PUBLICIDADE
Topo

Tales Torraga

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Advogado de Maradona reaparece e ataca filhas do astro: "Abandono terrível"

Advogado de Maradona, Matías Morla fala à TV América, da Argentina - Reprodução TV
Advogado de Maradona, Matías Morla fala à TV América, da Argentina Imagem: Reprodução TV
Tales Torraga

Jornalista e escritor, Tales Torraga nasceu em Mogi das Cruzes (SP), mas é, segundo os colegas, "mais argentino que os próprios argentinos". Morou em Buenos Aires e Montevidéu, girou pela imprensa brasileira e portenha e escreveu 15 livros ? o último deles, Copa Loca, é sobre a...Argentina nos Mundiais.

Colunista do UOL

08/04/2021 12h00

Sem declarações públicas desde o funeral de Diego Maradona, em novembro, Matías Morla, advogado e representante do astro, reapareceu nesta semana na TV argentina. Ele é constantemente apontado pelas filhas mais velhas de Maradona, Dalma e Gianinna, como responsável por negligências que teriam causado a morte do craque.

Ambas participaram até de uma marcha pedindo a prisão de Morla, protagonista de um pesado documentário que revela áudios e textos mostrando como era a sua rotina de trabalho com um Maradona entregue à bebida e à depressão.

Morla foi entrevistado por Jorge Rial, um dos principais apresentadores da TV argentina, que nesta semana estreou o programa TV Nostra, pela emissora América, uma das maiores do país. Seu testemunho brigou pela liderança da audiência no horário e gerou muita repercussão sobre novos detalhes dos dias finais de Maradona e da sua briga com Dalma e Gianinna.

Os principais trechos:

MARCHA PEDINDO SUA PRISÃO
"Sou o vilão para uma parte dos herdeiros. Para a Justiça e para grande parte das pessoas, não. Tudo foi muito triste pela amizade e o carinho que tínhamos. Quando morreu Maradona, morreu minha metade. Fizeram uma passeata para usar a dor das pessoas, as mesmas que foram agredidas e rejeitadas no seu funeral [encerrado antes da hora a pedido da família]. Já estive com Maradona em estádios com 50 mil pessoas, e você se junta com 2 mil? Qual a relevância? A vida não é o Twitter. Se fosse, eu já estaria decapitado, e estou aqui, tranquilo e forte depois desta pausa para organizar as ideias."

DALMA E GIANINNA
"Não viram que Maradona deserdou as filhas? Que ele não foi ao casamento de Dalma? Que estava indignado com ela porque sua neta se chama Roma, e Diego é Nápoles, o contrário de Roma? Esses problemas que tiveram agora querem empurrar para mim. Dizem que Maradona estava doente. Ele estava trabalhando, em Dubai e no México, comentou Copas...quando ele dava US$ 1 milhão para Dalma, não estava bêbado, quando ele favorecia as irmãs dele ou dava uma caminhonete à ex-namorada, estava bêbado. É ridículo. Eu sabia quando Maradona estava mal. Foi um abandono terrível, ele morreu sozinho."

ARREPENDIMENTOS?
"O único é não ter me esforçado mais para cumprir o último desejo de Diego. Só isso. Ele queria ver todos os seus filhos juntos. Mas era impossível. Quando estávamos na Europa, Dalma se escondia no quarto para não ver os outros, se revezavam para ficar com ele quando também estavam Jana ou Diego Júnior. Dalma e Gianinna estão consumidas pelo ódio de classes, elas não se sentariam nunca em uma mesa com os outros filhos de Maradona."

BEBIDA
"Maradona não via o álcool como algo divertido, via a parte escura. A Argentina, particularmente, era nociva para ele. Bebia mais pelas brigas de família, os conflitos e tudo."

MULHERES
"Ele amava Rocío. Estava brigado com Dalma e Gianinna, se sentia traído, roubado, cansou de dizer isso. E com Verónica ele tinha o vínculo pelo filho. Estive com Diego no Natal por sete anos olhando para o telefone, e ninguém ligava para ele. Diego jamais se recompôs do fim do namoro. Este término e a quarentena foram fatais."

ÁUDIOS DO DOCUMENTÁRIO
"Não me interessa o que a TV fala, disse tudo na cara de Diego. Fiz o possível para que ele não bebesse e não caísse tão fundo."