode se tornar mais uma peça importante.

Ele é um dos mais talentosos recebedores da liga e protagonizou grandes atuações nos nove anos em que defendeu o Pittsburgh Steelers. Ao fim da temporada 2018, ele assinou com o então Oakland Raiders, mas foi dispensado sem estrear por diversas polêmicas e confusões. Pouco tempo depois, fechou com os Patriots e atuou apenas uma vez até ficar desempregado de novo.

O recebedor vai ganhar o salário mínimo para a posição, que é cerca de 1 milhão de dólares, além de bônus por metas individuais e coletivas atingidas. Ele ainda passará por exames médicos e pelo protocolo da Covid-19, e sua estreia deve acontecer na semana 9 da temporada na partida contra o New Orleans Saints, no dia 8 de novembro.

O time de Tampa Bay entra em campo hoje (24), as 17h, para enfrentar o Las Vegas Raiders.

Futebol Americano