PUBLICIDADE
Topo

Tales Torraga

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Dani Alves no Boca e Felipe Melo no Estudiantes? O que se diz na Argentina

Dani Alves recebe camisa do Boca na Casa Amarilla em setembro de 2020 - Divulgação Boca Juniors
Dani Alves recebe camisa do Boca na Casa Amarilla em setembro de 2020 Imagem: Divulgação Boca Juniors
Conteúdo exclusivo para assinantes
Tales Torraga

Jornalista e escritor, Tales Torraga nasceu em Mogi das Cruzes (SP), mas é, segundo os colegas, "mais argentino que os próprios argentinos". Morou em Buenos Aires e Montevidéu, girou pela imprensa brasileira e portenha e escreveu 15 livros ? o último deles, Copa Loca, é sobre a...Argentina nos Mundiais.

Colunista do UOL

13/09/2021 12h00Atualizada em 13/09/2021 14h03

Quem assistiu ao canal de TV TyC Sports neste fim de semana na Argentina tomou um susto com o espaço dedicado à possível chegada de Daniel Alves ao Boca Juniors. A emissora levou ao ar uma esquiva declaração dos agentes do jogador ("Tudo é possível, estamos abertos a negociar"), dando fôlego para a história também na TNT, outra TV especializada em esporte no país. O tema, porém, não contou com maior repercussão nos portais e jornais argentinos.

O que levaria Daniel Alves, de 38 anos, ao Boca? A mesmíssima equação que vestiu medalhões internacionais de azul e ouro nos últimos anos. Exemplos? O atacante Loco Osvaldo (2015 e 2016) e o volante italiano Daniele De Rossi (em 2019). Simpatia pelo que representa o Boca na América do Sul + a atmosfera da Bombonera (que prepara a volta do público para daqui a duas semanas, com 17.000 pessoas, 30% da capacidade do estádio). Ponto e basta.

O ex-lateral do São Paulo reforçou sua admiração pelo Boca em constantes ocasiões ao longo dos tempos. A mais contundente delas foi no ano passado em uma live no Instagram com o badalado jornalista argentino Andrés Cantor: "Vocês sabem do carinho que tenho pelo Boca, e não é pelo que as pessoas dizem. Sempre me despertou algo diferente, há situações na vida que te identificam". É bem lembrada pelos fanáticos pelo Boca na Argentina também a torcida de Daniel Alves, tresloucada e cheia de palavrões, para o River Plate perder a final da Libertadores de 2019 para o Flamengo.

Por parte do Boca, a situação só seria levada adiante na típica situação "realizamos seus desejos, mas não peça muito dinheiro". Daniel Alves não é o primeiro a surgir como um "reforço do coração" na gestão atual de Juan Román Riquelme. No ano passado, os uruguaios Edinson Cavani e Lucas Torreira também negociaram com o clube, mas preferiram seguir na Europa.

O colega das antigas Ricardo Perrone informa hoje aqui no UOL Esporte que os movimentos recentes de Daniel Alves não condizem necessariamente com a abnegação financeira. Tanto que sua situação com o São Paulo ainda não foi definida. A dívida do clube com o atleta é de estimados R$ 18 milhões (incluindo R$ 3 milhões de comissão a quem intermediou a contratação).

O Boca está em nono no Campeonato Argentino (com vaga apenas para a Sul-Americana-2022). O maior salário do clube é o do atacante Toto Salvio (31 anos e ex-Benfica), que recebe cerca de R$ 1 milhão por mês.

Professor dos "estudiantes"

Outro jogador brasileiro de larga rodagem que está no radar do futebol argentino é Felipe Melo, também de 38 anos, que foi publicamente convidado por Juan Sebastián Verón. Em entrevista concedida ao TyC Sports há dez dias, Felipe Melo disse que Verón foi um dos seus ídolos no futebol, e o ex-presidente do Estudiantes de La Plata não perdeu a chance de agradecer o elogio e dizer que o clube está de portas escancaradas ao volante do Palmeiras assim que seu contrato terminar (daqui a três meses).

A chegada de Felipe Melo teria um sentido extra para o Estudiantes - a tradição de contar com jogadores experientes para liderar os jovens da base. O Estudiantes historicamente é um dos clubes argentinos que mais usam suas "canteras", embora a realidade seja distinta e desperte muitas críticas. Do atual elenco que disputa o Campeonato Argentino, só quatro são pratas da casa.

"Caudilhos" recentes no Estudiantes? Sebastián Domínguez, Chavo Desábato e Javier Mascherano (sem contar o próprio Verón, que voltou ao clube para ser campeão da Libertadores-2009 em cima do Cruzeiro aos 36 anos).

pin - Reprodução Instagram - Reprodução Instagram
Postagem de Verón convidando Felipe Melo para jogar no Estudiantes
Imagem: Reprodução Instagram

De novo, a vontade de Felipe Melo de desfilar bravura em uma das ligas mais rústicas do mundo - e o Campeonato Argentino ainda não adotou o VAR - é o que deve prevalecer para a negociação fluir. O Estudiantes tem um elenco dos mais modestos financeiramente da Argentina (é só o 11º em valor de mercado, atrás de Colón e Talleres).

O clube de La Plata comprometeu os cofres com a reabertura do seu estádio, o charmoso 1 y 57, há dois anos. Com 30.018 pessoas e oferecendo interessante mescla de modernidade e o típico "calor das massas", o local repleto certamente geraria o ambiente de loucura que faria Felipe Melo, mesmo beirando a aposentadoria, experimentar novas sensações na Argentina.