PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

Filho de Schumacher mira título da F1, mas traça meta cautelosa para 2017

Fã do pai, Mick Schumacher quer deixar boa impressão na f3, mas despista sobre título - FABRIZIO BENSCH/Reuters
Fã do pai, Mick Schumacher quer deixar boa impressão na f3, mas despista sobre título Imagem: FABRIZIO BENSCH/Reuters

Do UOL, em São Paulo

28/03/2017 18h29

Ao longo de quase sete décadas de história, são raros os casos na Fórmula 1 de pais e filhos que foram campeões como pilotos. Foi assim com Graham Hill (1962 e 1968) e Damon Hill (1996), e foi assim como Keke Rosberg (1982) e Nico Rosberg (2016). No entanto, um nome que nem mesmo chegou à categoria já afirmou sonhar com o título conquistado pelo pai: Mick Schumacher.

Aos 18 anos, o filho de Michael Schumacher disputará a temporada da Fórmula 3 europeia em 2017. A meta é chegar logo à F1 e conquistar um título da categoria, na qual seu pai venceu sete.

“Meu pai é meu modelo, simplesmente porque é o melhor. É meu ídolo, e meu objetivo é ser campeão mundial de Fórmula 1 como ele”, contou Mick em entrevista à rede de TV alemã RTL. “Quando chegar a hora, vamos ver”, completou.

Em sua primeira temporada na F3, Schumacher correrá pela equipe italiana Prema Powerteam, na qual terá como companheiros Maximilian Günther (Alemanha), Guan You Zhou (China) e Callum Ilott (Grã-Bretanha). Coincidência ou não, o time fez os últimos cinco campeões da categoria: o espanhol Daniel Juncadella (2012), o italiano Raffaele Marciello (2013), o francês Esteban Ocon (2014), o sueco Felix Rosenqvist (2015) e o canadense Lance Stroll (2016).

Com um bom equipamento em mãos, o próprio filho de Michael Schumacher demonstrou otimismo. “Espero estar na enfrente entre os novatos”, disse Mick, que terá como companheiro o atual vice-campeão da categoria – em 2016, Maximilian Günther somou 320 pontos, contra 507 de Lance Stroll.

Ao mesmo tempo, porém, o herdeiro do nome mais vitorioso da história da F1 é cauteloso a respeito de sua primeira temporada na F3, especialmente diante de outros pilotos com mais experiência na categoria. Em 2017, segundo ele, a meta é “desenvolver como piloto e aprender muito”.

Quem já acompanha a carreira de Mick Schumacher pede cautela. Ao jornal Bild, Ross Brawn afirma que “o desafiou de Mick é muito grande por causa de seu nome”. Entretanto, segundo o ex-chefe de equipe da Ferrari, “ele pode lidar com isso”. “É um jovem inteligente”, elogia.

Fórmula 1