PUBLICIDADE
Topo

Fórmula 1

De classificação Big Brother a tapetão: os maiores micos da F-1 em 2016

Vettel comemorou, mas não levou terceiro lugar no México - Henry Romero/Reuters
Vettel comemorou, mas não levou terceiro lugar no México Imagem: Henry Romero/Reuters

Julianne Cerasoli

Do UOL, em São Paulo

30/12/2016 12h53

A temporada de 2016 da Fórmula 1 foi marcada pela disputa até a última etapa entre Nico Rosberg e Lewis Hamilton e pela ascensão do jovem Max Verstappen, mas também teve seus micos. O próprio holandês, sem querer, acabou sendo personagem de um deles - e, em outro, teve papel central.

Confira os maiores micos da temporada da F1:

1. Classificação Big Brother

“Ridículo” foi o adjetivo mais brando usado por pilotos e dirigentes para definir uma regra que surgiu semanas antes da temporada começar e que durou apenas duas etapas. Era um sistema de eliminação a cada 90s que acabou, na prática, fazendo com que a pole position fosse decidida minutos antes da bandeirada (e com os carros dentro dos boxes). Logo no 3º GP, o sistema foi abandonado.

2. Quem foi o terceiro no México?

Uma série de punições - com direito a palavrão dito por Sebastian Vettel ao diretor de provas Charlie Whiting - fez com que o pódio do GP do México virasse um caos. Quem cruzou a linha em terceiro foi Max Verstappen, mas uma decisão logo após a bandeirada puniu o holandês, que foi barrado quando estava prestes a ir para as comemorações. Vettel foi chamado para seu lugar e levou a taça. Horas mais tarde, outra punição, agora ao piloto da Ferrari, fez com que Ricciardo, que cruzou em quinto, herdasse o terceiro posto. E, já ao anoitecer, a Red Bull fez uma festa simbólica para seu piloto.

3. Peladões na cadeia

Teve também mico da torcida nesta temporada. Empolgados com a vitória do compatriota Daniel Ricciardo no GP da Malásia, um grupo de australianos tirou a roupa em pleno circuito e deixou à mostra apenas as cuecas, que imitavam a bandeira do país. Os torcedores posaram para fotos copiando a comemoração de Ricciardo - ou seja, tomando champanhe usando os próprios sapatos como copo - e a cena não pegou nada bem com as autoridades locais, que os prenderam. Pouco depois, eles pagaram multa e foram liberados.

4. Água no saquê

A Honda sofreu durante todo o ano de 2015, mas demonstrou grande evolução nesta temporada com a McLaren. Com isso, os japoneses esperavam um bom resultado em seu GP caseiro, disputado em pista que é de sua propriedade, em Suzuka. Porém, a McLaren amargou um de seus piores finais de semana no ano, ficando com as 15ª e 22ª posições no grid e 16 e 18ª na corrida.

5. Que Verstappen?

O cantor Robbie Williams era o convidado de um programa de TV holandês e, devido ao clipe Supreme, ambientado na F-1 dos anos 1970, os produtores pensaram que o britânico era fã da categoria. Assim, convidaram sua estrela Max Verstappen para gravar um vídeo convidando-o para ver uma prova ao vivo. Mal sabiam que Robbie sequer dirige - ou sabia quem era o tal de Verstappen.

Fórmula 1