PUBLICIDADE
Topo

Tales Torraga

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Carrasco do Brasil em 90: Caniggia supera luto e recomeça vida aos 54 anos

Claudio Paul Caniggia no Palacio Ducó, estádio no Huracán, em Parque Patrícios, bairro de Buenos Aires - Divulgação Huracán
Claudio Paul Caniggia no Palacio Ducó, estádio no Huracán, em Parque Patrícios, bairro de Buenos Aires Imagem: Divulgação Huracán
Tales Torraga

Jornalista e escritor, Tales Torraga nasceu em Mogi das Cruzes (SP), mas é, segundo os colegas, "mais argentino que os próprios argentinos". Morou em Buenos Aires e Montevidéu, girou pela imprensa brasileira e portenha e escreveu 15 livros ? o último deles, Copa Loca, é sobre a...Argentina nos Mundiais.

Colunista do UOL

18/02/2021 12h00Atualizada em 18/02/2021 13h12

Acostumado a bagunçar as defesas com rapidez e coragem, Claudio Paul Caniggia sentiu-se em 2020 como um dos zagueiros que o enfrentava. O ano que complicou o planeta todo foi ainda mais duro para o "Pássaro", apelido dos tempos em que voava em campo. Lutando contra a depressão e ouvindo sua ex-mulher o chamar publicamente de "baleia gorda", "viciado em pó" e "acompanhante de travesti", pelo seu novo relacionamento com uma jornalista argentina, Cani ainda enfrentou a inesperada morte do amigo Diego Maradona, definindo a perda como o "desaparecimento da sua alma gêmea".

Depois de se exilar no México e evitar comparecer ao funeral de Maradona para não expor sua fragilidade, Caniggia, aos 54 anos, se refez com a ajuda da namorada, que o obrigou a voltar aos treinos físicos e às "cerimônias maias".

"É um ritual sagrado, descalços na areia, espiritual e romântico", disse Sofía Bonelli, atual companheira do ex-jogador, 26 anos mais nova, à revista Hola.

"Recomeçando por dentro e com a pinta de sempre por fora", como também definiu Sofía, o carrasco do Brasil na Copa de 1990 reapareceu de surpresa ontem em Buenos Aires. Vestia camiseta preta do Guns N' Roses, exibia a inconfundível cabeleira loira, calças rasgadas e um sapatênis negro com caveiras. O visual mais propício ao rock que ao futebol despistava, mas foi assim que Caniggia estreou como empresário de jogadores - um de seus clientes, o xará meio-campista Claudio Jacob, foi apresentado no Huracán.

Desajeitado, Cani compareceu ao Palacio Ducó, palco dos eventos de Evita Perón e cenário do filme O Segredo dos seus Olhos, ganhador do Oscar em 2010. Seu cargo formal agora é assessor da empresa espanhola Capital Group Sport Management. Evitando a imprensa, fugiu das polêmicas familiares - seu filho de 28 anos, figurinha carimbada nos programas sensacionalistas da TV argentina, o trata como um "lixo humano filho da puta" pela atual distância.

Foi a primeira aparição de Caniggia em um estádio na Argentina desde o Gimnasia x River de setembro de 2019, quando esteve em La Plata para ver o amigo Maradona como técnico. "É f..., louco, não é fácil, primeira vez num gramado sem ele, a superar, a su-pe-rar...", deixou escapar, sem ninguém perguntar, aos que estavam no Ducó, obviamente se referindo a Diego.