PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

"Quem via F-1 porque tinha brasileiro ganhando já não vê mais", diz Rubinho

Ao lado dos filhos, Rubens Barrichello marca presença no Pacaembu para assistir ao duelo entre Corinthians x Flamengo - Leonardo Soares/UOL
Ao lado dos filhos, Rubens Barrichello marca presença no Pacaembu para assistir ao duelo entre Corinthians x Flamengo Imagem: Leonardo Soares/UOL

Demétrio Vecchioli e Felipe Pereira

Do UOL, em São Paulo

20/10/2017 04h00

A Fórmula 1 tem cada vez menos espaço na televisão aberta e Rubens Barrichello avalia que o interesse do brasileiro pela categoria está “esquisito”. O piloto que mais vezes guiou na história da categoria acrescenta que são as pessoas fiéis ao automobilismo que continuam acompanhando a disputa.

“O cara que assiste à Fórmula 1 assiste à Stock Car, marcas e GT porque é um fanático. Quem via Fórmula 1 porque tinha brasileiro ganhando já não vê mais. Agora consome quem realmente gosta de automobilismo", disse o ex-piloto de Jordan, Ferrari e Williams, entre outras equipes. 

O interesse para a principal categoria do mundo pode ter outro baque no Brasil porque a possibilidade de o país ficar sem representante na Fórmula 1 não é pequena. Felipe Massa, hoje único representante verde-amarelo, não tem vaga garantida na Williams. E ele é a única esperança, porque não há outro candidato a assumir um cockpit em 2018.

Rubinho diz que, antes de mais nada, a ausência de um piloto tira a Fórmula 1 do cotidiano do torcedor. Para ele, as pessoas deixariam de seguir dia a dia, treinos, notícias e assim por diante. Outra perda seria não ter um piloto brasileiro para apoiar. “Eu parto do princípio que não ter o Massa já é chato porque eu ligo a televisão para torcer para ele. Eu acho que o brasileiro tem isso.”

Mas o piloto afirma que ter um representante na categoria não é o principal para o desenvolvimento do automobilismo no Brasil. O mais importante, na visão dele, é ter patrocinadores. Rubinho cita Sérgio Sette Câmara, Pedro Piquet e Pietro Fittipaldi como potencias "alvos" das empresas.

Fórmula 1