PUBLICIDADE
Topo

Tales Torraga

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Sem goleiro e com 20 atletas infectados: o drama do River na Libertadores

Jogadores do River Plate testam positivo para o novo coronavírus e não tem time para a Libertadores - GettyImages
Jogadores do River Plate testam positivo para o novo coronavírus e não tem time para a Libertadores Imagem: GettyImages
Tales Torraga

Jornalista e escritor, Tales Torraga nasceu em Mogi das Cruzes (SP), mas é, segundo os colegas, "mais argentino que os próprios argentinos". Morou em Buenos Aires e Montevidéu, girou pela imprensa brasileira e portenha e escreveu 15 livros ? o último deles, Copa Loca, é sobre a...Argentina nos Mundiais.

Colunista do UOL

17/05/2021 12h00

O River Plate abriu a semana vivendo "um dos momentos mais duros em 120 anos de história", segundo o presidente Rodolfo D'Onofrio. Depois do digno 1 a 1 com o Boca Juniors ontem (16) na Bombonera, saindo da Copa da Liga Argentina apenas nas cobranças de pênaltis, o time agora junta os cacos para jogar pela Libertadores da América.

Considerado um dos favoritos ao título da competição ao lado de Flamengo e Palmeiras, o River agora corre risco até de ser eliminado na primeira fase. O risco é real ou é o drama típico de um portenho pessimista? A coluna repassa os quatro itens que compõem o complicado cenário do clube nesta semana.

Surto de covid

A metade vermelha de Buenos Aires passou o sábado sob comoção. Isso porque o River divulgou que nada menos que 15 jogadores testaram positivo para covid. A lista: os goleiros Franco Armani, Enrique Bologna, Germán Lux e Franco Petroli, os zagueiros Paulo Díaz e Robert Rojas, os meio-campistas Agustín Palavecino, Santiago Simón, Tomás Castro Ponce, Nicolás De La Cruz e Bruno Zuculini, e os atacantes Matías Suárez, Benjamín Rollheiser, Rafael Borré e Federico Girotti.

O time fez novos testes nesta segunda (17), e anunciou mais contágios: Leonardo Ponzio, Gonzalo Montiel, Lucas Beltrán, Alex Vigo e Flabian Londoño Bedoya. São 20, ao todo.

Joga depois de amanhã em casa

O River está com 6 pontos e ocupa a segunda posição do Grupo D, dois atrás do Fluminense. Junior (3 pontos) e Independiente Santa Fe (2) vêm atrás. O River recebe o Santa Fe às 21h de quarta (19) no Monumental. Um empate seria suficiente para manter o time na segunda colocação e enfrentar o Fluminense às 19h15 da terça da semana que vem (25) com condições melhores de competir. Uma derrota ameaçaria a vaga, pois colocaria o River com a obrigação de somar pontos diante do líder Fluminense para controlar o avanço de um dos times colombianos.

Drama no gol

Os quatro goleiros inscritos na Libertadores testaram positivo: Armani, Bologna, Lux e Petroli.

Leo Díaz, o quarto arqueiro, jogou ontem na Bombonera e foi muito bem. Mas não está inscrito para a competição continental. O clube trabalha agora com duas possibilidades. A primeira é inscrever Díaz, mediante a situação atípica. O próprio River não vê a possibilidade com otimismo. A Conmebol permitiu aos clubes listar 50 jogadores, e o River incluiu 32 nomes - incluindo aí os quatro arqueiros que agora não têm condições de jogo.

A coluna apurou que o River se apoia no artigo 3.7.5.12 do regulamento da Libertadores, que diz: "está permitida a substituição do goleiro lesionado durante qualquer etapa da disputa do torneio". A dúvida é se a Conmebol vai avaliar um atleta que contraiu coronavírus como um lesionado.

A segunda hipótese avaliada pelo técnico Marcelo Gallardo é escalar um jogador da linha no gol. Nos treinos, o volante Enzo Pérez e os laterais Gonzalo Montiel e Milton Casco têm experiência nesta improvisação.

Enzo Pérez saiu no intervalo do jogo de ontem contra o Boca com uma lesão muscular, e sua presença ante o Santa Fe é dúvida, seja qual for a posição.

Sem time

Gallardo disse o seguinte ontem à noite na Bombonera:

"Como vou armar o time não é importante, para mim o que importa é que os atletas estejam bem logo. Que os jogadores se recuperem bem, isso é o mais importante."

"Vamos armar o time nessas próximas 48 horas. Quem sou eu para dizer o que é justo ou não? O que eu sei é que estamos no meio de uma pandemia e a Conmebol nos deu a possibilidade de somar 50 jogadores profissionais, mas não há 50 profissionais, o que poderíamos fazer era encher a lista de amadores. Não fazia muito sentido [armar lista extensa], e agora precisamos resolver o que aconteceu conosco."