PUBLICIDADE
Topo

Vinte e Dois

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

Lakers vs Mavs: Os ajustes táticos dentro de um jogo de basquete

Luka Doncic, do Dallas Mavericks, é marcado por Anthony Davis, do Los Angeles Lakers - Jerome Miron/USA TODAY Sports
Luka Doncic, do Dallas Mavericks, é marcado por Anthony Davis, do Los Angeles Lakers Imagem: Jerome Miron/USA TODAY Sports

Vitor Camargo

Colunista do UOL

11/05/2021 04h00

Semana retrasada, entramos nos detalhes táticos de como funciona uma posse de bola na NBA, destrinchando uma jogada do Dallas Mavericks. Continuando nessa linha, vamos usar outro jogo entre Mavs e Lakers para dar uma olhada mais profunda nos Xs e Os do jogo - e como cada partida da NBA é uma série de ajustes e contra-ajustes entre os dois lados, como se dois técnicos estivessem jogando xadrez usando seus jogadores como peças.

No jogo em questão, o Lakers aproveitou um ótimo primeiro tempo para abrir uma vantagem de 12 pontos, e parte importante do seu sucesso foi a forma como marcaram e tiraram do jogo o astro de Dallas, Luka Doncic, que tinha apenas 10 pontos, 3 assistências e 3 turnovers indo para o vestiário. E como o Lakers fez isso? Usando um recurso que muitos times tem usado contra o Mavericks e Luka essa temporada: marcações duplas agressivas para cima do esloveno.

A ideia de enviar um segundo defensor para marcar o astro adversário não é nova, claro, mas carrega um alto risco: se você tem dois defensores marcando um jogador, o ataque agora tem alguém livre e, caso consiga furar a dobra, uma vantagem numérica sobre a defesa - um risco que fica ainda maior contra um passador brilhante como Doncic.

Então quando falamos de um time usando uma marcação dupla, não se trata apenas de enviar dois defensores contra a bola. A defesa precisa se atentar a uma série de variáveis - de onde vem a dobra? Quando e onde ela ocorre? O que os outros defensores farão? - para tentar minimizar o risco da estratégia, e maximizar sua chance de sucesso.

E como foi que o Lakers fez isso com tanto sucesso contra Doncic? Um ótimo exemplo é a jogada abaixo, que aconteceu no segundo quarto:

Luka recebe o passe e chama o pick-and-roll; a defesa do Lakers faz a dobra, encurrala o esloveno, e força um passe ruim que vira uma cesta fácil do Lakers do outro lado.

Parece simples, mas não é. Vamos olhar em detalhes o que aconteceu.

Começando do começo: Luka recebe a bola, e chama Dwight Powell para o pick-and-roll - sua jogada mais comum. Ele e Powell estão isolados; o resto dos jogadores do Mavs está longe, executando outra ação. E, como Luka está parado enquanto recebe a bola e espera a chegada de Powell, os defensores do Lakers tem tempo para se preparar e se posicionar para defender a jogada. McLemore, marcando Doncic, se posiciona entre ele e o corta-luz de Powell, "negando" o corta-luz.

Lakers nega o PNR - Reprodução/NBA - Reprodução/NBA
Imagem: Reprodução/NBA

A ideia de se negar o corta-luz é simples: forçar o jogador com a bola para uma direção específica. Assim, Gasol (defendendo Powell) já sabe em qual direção Luka vai avançar, e se posiciona no seu caminho, impedindo que ele tenha caminho livre até a cesta. Luka, como esperado, dribla na direção do pivô, e Gasol e McLemore atacam e dobram a marcação em Luka; Gasol pela sua frente, impedindo o avanço, e McLemore pelo lado, impedindo que Luka recue na direção de Powell. Luka não consegue driblar, mas também não tem uma opção fácil de passe: tem dois defensores entre ele e Powell, e o resto do time está longe demais.

Dobra em Luka Doncic - Reprodução/NBA - Reprodução/NBA
Imagem: Reprodução/NBA

O resto dos jogadores de Dallas, claro, não está só parado esperando o passe; eles estão executando o resto da ação, um corta-luz fora da bola, pelo fundo da quadra, desenhado para liberar Maxi Kleber para um chute livre.

Dobra em Luka - ação - Reprodução/NBA - Reprodução/NBA
Imagem: Reprodução/NBA

O problema é que essa ação secundária acontece longe demais da bola, e demora para se desenvolver; Luka não pode esperar parado Kleber se posicionar sendo atacado dessa maneira, e os jogadores envolvidos estão muito longe para um passe para eles ser factível. Luka tenta ganhar tempo driblando para a direita; McLemore e Gasol acompanham com a dobra e prendem o esloveno contra a linha lateral, forçando ele a matar o drible. Luka não tem opção de passe: Powell cortou para a cesta, e está longe da bola; Redick está bem marcado por Caruso; e, embora Dallas tenha criado o dois-contra-um para Kleber, ele e Finney-Smith estão inacessíveis.

Dobra completa - Reprodução/NBA - Reprodução/NBA
Imagem: Reprodução/NBA

Luka tenta forçar o passe, mas Markieff Morris está ligado para interceptar a bola e fazer a cesta. Veja de novo, em tempo real, como o que parece uma simples dobra vem de uma série de fatores diferentes.

Usando esse tipo de dobra agressiva para sufocar Luka e conter o ataque de Dallas, o Lakers conseguiu manter o Mavs desconfortável e abrir vantagem.

Mas veio o intervalo, e Dallas voltou do vestiário pronto para contra-atacar a defesa do Lakers.

Essa jogada também envolve um corta-luz para Doncic e Powell cortando para a cesta, mas com duas diferenças fundamentais. Primeiro, a jogada começa muito mais cedo, com Doncic já em movimento e mais alto em quadra. Isso faz com que os defensores do Lakers não tenham tempo de se posicionar e preparar a dobra, como estavam fazendo antes: Caruso não consegue negar o corta-luz, e Davis e Drummond estão mais recuados.

Dallas Pnr - Reprodução/NBA - Reprodução/NBA
Imagem: Reprodução/NBA

Segundo, agora não é só um corta-luz, mas dois em sequência, o que torna a dobra muito mais difícil. Caruso agora tem mais corpos para navegar até chegar de novo em Luka, e a vida dos pivôs também fica mais difícil: se Davis avança para a dobra, Luka continuar e usa o segundo corta para se livrar; mas, caso Drummond tente se antecipar ao segundo, Luka pode virar a esquina depois do corta-luz de Kleber e atacar com espaço de sobra. Com um simples ajuste tático, o Mavs atrapalhou a estratégia do Lakers.

Los Angeles defende como pode: Davis recua para fechar o garrafão, e Drummond consegue entrar em posição do outro lado. Mas os dois cortas atrasaram Caruso, que não está pronto para completar a dobra; isso significa que Luka agora tem espaço para botar a bola no chão e driblar Drummond. Kleber também recuou para a linha dos três após o corta-luz, e oferece uma opção fácil de passe para Luka.

Dallas PNR - Reprodução/NBA - Reprodução/NBA
Imagem: Reprodução/NBA

Luka ataca o meio da quadra, e Drummond não tem opção senão trocar a marcação - Dallas não só evitou a dobra, como criou um missmatch. Davis, por sua vez, é obrigado a acompanhar a jogada para manter a ajuda sobre Luka e não deixar Kleber livre na linha de três. Só que isso abre uma avenida gigantesca para Powell cortar na direção do aro, marcado apenas pelo baixinho Caruso e sem ajuda no garrafão.

Dallas PNR - Reprodução/NBA - Reprodução/NBA
Imagem: Reprodução/NBA

De uma tacada, Dallas conseguiu duas coisas com seu ajuste: dificultou a dobra do Lakers, e colocou mais opções de passe fáceis para Luka. Com isso, a defesa de LA precisa se adaptar e abre todo o espaço que Doncic precisa para fazer sua mágica - ele acerta Powell com o passe e a enterrada é fácil.

Luka assist - Reprodução/NBA - Reprodução/NBA
Imagem: Reprodução/NBA

E Dallas matou o jogo com essa belezinha aqui. Luka chama novamente o PNR com Powell, e a defesa se posiciona. Drummond e Schroeder estão prontos, e parece que o Lakers vai conseguir a dobra.

Stack - Reprodução/NBA - Reprodução/NBA
Imagem: Reprodução/NBA

Mas Dallas adiciona um ingrediente novo: enquanto a dobra vai para cima de Luka, Redick sobe e prepara um novo corta-luz para Powell - uma jogada chamada stack (ou Spain) pick-and-roll.

Stack - Reprodução/NBA - Reprodução/NBA
Imagem: Reprodução/NBA

Só que Redick não faz o corta-luz; ele apenas finge e sobe para a linha dos três pontos, oferecendo uma opção próxima de passe para Luka. O defensor de Redick, McLemore, estava marcando o garrafão para impedir o passe para Powell, mas agora ele está fora de posição para contestar o chute de Redick e precisa correr desesperadamente para o perímetro.

Recuperação - Reprodução/NBA - Reprodução/NBA
Imagem: Reprodução/NBA

Dessa vez, a jogada preparada por Dallas não visa impedir a dobra, mas sim se aproveitar dela para criar uma situação impossível para McLemore, a de defender dois jogadores acessíveis ao mesmo tempo: se ele fica na proteção no garrafão, Luka tem o passe fácil para Redick. Se tenta impedir o passe para Redick, ele deixa o garrafão livre e abre a linha de passe para Powell sozinho no garrafão - não é um passe fácil, mas um que Luka acerta com tranquilidade para a bandeja livre.

Spain PNR - Reprodução/NBA - Reprodução/NBA
Imagem: Reprodução/NBA

Aqui, a jogada em tempo real:

Esse é um excelente exemplo dos ajustes que acontecem em um jogo de basquete; por dois quartos, o Lakers fez um excelente trabalho tático para cima de Luka e conseguiu conter o armador de Dallas, abrindo vantagem no jogo. Mas o Mavs voltou com os ajustes certos, dificultando a estratégia do Lakers e dando ao seu craque as ferramentas para brilhar apesar das dobras. Ao olho nu, pode parecer um simples colapso da defesa do Lakers; mas, olhando nos detalhes, o que aparece é um brilhante ajuste tático do técnico Rick Carlisle que mudou a partida e conquistou uma vitória importantíssima para Dallas.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL