PUBLICIDADE
Topo

Tinga

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Reforços irão dar nova cara ao Brasileirão no segundo turno

Cássio, Renato Augusto e Willian no CT do Corinthians - Rodrigo Coca/Agência Corinthians
Cássio, Renato Augusto e Willian no CT do Corinthians Imagem: Rodrigo Coca/Agência Corinthians
Conteúdo exclusivo para assinantes
Tinga

Tinga é um ex-jogador de futebol. Como profissional defendeu as cores do Grêmio, Internacional, Cruzeiro e da seleção brasileira. Atuou ainda em clubes da Alemanha, Portugal e Japão. Foi campeão da Libertadores, Recopa Sul-Americana, do Campeonato Brasileiro e da Copa do Brasil. Hoje, Tinga é empresário e percorre o país fazendo palestras sobre empreendedorismo, mostrando como se faz "Gestão além da Planilha".

Com colaboração de Augusto Zaupa

04/09/2021 04h00

Se o primeiro turno nos deu a impressão que tudo já estava resolvido no Brasileirão, acredito que o returno irá apagar essa ludibriosa sensação de que título, vagas na Libertadores e rebaixados já estão com os nomes dos clubes gravados em cada posto. Por estes inúmeros jogadores renomados que desembarcaram recentemente no Brasil, espero uma virada nesta segunda parte do campeonato.

Acredito que as colocações dos times ainda não estão resolvidas. Normalmente, ao fim do primeiro turno, o líder do torneio já dá o sinal que vai arrematar a taça. Mas espero que surpresas irão acontecer nas 19 rodadas derradeiras — o turno será encerrado neste fim de semana, mas ainda terá alguns jogos atrasados que serão disputados mais adiante.

É lógico que não posso ignorar todo a campanha e a vantagem que o Atlético-MG abriu na ponta da tabela, com quatro pontos à frente do Palmeiras e oito sobre o Flamengo (dois clubes que eram apontados como franco favoritos pelo título antes de a competição começar). Além de já ter um forte time, com Hulk, Savarino, Nacho Fernández, entre outros bons jogadores, o Galo se reforçou ainda mais com a chegada do atacante Diego Costa.

Apresentado no Atlético-MG, Diego Costa destaca ansiedade pela estreia e elogia torcida: "Fiquei impressionado" - Pedro Souza / Atlético / Flickr - Pedro Souza / Atlético / Flickr
Diego Costa chegou para reforçar o Atlético-MG no complemento do Brasileirão
Imagem: Pedro Souza / Atlético / Flickr

Espero mais equilíbrio neste returno, algo que não vi nestes dois últimos anos, que foi polarizado entre Palmeiras e Flamengo. Vi alguns clubes se esforçando muito, mas o Rubro-Negro carioca não perdeu de vista o título e acabou abocanhando as duas últimas edições do Nacional. Em 2021, no entanto, parece que teremos algo mais equilibrado.

O desempenho destes medalhões no retorno ao futebol brasileiro — alguns irão até debutar nos nossos gramados porque saíram cedo daqui — é o outro ponto que desperta a minha curiosidade neste complemento do Brasileirão. É uma mescla, pois alguns atuaram pouquíssimo tempo como profissionais no nosso país, outros deram os primeiros passos já na Europa.

Tenho por mim que, por mais que um atleta sonhe em despontar na Europa, seja idolatrado atual na Champions League, ele antes sonha em ser ídolo entre o seu povo. O que faz o jogador se sentir realizado é quando ele se torna uma referência dentro do território onde nasceu, isso é um sonho de infância de qualquer jogador de futebol. Hulk, Diego Costa e Willian, entre outros, até poderiam ter mercado ainda no exterior, mas como fica a satisfação pessoal deles?

A volta de jogadores como Willian, Roger Guedes, Giuliano, Renato Augusto (todos no Corinthians), Dudu (Palmeiras), Hulk, Diego Costa (ambos no Atético-MG), Pedro Rocha (Athletico) e Kenedy (Flamengo), entre outros tantos, é um presentão para nós torcedores que amamos futebol, pois queremos ver qualidade em campo.

Além destes, chegam figuras pouco (ou nada) conhecidas do nosso público, mas que despontaram na Europa ou até aqui mesmo na América do Sul: Andreas Pereira, meia que o Flamengo foi buscar no Manchester United; Jaminton Campaz, meia que o Grêmio pagou R$ 21 milhões (contratação mais cara da história do Tricolor) para tirar do Deportes Tolima; Leo Baptistão, atacante que fechou com o Santos e fez carreira na Espanha, se destacando pelo Atlético de Madri; Jonathan Calleri, que retorna ao São Paulo depois de ter feito sucesso em 2016, mas rodou na Europa sem muito brilho. São várias novidades que já estamos vendo ou iremos acompanhar nas próximas rodadas.

