PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

Toco minha vida, mas 1994 está sempre aqui, diz Galisteu sobre Senna

Adriane Galisteu namorou Ayrton Senna em 1993, meses antes de o piloto morrer em uma corrida da Fórmula 1 - Reprodução/Instagram
Adriane Galisteu namorou Ayrton Senna em 1993, meses antes de o piloto morrer em uma corrida da Fórmula 1 Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo

11/10/2020 12h56Atualizada em 11/10/2020 13h27

A atriz e apresentadora Adriane Galisteu, que namorou Ayrton Senna em 1993, disse que o piloto brasileiro, morto em um acidente em 1994, faz parte de sua vida até hoje.

Em depoimento ao "Esporte Espetacular", da TV Globo, Galisteu afirmou ainda que a tragédia ocorrida há mais de 20 anos a acompanha com frequência.

"Toco a minha vida, tenho 47 anos, mas 1994 está sempre aqui [na cabeça]. Sou casada com um brasileiro que amava o Ayrton também. Meu filho [Vittorio] tem 9 anos e já sabe quem foi o Ayrton. Ele sabe da importância e do tamanho dele para o Brasil e para o mundo", disse ela, que também relembrou que o piloto não parava de trabalhar.

"Eu tinha 19 anos, então eu levei pra ele toda a 'irresponsabilidade', falava: 'para, não precisa fazer a barba, não temos nada para fazer, fica barbudo'. Eu achava curioso que ele não se divertia com o que tinha aos pés dele, e eu ficava puxando ele para isso, falando para ele aprender a tirar férias."

Por fim, Galisteu elogiou a atitude de Alain Prost, considerado um dos maiores rivais de Senna na Fórmula 1, no velório do brasileiro.

"Eles tinham uma relação conturbada, e no final das contas, o Prost deixou todos nós impressionados porque ele veio [para o Brasil], carregou o caixão, foi um cara muito dedicado e genial no final da vida do Ayrton. Não esperávamos essa postura do Prost", falou a apresentadora ao programa global.

A reportagem do "Esporte Espetacular" relembrou os principais fatos da carreira de Senna em 1993. Naquela temporada, ele ganhou o apelido de "Rei de Mônaco" ao vencer a corrida monegasca pela sexta vez, conquistou seu último GP Brasil e sua última prova na carreira, o GP da Austrália. O brasileiro terminou o ano com o vice-campeonato, perdendo o título para Prost. Senna morreu no ano seguinte, no GP de San Marino, em 1º de maio.

Fórmula 1