PUBLICIDADE
Topo

Vitor Guedes

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Líder Timão esbanja raça e busca ótimo empate no Beira-Rio

O raçudo Raul Gustavo comemora o seu gol, o 1º do Timão no 2 a 2 contra o Inter - ROBERTO VINÍCIUS/AGAFOTO/ESTADÃO CONTEÚDO
O raçudo Raul Gustavo comemora o seu gol, o 1º do Timão no 2 a 2 contra o Inter Imagem: ROBERTO VINÍCIUS/AGAFOTO/ESTADÃO CONTEÚDO
Vitor Guedes

Vitor Guedes é jornalista e professor universitário pós-graduado em Português, Língua e Literatura pela UMESP, autor do livro "Paixão Corinthiana", com passagens por Jovem Pan, Lance!, Site do Corinthians, BandNews FM, Agora São Paulo, FAPSP e UNG. Com Copas do Mundo, Mundial Libertadores, Brasileiros e dezenas de Paulistas no currículo, Vitor Guedes é 1977, pai do Basílio, ZL e, atualmente, é colunista do UOL Esporte e comentarista do Baita Amigos no Bandsports

Colunista do UOL

14/05/2022 21h00Atualizada em 14/05/2022 21h00

Inter bem melhor no primeiro tempo, Corinthians muito superior no segundo, dois para cá, dois para lá, 2 a 2 muito melhor para o visitante, que saiu duas vezes atrás, jogou fora e manteve a liderança do Campeonato Brasileiro e impediu que o próprio Colorado se aproximasse.

Com um misto mais titular do que reserva, o Corinthians de VP defendeu a liderança contra um adversário que começou com o pé embaixo, empurrado pela torcida colorada e acelerando, principalmente com David, em cima dos laterais reservas Rafael Ramos e Bruno Melo.

E, em jogada rápida pela esquerda, Wanderson aproveitou o mau posicionamento de Rafael Ramos, rolou, Edenilson ajeitou de calcanhar e Alan Patrick chegou sozinho para tocar à rede.

Em lance de muita raça, Raul empatou. Se é verdade que o empate poderia ter saído no lance anterior, após Róger Guedes desperdiçar passe açucarado de Renato Augusto e chutar em cima do goleiro Daniel, o fato é que o Colorado foi sempre superior. E mereceu o 2 a 1 com Wanderson após rebote de Cássio.

Se o Corinthians até tentou criar e contra-atacar, a defesa foi muito mal. Especialmente, Rafael Ramos: o lateral reserva teve uma atuação desastrosa, péssimo no apoio, uma tragédia na marcação, muito ruim com a bola, inútil sem ela. Não deu nem para a Fiel sentir falta de João Pedro!

Com Jô no lugar de Róger Guedes, o Corinthians, apesar da temerária presença de Rafael Ramos, voltou melhor e buscando o empate. O jogo mudou completamente. E a igualdade, merecidíssima, veio com Jô, aproveitando ótimo passe de Mantuan.

Após o empate, o Corinthians seguiu melhor em campo.

O jogo ainda teve uma paralisação lamentável com Edenilson acusando Rafael Ramos de racismo. Segundo o colorado, o português o teria chamado de "macaco", mas o xingamento não foi flagrado pelas câmeras da transmissão. O mínimo que se espera é que o caso seja apurado e, em caso de comprovação, que o lateral corinthiano seja severamente punido.

No final, Rafael Ramos, Willian e Renato Augusto deram lugar a João Victor, Mosquito e Cantillo, o Inter pressionou mas o empate, justo, prevaleceu. Ótimo resultado para o Corinthians, que, neste domingo, seca o Santos em Goiás para não perder a liderança do Camopenato Brasileiro.

Agora, o Timão encara o Boca Juniors, terça-feira, na Bombonera e, em caso de vitória, garante a classificação antecipada às oitavas de final da Libertadores. O time azul e Amarilla chega animado após eliminar o Racing nos pênaltis (6 a 5, após 0 a 0 no tempo normal) e se classificar à final da Copa da Liga Argentina.

Também na terça, o Inter recebe o Independiente Medellín pela Sul-Americana, a Série B da Libertadores.

A análise completa de Inter x Corinthians, com a avaliação do treinador Vítor Pereira e dos jogadores corinthianos você confere comigo e Ricardo Perrone na live do UOL Esporte.

Eu sou o Vitor Guedes e tenho um nome a zelar. E zelar, claro, vem de ZL! É nóis no UOL!

Veja:

E me siga no Twitter e no Instagram.