PUBLICIDADE
Topo

Tales Torraga

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Como o novo técnico do Fortaleza trocou a carreira de médico pelo futebol

Juan Pablo Vojvoda, técnico do Fortaleza - Divulgação Talleres
Juan Pablo Vojvoda, técnico do Fortaleza Imagem: Divulgação Talleres
Tales Torraga

Jornalista e escritor, Tales Torraga nasceu em Mogi das Cruzes (SP), mas é, segundo os colegas, "mais argentino que os próprios argentinos". Morou em Buenos Aires e Montevidéu, girou pela imprensa brasileira e portenha e escreveu 15 livros ? o último deles, Copa Loca, é sobre a...Argentina nos Mundiais.

Colunista do UOL

07/05/2021 12h00

Era outubro de 2017. Em meio aos agitados corredores do Hospital Centenário, da cidade argentina de Rosário, o médico Juan Pablo Vojvoda confere o celular e lê uma mensagem vinda do Defensa y Justicia convidando-o para ser técnico da equipe. Aos 42 anos, ele comunica aos chefes que não vai mais voltar ao trabalho para realizar o sonho de ser treinador de futebol. É esta a inusitada mudança de carreira do técnico que acertou com o Fortaleza e chega ao Brasil neste final de semana para começar a trabalhar pelo clube do Ceará.

"Estava fazendo o PFO [Prática Final Obrigatória] no Hospital Centenário. São dez meses de experiência no laboratório e na atenção ao público, estava trabalhando normal, quando veio o convite do Defensa faltando apenas 90 dias para concluir. Se quiser voltar a trabalhar como médico e receber o diploma, preciso refazer todo o PFO", contou Vojvoda ao jornal argentino "La Nación" em 2018. Ele cursava medicina na Universidade Nacional de Rosario, a UNR.

"Comecei a estudar quando jogava no Newell's e, ao ir à Espanha [em 2002], parei o curso por nove anos. Conferi se conseguiria estudar por lá, mas não tive como. Voltando a Rosário, percebi que tinha perdido quase um ano do que havia estudado, mas retomei o curso. Queria fechar este ciclo."

Em 2020, ao site chileno Red Gol, Vojvoda contou mais sobre seus tempos de médico. "Eu gostava do que fazia. Ainda gosto. Mas nunca me senti pleno como eu me sinto com o futebol."

"Quando veio o convite do Defensa, não duvidei nem um segundo, troquei minha carreira de médico pelo futebol imediatamente", seguiu. A pandemia não o aproximou dos médicos. "Estou sempre focado no meu trabalho. Acompanho a medicina, leio algum artigo, mas não me entusiasma."

"Daqui a cinco ou dez anos talvez eu me entusiasme, mas neste momento, como em toda vida, faço o que me apaixona. É o contrário das pessoas normais, que estudam ou trabalham e dizem que o futebol é lazer. A medicina exige muita informação e muita leitura, ela avança a cada dia. Alguém precisa acompanhar tudo e se dedicar ao máximo, e essa dedicação dou ao futebol."

"Doutor" Vojvoda

Entre os argentinos, é este o apelido do treinador que chega ao Fortaleza com um currículo que guarda cinco antecedentes.

Ex-zagueiro do Newell's Old Boys, começou como treinador na própria equipe, durando dez jogos na temporada 2016-2017, quando veio o já citado convite do Defensa y Justicia. Permaneceu 25 partidas até se transferir para o Talleres, quando eliminou o São Paulo da pré-Libertadores de 2019.

Veio depois uma passagem relâmpago pelo Huracán, durando só sete partidas (e uma única vitória), até o seu trabalho mais recente, no Unión La Calera, do Chile, que deixou em 19 de fevereiro. Foram 40 partidas pelo clube, com um vice-campeonato nacional no ano passado e vaga para a LIbertadores da América (integra o grupo do Flamengo).