PUBLICIDADE
Topo

Tales Torraga

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Por que o Chile x Argentina de amanhã será no deserto, e não em Santiago?

Estádio Zorros del Desierto, em Calama (Chile) - Divulgação ANFP
Estádio Zorros del Desierto, em Calama (Chile) Imagem: Divulgação ANFP
Tales Torraga

Jornalista e escritor, Tales Torraga nasceu em Mogi das Cruzes (SP), mas é, segundo os colegas, "mais argentino que os próprios argentinos". Morou em Buenos Aires e Montevidéu, girou pela imprensa brasileira e portenha e escreveu 15 livros ? o último deles, Copa Loca, é sobre a...Argentina nos Mundiais.

Colunista do UOL

26/01/2022 09h39

O jogo de maior atenção das Eliminatórias Sul-Americanas nesta quinta-feira (27) será no meio do deserto do Atacama e em um estádio para 12.000 espectadores. Mantendo uma das mais acirradas rivalidades do continente, Chile e Argentina vão se enfrentar às 21h15 (de Brasília) no Estádio Zorros del Desierto, em Calama, a 1.500 quilômetros da capital, Santiago. É a primeira vez que o estádio será usado pela seleção chilena de maneira oficial.

A mudança de sede tem uma dupla função para o Chile. Em má situação na tabela, ocupando a sexta colocação e hoje ficando fora até da Repescagem, a seleção entende que desta maneira consegue criar uma dificuldade maior para a Argentina, tradicionalmente menos poderosa na altitude. O Zorros del Desierto fica a 2.300 metros acima do nível do mar, altura semelhante à de Quito, no Equador.

O deserto de Calama serve também como parada para o próximo compromisso chileno — vai encarar a Bolívia nos 3.600 metros de altitude do Hernando Siles, na Bolívia, na próxima terça-feira (1º) com uma aclimatação mais adequada.

A Argentina chegará a Calama na noite de hoje, véspera da partida, e não fará o reconhecimento do gramado, algo que é habitual desde que o técnico Lionel Scaloni assumiu o cargo, há três anos e meio.

Público restrito

Com capacidade para 12.000 pessoas, apenas pouco mais de 8.000 torcedores estarão por lá amanhã devido aos protocolos contra o covid-19. Construído em 1952 com o nome de Estádio Municipal de Calama, o "Zorros del Desierto" foi reaberto em 2015 com este nome e costuma receber as partidas do Cobreloa. Lá não há setores populares, só assentos brancos e laranja mais parecidos com os de cinema. Há espaço entre as plateias e ao fundo do estádio é possível observar as montanhas, compondo um cenário pouco habitual.

chile - Thiago Ribeiro/AGIF - Thiago Ribeiro/AGIF
Arturo Vidal sobe sozinho em lance da partida entre Chile e Argentina pela Copa América
Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

A previsão é de frio, devido à amplitude térmica da região. A temperatura deve girar em torno dos 15 graus, mas com ventos intensos que deixarão a sensação térmica abaixo dos oito.

Sem Messi

A Argentina não convocou Messi para facilitar sua recuperação do covid-19. A grande dúvida para a azul e branca é saber quem vai atuar no seu lugar.

A possibilidade mais firme no momento é a entrada de Nico González, repetindo o que Scaloni fez contra o Uruguai em Montevidéu, quando Messi estava voltando de lesão. Outra baixa de peso para amanhã é a do zagueiro Cuti Romero, com lesão muscular.

A escalação mais provável da Argentina para o confronto ante o Chile é a seguinte: Dibu Martínez; Nahuel Molina (Gonzalo Montiel), Nicolás Otamendi, Lisandro Martínez e Marcos Acuña; Rodrigo De Paul, Leandro Paredes, Giovani Lo Celso; Nicolás González (Papu Gómez ou Paulo Dybala), Lautaro Martínez e Ángel Di María.

A Argentina está há 27 jogos sem perder, maior invencibilidade entre seleções em todo o mundo. A azul e branca já está classificada para a Copa do Mundo que será realizada no Qatar e ocupa a segunda colocação na tabela das Eliminatórias, com 29 pontos, contra 35 do Brasil, que lidera.