PUBLICIDADE
Topo

Futebol Americano

Por coronavírus, campeão da NFL retorna à medicina após vencer o Super Bowl

Três meses após vencer o Super Bowl, Laurent Duvernay-Tardif está na linha de frente contra o coronavírus - Getty Images
Três meses após vencer o Super Bowl, Laurent Duvernay-Tardif está na linha de frente contra o coronavírus Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

03/05/2020 17h29

O canadense Laurent Duvernay-Tardif, right guard do Kansas City Chiefs, viveu o sonho de todo jogador da NFL em fevereiro, quando seu time venceu o Super Bowl. Três meses depois, a pandemia do novo coronavírus o obrigou a viver uma realidade completamente diferente: voltou a atuar como médico em um hospital em Montreal, no Canadá.

Em depoimento à revista Sports Illustrated, ele conta como tomou a decisão de atuar na linha de frente de combate à covid-19: "Eu já queria ajudar, mas de repente ficou real. Conversei com a minha namorada sobre se vamos continuar dormindo na mesma cama, ou vivendo no mesmo apartamento. Essas conversas me fizeram perceber ainda mais os sacrifícios que as pessoas estão fazendo na linha de frente."

Duvernay-Tardif ainda não é um médico licenciado — aos 29 anos, ele tem um doutorado em medicina, mas não chegou a fazer a residência e nem escolheu uma especialização.

No entanto, nos últimos dias o governo do Canadá passou a recrutar até estudantes de medicina para ajudar os profissionais de saúde do país. Assim que soube da possibilidade, o jogador entrou em contato com o Kansas City Chiefs para saber se alguma cláusula de seu contrato proibia a atuação em outra profissão. Para seu alívio, o time apoiou sua decisão.

"É louco pensar que há 10 semanas eu estava jogando a maior partida do mundo esportivo. Me lembraram disso no hospital, quando uma das pessoas que me treinaram virou e perguntou 'Você é o jogador de futebol, né?'. Quando respondi que sim, ele disse 'Cara, você acabou de ganhar o Super Bowl.' De fato, eu falei, e agora eu só quero ajudar."

Duvernay-Tardif falou sobre a diferença entre as duas opções: no campo, ele pode (e deve) ser impulsivo. Como médico, é preciso seguir todas as recomendações de higiene como lavar as mãos e não tocar em nada.

"Eu sei que parece bobo, são coisas simples. Mas quando você está em um local onde há casos confirmados, você tem certeza de que vai ficar exposto se não tomar os cuidados adequados. Você sabe que envolve um risco."

Futebol Americano