PUBLICIDADE
Topo

Tales Torraga

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Agüero no Corinthians: como time tentou "trio" com ele, Tevez e Mascherano

Suposta foto de Agüero com a camisa do Corinthians - Reprodução
Suposta foto de Agüero com a camisa do Corinthians Imagem: Reprodução
Tales Torraga

Jornalista e escritor, Tales Torraga nasceu em Mogi das Cruzes (SP), mas é, segundo os colegas, "mais argentino que os próprios argentinos". Morou em Buenos Aires e Montevidéu, girou pela imprensa brasileira e portenha e escreveu 15 livros ? o último deles, Copa Loca, é sobre a...Argentina nos Mundiais.

Colunista do UOL

31/03/2021 04h00Atualizada em 31/03/2021 09h12

Anunciada anteontem (29), a saída de Sergio Agüero do Manchester City atiçou a torcida do Corinthians nas redes sociais. Os mais astutos resgataram uma suposta foto sua com a camisa do clube e perguntaram sobre a negociação que tentou levá-lo ao Parque São Jorge para jogar a Libertadores de 2006 ao lado dos compatriotas Carlitos Tevez e Javier Mascherano.

A primeira sondagem ocorreu em novembro de 2005, quando o iraniano Kia Joorabchian, presidente do fundo de investimentos MSI, reconheceu à Fox Sports da Argentina que estava conversando com Julio Comparada, presidente do Independiente, para contratar Agüero, que tinha apenas 17 anos. Kia conhecia bem Buenos Aires. Lá, assinara com Tevez, Mascherano e Sebá Domínguez, além de se acertar também com o técnico Daniel Passarella, que durou só 15 jogos no comando da equipe entre março e maio.

Nesta entrevista, Kia dizia que o Corinthians queria Rodrigo Palacios, do Boca Juniors, e Daniel Montenegro, do River Plate, mas Agüero era sua carta forte pela idade e pelo lucro na revenda. "Com Tevez, Mascherano e Agüero, o Corinthians vai ter o melhor de Boca, River e Independiente, os maiores da Argentina. Será nosso 'trio de ases'", disse então o iraniano.

As negociações pelo atacante de 17 anos seguiram até nas semanas em que o Corinthians sagrou-se campeão brasileiro de 2005 (em 4 de dezembro, contra o Goiás, em Goiânia). A MSI oferecia US$ 15 milhões de dólares por Agüero, e dizia que era esta, afinal, a quantia investida em Mascherano, jogador que despertara interesse de Manchester United, Real Madrid e Barcelona. Tevez chegara praticamente um ano antes por US$ 22 milhões.

Segundo o jornal "Lance!" na época, o Independiente, afundado em séria crise financeira, só aceitava negociar a partir de US$ 20 milhões, cifra impressa também no diário argentino "Olé".

As conversas seguiram no começo de 2006. Uma nova entrevista de Kia à Fox Sports em abril atualizava que o Corinthians tinha dificuldades, mas não perdia a esperança e estava disposto a chegar a US$ 18 milhões.

A persuasão envolveu até um corpo a corpo. Segundo relato do ex-repórter do "Lance!" Rodrigo Vessoni, publicado no site Meu Timão, Kia e Agüero viram juntos o jogo de ida das oitavas de final entre Corinthians e River no Monumental, vencido pelo time de Núñez por 3 a 2. Embora fosse jogador do Independiente, a presença de Agüero não causaria alarde - ele era torcedor do River quando criança e aquela Libertadores teria pausa para a Copa do Mundo, permitindo inscrições para as semifinais e decisão.

O Corinthians foi eliminado pelo River em 4 de maio no Pacaembu, no jogo de volta daquele mata-mata, e a negociação por Agüero cessou. Em 30 de maio, o Independiente o repassou ao Atlético de Madri por 20 milhões de euros em um contrato de seis temporadas. Neste relato do UOL, no próprio 30 de maio, Maradona afirmava: "Agüero é tão bom quanto Messi".

Com o dinheiro da venda, o Independiente modernizou seu estádio (chamado de Libertadores de América pelo time ser até hoje o maior campeão da história da competição, com sete conquistas).

* A famosa foto que circula entre os corintianos na web de Agüero com a camisa do Corinthians jamais teve autenticidade comprovada, embora não seja nenhuma anomalia. O atacante argentino jamais se referiu publicamente a esta imagem —as menções dele a clubes brasileiros foram o Athletico Paranaense (para jogar ao lado de Fernandinho, colega de Manchester City) e o Vasco, porque via os jogos de Romário. Imaginar que a foto corintiana seja real faz sentido. Agüero e Tevez foram amigos na seleção argentina e no próprio Manchester City, e uma muito provável tática corintiana de persuasão seria entregar a ele uma camisa de Carlitos, maior jogador do país vizinho na ocasião. Sem contar que a imagem mostra Agüero em um computador, vício mais que famoso pelas suas intermináveis lives de games.

* Outro argentino daquele Corinthians de 2006 era o zagueiro Sebá Domínguez, que compunha elenco e era reserva de Betão e Marcus Vinícius.

"Romarinho"

Agüero tinha um cartaz enorme entre os argentinos ainda em 2006. Não eram poucos os que o comparavam a Romário (pelo seu estilo) e a Batistuta e Crespo (principais nomes de ataque do país). O adolescente logo teve companhia de outra revelação: Gonzalo Higuaín, promessa do River e autor de dois dos gols que eliminaram o Corinthians no Pacaembu.

O atacante estreou nos profissionais do Independiente com apenas 15 anos —é até hoje o mais jovem a debutar na Primeira Divisão da Argentina. Seu então técnico era o ex-zagueiro Oscar Ruggeri: "Fui campeão do mundo, e o meu orgulho em fazer este menino estrear é comparável ao título mundial", disse Ruggeri recentemente à ESPN argentina, onde trabalha como comentarista.

Se o Corinthians em 2006 não contratou o "Romarinho" argentino, coube a outro Romarinho, afinal, abrir seis anos depois o caminho do título da Libertadores justamente contra um argentino —o Boca, com o 1 a 1 em plena Bombonera.