Na apresentação de Andreas Pereira, Bruno Spindel e Marcos Braz falaram sobre as expectativas com a chegada do atleta - Alexandre Vidal/Flamengo - Alexandre Vidal/Flamengo
Flamengo foi buscar meia Andreas Pereira por empréstimo junto ao Manchester United
Imagem: Alexandre Vidal/Flamengo

Alguns até ficam matutando internamente: mas para o Tinga, qual foi o clube que contratou melhor nesta janela de transferência? É complicado apontar logo de cara. Alguns irão necessitar de um período de adaptação porque nunca atuaram como profissional aqui, enquanto outros estão longe do futebol brasileiro já há algum tempo. Vide o Hulk, que hoje é um dos principais destaques do Brasileirão, mas que patinou no início e precisou de alguns meses para mostrar todo o seu talento, que, inclusive, o fez voltar à seleção brasileira após hiato de cinco anos.

É preciso ter paciência, visto que no Brasil, infelizmente, o melhor é apenas aquele que ganha. Não há reconhecimento do trabalho, organização, tática... A serenidade também precisa partir dos próprios jogadores, pois é preciso tempo para sentir o que é atuar no Brasil. Jogar no nosso país é diferente de tudo. É preciso se adaptar a jogar debaixo de vaias, aos falsos tapinhas nas costas pelo bom desempenho no domingo, às cobranças na rodada seguinte em caso de derrota, aos gramados que nem sempre são os mesmos 'tapetes' que estão acostumados no Velho Continente, às intrigas internas da cartolagens dos clubes, às cornetadas nas redes sociais...

Distanciamento ainda maior

Se nas últimas temporadas já vimos Palmeiras e Flamengo despontando diante dos outros clubes brasileiros, e até do continente, este distanciamento irá se alargar nos próximos anos, o que é natural. Estes clubes têm uma realidade complemente diferente dos seus rivais para repor jogadores. Algumas resistências podem até aparecer, mas estes dois times, somado agora ao Atlético-MG, seguirão como as potências a serem batidas.

Presenciamos que o futebol está cada vez mais transparente em campo, no sentido técnico. Antigamente, não havia o VAR nem centenas de câmeras espalhadas pelos estádios para mostrar ao público todos os detalhes da partida. Somado a isso, era possível montar um time mais fraco tecnicamente e utilizar de artimanhas para equipar os duelos — como 'detonar' o gramado, jogar na retranca, apelar para a porrada...

Como sou do Sul, cansei de ganhar jogos de mata-mata, tanto pelo Grêmio como pelo Internacional, contra times do Sudeste que eram superiores tecnicamente por utilizar estes artifícios que hoje não fazem parte da realidade no futebol. À época, era habitual porque não havia tanta transparência. Hoje isso não é mais possível porque somos bombardeados de informações.

E as contas, como serão fechadas?

Boa parte dos torcedores pensa apenas no resultado final, ou seja, foca no sucesso dentro de campo ao fim da temporada. Mas há uma outra parcela que questiona como as contas serão pagas, como no caso do Corinthians, que trouxe numa só tacada quatro medalhões que recebiam boladas de dinheiro na Ásia ou na Europa. É totalmente válida essa preocupação com a saúde financeira do time que torcemos, mas acredito que houve uma engenharia financeira para que estes reforços pudessem ser anunciados.

O próprio presidente do Corinthians, Duilio Monteiro Alves, veio a público recentemente para esclarecer as finanças e foi sincero ao confirmar a dívida de R$ 987 milhões do clube. Se a transparência for mantida, o êxito está logo ali à frente, como já é possível ver com o time já na zona de classificação à Libertadores 2022.

Apesar destes medalhões serem rodados e saberem que o mês, às vezes, não tem 30 dias (para bom entendedor, meia palavra basta), tenho visto que estes clubes citados estão honrando o que foi prometido e acertado no papel. Muitas destes reforços chegaram com a ajuda dos famosos mecenas, que bancam financeiramente, e com o aporte de novos patrocinadores.

Sim, há o temor de perder repentinamente este aporte financeiro. Mas, se bem planejado, o sucesso pode nos agraciar, assim como ocorreu no Palmeiras. A dúvida pairou durante um período no Allianz Parque, mas o time paulista está até hoje de pé, muito bem organizado, brigando em todas as frentes, buscando sempre reforços e revelando novos talentos.

O mais importante nisto tudo é despertar o interesse de outros grandes jogadores para voltarem ao nosso futebol para que possamos desfrutar do Brasileirão cada vez mais forte.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL