PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

Vento e calor complicam a vida dos pilotos nos EUA. E podem decidir GP

Daniel Ricciardo no circuito das Américas em Austin - Clive Mason/Getty Images
Daniel Ricciardo no circuito das Américas em Austin Imagem: Clive Mason/Getty Images

Do UOL, em Austin (EUA)

21/10/2017 22h09

A definição do grid de largada para o GP dos Estados Unidos esteve longe de ser uma sessão fácil para os pilotos: os ventos fortes, que iam mudando de direção ao longo do classificatório, e as altas temperaturas, que chegaram perto dos 40ºC na pista, complicaram a vida de todos, e prometem ser um fator importante também na corrida que tem largada às 17h pelo horário de Brasília.

Em um treino classificatório liderado por Lewis Hamilton, com Sebastian Vettel em segundo e Valtteri Bottas em terceiro, alguns pilotos se aproveitaram das situações complicadas e conseguiram resultados até melhores do que o esperado. Foi o caso de Daniel Ricciardo, que vai largar em quarto, à frente da Ferrari de Kimi Raikkonen.

“Na primeira parte da classificação ficamos em décimo e esse era o rendimento real do carro. Ao longo da sessão fomos fazendo mudanças e o vento também foi mudando, o que afeta muito. E a tendência é que tenhamos ainda mais vento e ainda mais calor no domingo, o que pode tornar a corrida interessante”, aposta o australiano.

Outro que ficou satisfeito com seu trabalho em situações bastante complicadas foi Fernando Alonso. O espanhol colocou a McLaren na nona colocação no grid e foi quase seis décimos mais rápido que o próprio companheiro Stoffel Vandoorne.

“Tivemos condições muito difíceis e a aderência também estava muito mais baixa do que esperávamos. Acho que nesse tipo de condição o carro da McLaren se comportou muito bem e conseguimos chegar ao Q3. A volta foi muito boa e acho que temos uma grande chance de pontuar.”

O GP dos Estados Unidos pode coroar Lewis Hamilton como campeão, caso o inglês faça pelo menos 16 pontos a mais que Vettel.

Fórmula 1