PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

Agência investiga Haas por pintura semelhantes a bandeira russa, diz jornal

A empresa de fertilizantes russa Uralkali, patrocinadora de Mazepin, agora também é a marca principal da Haas - Divulgação/Haas
A empresa de fertilizantes russa Uralkali, patrocinadora de Mazepin, agora também é a marca principal da Haas Imagem: Divulgação/Haas

Do UOL, em São Paulo

05/03/2021 13h41

A Wada (Agência Internacional Antidoping) está investigando a escuderia Haas após a mesma apresentar seu novo veículo com cores que lembra a bandeira da Rússia, segundo o jornal americano Mortorsport. O país foi banido de competições esportivas pela agência em 2019.

Em fevereiro, a Federação Russa de Automobilismo confirmou que o banimento também abrange o campeonato mundial de Fórmula 1.

O piloto da Haas Nikita Mazepin é russo e por causa do banimento não pode correr ela bandeira do seu país. Teria sido por ele que a escuderia escolheu as cores branca, vermelha e azul para o novo carro.

Mazepin chegou com vasto investimento das empresas da família na equipe. A nova patrocinadora principal da Haas é a empresa russa de fertilizantes Uralkali, de Dimitry Mazepin, pai de Nikita.

Mazepin ainda nem estreou na categoria, mas é um personagem polêmico e não só pela agressividade dentro da pista. Pouco depois de ser anunciado pela Haas, em dezembro do ano passado, o russo publicou um vídeo nas redes sociais apalpando os seios de uma mulher sem consentimento dentro de um carro. Na sequência das imagens, ela afasta a mão do piloto e mostra o dedo do meio. Pouco tempo depois da divulgação, o vídeo foi apagado.

Uma campanha nas redes sociais pediu o afastamento de Mazepin. O russo se desculpou, e a Haas decidiu mantê-lo como piloto titular para a temporada 2021.

Fórmula 1