PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

Hamilton ergue o punho em gesto antirracista após vitória no GP da Estíria

Lewis Hamilton ergue punho em gesto antirracista após vencer GP da Estíria, na Áustria - Dan Istitene - Formula 1/Formula 1 via Getty Images
Lewis Hamilton ergue punho em gesto antirracista após vencer GP da Estíria, na Áustria Imagem: Dan Istitene - Formula 1/Formula 1 via Getty Images

Do UOL, em São Paulo

12/07/2020 12h09Atualizada em 12/07/2020 16h12

Em mais uma manifestação antirracista, o inglês Lewis Hamilton ergueu um dos punhos após vencer o GP da Estíria hoje (12) na Áustria. O punho cerrado é um gesto que representa a resistência à opressão e tem sido repetido por movimentos de esquerda e antifascistas ao longo do último século.

"Nós estamos juntos. Hoje, a equipe ficou de joelhos, e foi incrível ver que podemos aprender e abrir nossas mentes juntos sobre o que está acontecendo no mundo. Obrigado a todos na minha equipe e a você [torcedor]. Eu agradeço por todo o seu apoio e suas mensagens positivas", escreveu o piloto no Twitter.

Antes da corrida, vencida por Hamilton praticamente de ponta a ponta, vários pilotos se ajoelharam em protesto de apoio ao movimento "Black Lives Matter". O inglês e outros colegas vestiram camisetas com frases antirracistas. Ao todo, 16 pilotos participaram da manifestação antes da largada e 14 deles se ajoelharam, um gesto que se popularizou com os protestos do jogador de futebol americano Colin Kaepernick em 2016.

Apenas Sergio Perez, Antonio Giovinazzi, Carlos Sainz e Kevin Magnussen não participaram do ato.

O protesto foi reforçado no pódio, após a corrida, quando Hamilton subiu no degrau mais alto e ergueu o punho diante das câmeras. Ao longo da semana, Hamilton, atual campeão e único negro da categoria, disse que estava pensando em como faria sua manifestação em caso de vitória.

O piloto tem participado dos protestos de rua contra a violência policial e por mais igualdade entre as raças.

Completaram o pódio do GP da Estíria Valtteri Bottas, em segundo, e Max Verstappen, em terceiro.

Fórmula 1