PUBLICIDADE
Topo

Tales Torraga

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

'Estilo HOLANdês': Novo técnico do Santos é tido como gênio na Argentina

Ariel Holan comemorando a conquista da Sul-Americana no Maracanã: técnico é visto como "gênio" na Argentina - Pilar Olivares/Reuters
Ariel Holan comemorando a conquista da Sul-Americana no Maracanã: técnico é visto como 'gênio' na Argentina Imagem: Pilar Olivares/Reuters
Tales Torraga

Jornalista e escritor, Tales Torraga nasceu em Mogi das Cruzes (SP), mas é, segundo os colegas, "mais argentino que os próprios argentinos". Morou em Buenos Aires e Montevidéu, girou pela imprensa brasileira e portenha e escreveu 15 livros ? o último deles, Copa Loca, é sobre a...Argentina nos Mundiais.

Colunista do UOL

22/02/2021 12h00

Anunciado nesta segunda-feira (22) como novo técnico do Santos, o técnico Ariel Holan brilhou na Argentina, onde os vizinhos até cultuaram a criação do ''estilo HOLANdês'' no título do seu Independiente sobre o Flamengo. A caótica final da Copa Sul-Americana de 2017 é bastante lembrada até hoje porque os argentinos resistiram a um Maracanã superlotado e a uma prévia que incluiu invasões e agressões.

Ariel Holan tem 60 anos e uma carreira das mais incomuns. Começou como treinador das seleções femininas de hóquei na grama na Argentina e no Uruguai. Obcecado, vendeu um carro e comprou um computador de última geração para analisar dados. Só andou de carona e transporte público durante quatro anos. Neste período, ganhou o bronze com as meninas uruguaias no Pan de 2003, melhor resultado da história do país.

Ariel trocou os tacos pelas chuteiras no próprio 2003. Fez estágios com técnicos como Daniel Passarella, Jorge Burruchaga e Matías Almeyda. Galgando estágios e consolidando sua fama de ''cientista da bola'', integrou o corpo técnico que devolveu o River Plate à Série A da Argentina em 2012. Era o cérebro do novato Almeyda, que iniciava ali como treinador.

Holan é técnico principal há apenas seis anos - foi em 2015 que ele estreou no Defensa y Justicia que, absorvendo seus conceitos, eliminou o São Paulo da Copa Sul-Americana já sob o comando do substituto Sebastián Beccacece.

O treinador é tido pelos colegas como um viciado em conhecimento e um dos maiores estudiosos do esporte argentino, uma rara mescla de sabedoria acadêmica e prática. Explora a tecnologia em detalhes, fazendo os jogadores usarem frequencímetros, GPs e verem depois os treinamentos filmados por um drone. Seus próprios treinos são um capítulo à parte e muito diferentes da maioria, passando trabalhos diferentes aos zagueiros e outros aos atacantes.

Sua obsessão foi herdada do pai, um mecânico de carros e aviões que morreu tragicamente - esmagado, quando sua oficina despencou. Holan tinha 19 anos.

Apaixonado pelo Independiente, era figurinha fácil na TV argentina cantando as músicas das arquibancadas e contando os tempos em que vivia em Avellaneda no ombro do pai para torcer para a equipe de Bochini e Pavoni. Por isso Holan chorou tanto quando a equipe foi campeã em cima do Flamengo. ''Isto é para o meu pai'', repetia. ''Quando eu era criança e o Independiente perdia, íamos dormir em silêncio e só podíamos falar no dia seguinte.''

Como todo gênio, Holan também é bem excêntrico.

Repetia sempre que estava no Independiente como treinador, e não como torcedor, e distribuía patadas públicas nos críticos. ''Nem todo mundo precisa saber o que cada um faz em sua carreira. Eu não me levantei um dia bêbado dizendo: 'quero ser treinador de futebol'. Remei mais de dez anos, mais de uma década, em diferentes cargos e funções dentro deste esporte.''

Sua saída da Argentina rumo ao Chile (para treinar a Universidad Católica) também teve polêmica. Holan deixou o Independiente em dezembro de 2019 bombardeado pela imprensa. Um dos relatos mais famosos foi o da sua briga com os jogadores que se juntavam para virar as noites nas concentrações em meio às altas apostas em mesas de pôquer.

Outras versões que ganharam peso no país foram seus desentendimentos com os auxiliares pela divisão de prêmios e demais remunerações no clube.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL