Topo
OPINIÃO

#Partiu, Saquarema! O que esperar da etapa brasileira do mundial da WSL?

Praia de Itaúna, Saquarema, Rio de Janeiro Imagem: WSL
Thiago Blum

Colunista do UOL

21/06/2022 04h00

Na lata... assim... quase sem pensar... qual seria a resposta para a pergunta do título desta matéria?

Pra mim, 3 coisas surgem imediatamente: praia lotada, altas ondas... e vitória de um brasileiro.

Mas o 'Oi rio Pro', 8ª etapa do calendário 2022 da World Surf League, tem muita mais para entregar.

Então vamos por partes, dividindo curiosidades, estrutura, história e expectativa.

Barrinha, Saquarema (RJ) Imagem: WSL

Não é por acaso que Saquarema está na lista dos principais campeonatos da liga. Afinal de contas, como o 'Maracanã' poderia ficar de fora dos palcos mais desejados e admirados?

Confesso que sempre 'torci o nariz' quando ouvia essa comparação. Nunca gostei de misturar surfe e futebol... mas a galera brasileira das ondas tem dominado o mundo - daquele jeito que a turma da bola fez por vários anos.

Hoje é muito mais certo pensar em outro título na praia, do que o hexa no campo.

Sem querer exagerar, o surfe é hoje nosso esporte número 1. Ok... pelo menos no quesito vitórias.

Ainda mais se colocarmos essa discussão entre as competições individuais.

Em qual esporte o Brasil já colocou... ou poderia colocar 3 atletas nas primeiras posições do ranking, como aconteceu com Gabriel Medina, Filipe Toledo e Italo Ferreira no ano passado?

Nenhum.

Esse feito aumentou ainda mais a atenção para o mar... e o novo sucesso para essa temporada passa pelo litoral do Rio de Janeiro.

Barrinha, Saquarema (RJ) Imagem: WSL

Já são quase 3 anos sem prova da WSL por lá. Uma ausência sentida demais, principalmente para a torcida verde e amarela, que só cresceu e neste longo hiato pandêmico.

A festa está pronta. E vai ser gigantesca.

Mais de 300 profissionais, entre staff, médicos, produção, limpeza, manutenção, estará envolvida no evento que terá uma janela desta quinta-feira, 23, até o dia 30 de junho.

Serão 3.200 m2 de área construída na praia de Itaúna.

Praia de Itaúna, Saquarema (RJ) Imagem: WSL

"Sediar, mais uma vez, a etapa brasileira é uma grande honra e um orgulho. Consolida Saquarema na rota do turismo esportivo global. Em 2019, o Mundial reuniu cerca de 40 mil pessoas por dia nas areias. São milhares de moradores e turistas movimentando nossa cidade, estimulando a economia, gerando emprego e renda em muitos setores e, ainda, temos a oportunidade de mostrar todas as belezas do nosso município para o mundo inteiro", afirma Manoela Peres, prefeita de Saquarema.

E o festival não será só dentro da água.

Quem for ver os craques, poderá conhecer o espaço 'Beach Gourmet', com restaurantes representando a culinária de países onde estão sendo realizadas etapas do Championship Tour.

Outra atração para os fãs, é a loja oficial da WSL, com camisetas, lycras de competição, sweat shorts e moletons.

Filipe Toledo, tricampeão da etapa brasileira da WSL Imagem: WSL

Mas o show será mesmo no mar...

E em se tratando de performance, não é fácil deixar paixão e torcida de lado.

Ainda mais se tratando da reta final de temporada... e com Filipe Toledo na ponta da classificação.

Justo Filipinho, o brazuca que mais venceu em casa.

Impossível não lembrar das edições de 2015, 2018 e 2019. Aéreos e tubos de tudo quanto é jeito.

Agora, ele vai estar com a lycra amarela de melhor do ranking... com moral claro, mas também com a pressão de se manter no topo.

Energia em alta.

