PUBLICIDADE
Topo

Surfe 360°

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Gabriel Medina fora do Mundial em 2022? Aposto que não!

Gabriel Medina comemora seu terceiro título mundial de surfe em San Clemente, na Califórnia - Sean M. Haffey/Getty Images/AFP
Gabriel Medina comemora seu terceiro título mundial de surfe em San Clemente, na Califórnia Imagem: Sean M. Haffey/Getty Images/AFP
Conteúdo exclusivo para assinantes
Thiago Blum

É jornalista esportivo desde 1992, mas acompanha o surfe há quatro décadas. Trabalhou por 19 anos na ESPN e atualmente é editor de esportes do Jornal da Band. Cobriu cinco Copas do Mundo e cinco edições dos Jogos Olímpicos.

Colunista do UOL

18/09/2021 15h06

A temporada de 2021 nem esfriou e já estamos de olho em 2022.

Quais os nomes da elite? Onde vai ser o WSL Finals? Quem será campeão?

E se o assunto é mundial... a primeira coisa que vem à cabeça é Gabriel Medina.

Vem mais vitórias? Outro título? Existe adversário?

E... o principal: será que o camisa 10 vai seguir os passos de algumas outras estrelas e deixar o tour?

Uma quase dica dada por ele, sacudiu as mídias sociais e especializadas.

Medina estaria mesmo pensando em um "ano sabático"?

Não acredito nisso.

Em um bate-papo exclusivo nesta semana, o tricampeão me disse que, por enquanto, só pensa em deixar a poeira baixar, para depois avaliar os próximos passos e desafios.

Gabriel Medina - WSL - WSL
Gabriel Medina em mais um aéreo durante a decisão do mundial na Califórnia
Imagem: WSL

Se Gabriel deixar a Liga, TODOS perdem.

Para os adversários: OK... o caminho para a conquista do título fica mais livre. Mas e aquele prazer único de bater o melhor do mundo em um confronto direto?

Nesta temporada, Medina perdeu apenas duas vezes antes da decisão.

Com certeza, as vitórias de Seth Moniz em Margaret River e Deivid Silva no México, vão ser lembradas pra sempre por ambos.

DVD inclusive, já disse que a bateria em Barra de La Cruz foi a melhor de sua carreira.

Para o público, óbvio né. Não ver a maior estrela em ação é frustrante. Lembro bem do meu desespero quando Kelly Slater se afastou das competições.

Gabriel Medina - Sean M. Haffey/Getty Images/AFP - Sean M. Haffey/Getty Images/AFP
Gabriel Medina voa em um aéreo nas finais da WSL
Imagem: Sean M. Haffey/Getty Images/AFP

Para a WSL seria uma enorme derrota. Em 2021, o campeão Adriano de Souza se aposentou. O francês Jeremy Flores também. Os australianos Julian Wilson e Mikey Wright se afastaram por tempo indeterminado. E ainda teve John John Florence, que pelo terceiro ano seguido não disputou o calendário completo. Com Gabriel Medina na água, a World Surf League manteve o sucesso. E mais: a primeira edição do Rip Curl WSL Finals, disputado em Trestles, gerou mais de 6,8 milhões de visualizações de vídeo ao vivo, batendo todos os recordes de audiência.

E para o próprio Gabriel seria ruim. Tá certo que - como ele mesmo me disse - disputar toda a temporada anos após ano é desgastante, uma verdadeira missão. Mas a verdade, é que com o novo formato, ele sabe muito bem que aumentam demais as chances dele multiplicar o número de títulos mundiais. Afinal, alguém aí acredita que GM ficaria de fora de alguma final que classifica os 5 melhores? E entre apenas cinco candidatos, a parcela maior de favoritismo seria de quem?

Gabriel Medina - GettyImages - GettyImages
Gabriel Medina levantando o troféu do tri campeonato mundial de surfe
Imagem: GettyImages

Por essas e outras. Não estou levando muita fé nessa história de 'hasta luego', WSL.

Medina fechou a entrevista comigo dizendo: "A minha cabeça, independente do que decidirem em questão de regra ou formato, vou fazer o meu melhor, porque amo surfar e competir. Eu sei qual é meu foco, é vencer sempre. Independente do que criarem, se favorece um ou favorece outro, quero pensar positivo e em vencer".

Ou seja... a concorrência que se cuide!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL