PUBLICIDADE
Topo

Tales Torraga

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Boca negocia com técnico Gareca para enfrentar Atlético-MG na Libertadores

Ricardo Gareca, técnico da seleção peruana - Daniel Apuy/Getty Images
Ricardo Gareca, técnico da seleção peruana Imagem: Daniel Apuy/Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Tales Torraga

Jornalista e escritor, Tales Torraga nasceu em Mogi das Cruzes (SP), mas é, segundo os colegas, "mais argentino que os próprios argentinos". Morou em Buenos Aires e Montevidéu, girou pela imprensa brasileira e portenha e escreveu 15 livros ? o último deles, Copa Loca, é sobre a...Argentina nos Mundiais.

Colunista do UOL

04/06/2021 12h00Atualizada em 04/06/2021 13h56

Antecipada pela coluna anteontem (2), a saída de Carlitos Tevez do Boca Juniors será anunciada em entrevista coletiva às 18h (de Brasília) de hoje (4) em Buenos Aires. E a baixa do capitão não deve ser a única antes de enfrentar o Atlético-MG pela Libertadores. O Boca também quer trocar de técnico, permitindo a saída do atual comandante Miguel Ángel Russo para a chegada de Ricardo Gareca, hoje o treinador do Peru.

Tanto Russo quanto Gareca estão muito questionados em seus trabalhos atuais, mas para Juan Román Riquelme, vice-presidente de futebol do Boca, Gareca é o nome certo para comandar a equipe na sequência da temporada.

Apelidado de "Tigre" na Argentina pelo oportunismo quando jogava (era atacante), Gareca vive seu pior momento no comando da seleção do Peru, cargo que ocupa desde 2015. Ele é o lanterninha das Eliminatórias, com um único ponto conquistado em cinco jogos disputados, e sua despedida deve ocorrer ante o Equador, na próxima terça, em Quito.

Deixando a seleção na qual foi vice-campeão da Copa América de 2019 e integrante da Copa do Mundo de 2018 (participante de um Mundial pela primeira vez desde 1982), Gareca ficaria livre para aceitar a proposta de Riquelme, que já estuda também como se despedir de uma maneira amigável de Miguel Ángel Russo, o atual comandante, com quem nutre longa relação. Ambos conquistaram juntos a Libertadores de 2007, com Russo no comando e Riquelme em campo, mas a avaliação interna da diretoria do Boca entende que um novo nome é necessário o quanto antes.

O desempenho de Russo, de fato, não resiste aos números. Dos 27 jogos oficiais xeneizes neste 2021, o Boca ganhou apenas 11, empatou 10 e perdeu 6. Efetividade de 53%, uma média baixa para o time mais popular da Argentina. A média de gols também é chamativa: apenas 1,44 por jogo.

As oitavas contra o Atlético-MG começam no dia 13 de julho. O Boca não conquista uma Libertadores desde 2007, e a pressão da maior torcida da Argentina mediante os títulos recentes do rival River Plate só cresce.

Rancor

Uma das grandes curiosidades argentinas com a proximidade desta chegada de Gareca ao Boca é saber como ele vai apagar a tristeza nutrida desde o começo dos anos 1980. Ele deixou o Boca rumo ao River em 1984, e a torcida xeneize, em uma das mais infelizes atitudes lembradas no país, começou a cantar que "ele deveria morrer de câncer".

O agora técnico relembrou o mal-estar com as ofensas em diversas entrevistas, e há até quem aponte que ele não deveria aceitar o convite justamente para fincar bandeira contra tamanha violência verbal.

No lado oposto está a sensação de que as coisas mudam e a praticidade profissional prevalece. A chegada de Gareca ao Boca não deve ocorrer com o treinador sozinho. O clube está fechando com o lateral peruano Luis Advíncula, titular na derrota de ontem para a Colômbia (3 a 0 em plena Lima).