Nos braços da galera, Filipe Toledo comemora um dos títulos em Saquarema Imagem: WSL

Pra melhorar, nosso time - que já forte demais - terá reforços.

Além de Filipe, Italo Ferreira (4º) e Miguel Pupo (10º) chegam ao RJ no comando da tabela.

Caio Ibelli vem em seguida (11º), acompanhado de Samuel Pupo (18º).

Tem Gabriel Medina, lógico... sedento para voltar a levantar um título, ainda mais no Brasil onde nunca foi campeão na elite.

Mensagem da irmã Sophia para Gabriel Medina Imagem: reprodução/Instagram

A irmã Sophia mandou o recado. Não vai poder vê-lo de perto, por causa de compromissos profissionais.

Mas ele jamais vai se sentir sozinho no 'ERREJOTA".

O campeão olímpico e mundial Italo Ferreira... também não, é evidente.

Quer mais?

O que dizer de Yago Dora, capaz de derrubar qualquer adversário com seu arsenal de manobras.

Como em 2017, quando deixou John John Florence, Gabriel Medina e Mick Fanning pelo caminho, e só parou na semifinal, diante de outro campeão mundial, Adriano de Souza, que levou o caneco.

E não termina aí.

João Chianca e Michael Rodrigues estão convidados e completam a seleção, dando aquele sabor extra nos duelos.

Chumbinho fez parte da divisão principal na primeira metade de 2022. Único carioca inscrito, vai competir no quintal de casa, perto da família e dos amigos. Com certeza vai querer engolir todo mundo.

MRod também já esteve na elite. É aquele tipo de competidor que não pode ficar longe dos melhores.

Pra completar, aos 45 do 2º tempo, sobrou uma vaguinha para Mateus Herdy, o 11º brazuca no masculino.

O Brasil é favorito? É.

As chances são boas de título? São.

Mas a turma terá adversários perigosos.

Em 3º no geral, o americano Griffin Colapinto tem duas vitórias na temporada, ambas diante de Filipinho na decisão (Portugal e El Salvador).

Vice-líder, o australiano também está embalado. Também tem 2 troféus no ano... e também venceu Filipe Toledo (Indonésia).

Completo o trio com o japonês Kanoa Igarashi, 5º colocado, que já liderou o mundial e é destaque em qualquer condição.

No meio dos feras... a guerreira Tatiana Weston-Webb, responsável por defender a bandeira na chave feminina.

Com a entrada de Herdy, os confrontos da 1ª fase mudaram:

heat 1: Italo Ferreira x João Chumbinho x Matthew Mcgillivray (AFS)

heat 2: Griffin Colapinto (EUA) x Jake Marshall (EUA) x Michael Rodrigues

heat 3: Jack Robinson (AUS) x Samuel Pupo x Mateus Herdy

heat 4: Filipe Toledo x Nat Young (EUA) x Miguel Tudela (PER)

heat 5: Yago Dora x Kanoa Igarashi (JAP) x Kolohe Andino (EUA)

heat 6: Ethan Ewing (AUS) x Connor O'Leary (AUS) x Gabriel Medina

heat 7: Callum Robson (AUS) x Jordy Smith (AFS) x Jackson Baker (AUS)

heat 8: Miguel Pupo x Caio Ibelli x Jadson André

No feminino, Tatiana Weston-Webb, 9ª colocada no geral, estreia contra a costa-riquenha Brisa Hennessy e a americana Lakey Peterson

Saquarema será a casa do surfe nos próximos dias.

Uma arena acostumada a dar e receber.

Tomara que mostre sua potência máxima, para desafiar e ser desafiada.

Falta pouco!

Estou contando os minutos... já já, vou poder ser abençoado pela igreja na montanha... e pela vibe na areia.

#Partiu, Saquarema!!!

por @thiago_blum / @surf360_

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Comunicar erro

Comunique à Redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

#Partiu, Saquarema! O que esperar da etapa brasileira do mundial da WSL? - UOL

Obs: Link e título da página são enviados automaticamente ao UOL