PUBLICIDADE
Topo

Vitor Guedes

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Timão arranca empate majestoso e mantém tabu e liderança isolada

só para assinantes
Vitor Guedes

Vitor Guedes é jornalista e professor universitário pós-graduado em Português, Língua e Literatura pela UMESP, autor do livro "Paixão Corinthiana", com passagens por Jovem Pan, Lance!, Site do Corinthians, BandNews FM, Agora São Paulo, FAPSP e UNG. Com Copas do Mundo, Mundial Libertadores, Brasileiros e dezenas de Paulistas no currículo, Vitor Guedes é 1977, pai do Basílio, ZL e, atualmente, é colunista do UOL Esporte e comentarista do Baita Amigos no Bandsports

Colunista do UOL

22/05/2022 18h11Atualizada em 22/05/2022 18h11

Foi o 16ª Majestoso realizado na arena que abrir a Copa do Mundo em 2014 e, até os 35 minutos do segundo tempo, o São Paulo vencia pela primeira vez, ultrapassava o rival e assumia a liderança isolada do Campeonato Brasileiro.

Mas o jogo teve dois tempos completamente distintos. E o Corinthians, superior no segundo tempo, foi buscar o 1 a 1 que lhe garantiu a manutenção do tabu e da liderança isolada do Campeonato Brasileiro. Foi o primeiro ponto conquistado por Vítor Pereira em seu quinto clássico, o terceiro contra o Tricolor.

Mas não foi fácil, não. Quando a bola rolou, o Corinthians chegou logo de cara em arrancada de Willian e deu a falsa impressão de que pressionaria. Não foi o que aconteceu. Em um jogo de meio-campo, quem chegou com muito perigo, por duas vezes, foi o São Paulo. E, primeiro, com Alisson, e, depois, com Calleri, o Tricolor só demorou para abrir o placar porque o gigante Cássio é o maior goleiro da história corinthiana.

VP, que escalou o time com três zagueiros e perdeu taticamente o duelo com Rogério Ceni, poderia ter corrigido a formação logo, ou deslocando João Victor para a direita e trazendo Mantuan para a linha do ataque, mas preferiu deixar como estava e foi castigado.

Numa chegada esporádica, Jô venceu Jandrei, mas o gol foi corretamente anulado pelo VAR por impedimento. Quando o injusto 0 a 0 parecia que prevaleceria até o final da etapa, Calleri abriu o placar nos acréscimos. E, antes do intervalo, deu tempo ainda de Cássio fazer uma sequência de três defesaças e manter o Corinthians vivo na partida.

O Corinthians voltou com o meio-campista Adson no lugar do zagueiro Gil e mudou o 3-5-2 para o 4-3-3. O São Paulo, apesar do amplo domínio, mexeu no atacado e voltou com Rafinha, Eder e Patrick nos lugares de Igor Vinícius, Luciano e Reinaldo. Léo foi deslocado da zaga para a lateral esquerda e as equipes continuaram com formações espelhadas.

O Corinthians melhorou e, para reforçar a marcação, Ceni trocou Nestor por Gabriel Neves. E o Corinthians empurrou o São Paulo para a defesa atrás do empate.

Faltando 15 minutos, VP ignorou a Fiel, que pediu Róger Guedes, tirou Willian, Maycon e Fábio Santos e apostou em Giuliano, Júnior Moraes e Piton. E, na marra, empurrado pela arquibancada, Adson empatou em centro na medida de Piton! Final, 1 a 1. E graças a Cássio, que, nos acréscimos, salvou o tento de Igor Gomes.

Quinta-feira, o Corinthians recebe o Always Ready e avança às oitavas de final da Libertadores com empate. Para ser primeiro do Grupo E, tem de vencer e torcer para o Deportivo Cali não vencer o apito azul e "amarilla" do Boca Juniors na Bombonera.

A análise completa dos jogadores alvinegros e do técnico Vítor Pereira você acompanha na live do Corinthians no UOL Esporte comigo e Ricardo Perrone.

Eu sou o Vitor Guedes e tenho um nome a zelar. E zelar, claro, vem de ZL! É nóis no UOL!

Veja:

E me siga no Twitter e no Instagram.