PUBLICIDADE
Topo

Saque e Voleio

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Quem é quem nas oitavas de final masculinas em Roland Garros

Reuters
Imagem: Reuters
Alexandre Cossenza

Alexandre Cossenza é bacharel em direito e largou os tribunais para abraçar o jornalismo. Passou por redações grandes, cobre tênis profissionalmente há oito anos e também escreve sobre futebol. Já bateu bola com Nadal e Federer e acredita que é possível apreciar ambos em medidas iguais. Contato: ac@cossenza.org

Colunista do UOL

28/05/2022 18h13

A primeira semana de Roland Garros chegou ao fim neste sábado, e todos principais candidatos ao título seguem vivos na chave masculina. Mas como cada um deles chegou às oitavas? Quem mostrou mais tênis até agora? Spoiler: Djokovic. O que esperar de cada um dos 16 postulantes ainda com chances na próxima fase? Venha ver!

[1] Novak Djokovic x Diego Schwartzman [15]

O número 1 do mundo é quem vem jogando o melhor tênis da chave masculina até agora. Sólido, consistente, sem ser excessivamente agressivo ou defensivo. Entre Djokovic, Alcaraz e Nadal, o sérvio foi quem oscilou menos até agora. Venceu três jogos por três sets a zero e vem justificando o status de favorito ao título nas casas de apostas.

Schwartzman deu um susto e ficou dois sets atrás contra Munar, mas encontrou-se a tempo. Venceu três sets sem drama naquele mesmo dia (triplo 6/2) e passou por cima de Dimitrov em três sets na terceira rodada. Talvez seja demais esperar uma vitória sobre Djokovic, que nunca perdeu do argentino em seis duelos. De certeza mesmo, só a garantia de que Schwartzman não vai se entregar até o último ponto.

[9] Félix Auger-Aliassime x Rafael Nadal [5]

O tenista atualmente treinado por Tio Toni contra o sobrinho do Tio Toni Nadal. Auger-Aliassime quase se despediu de forma precoce na primeira rodada, quando viu Varillas abrir 2 sets a 0, mas escapou e depois bateu Carabelli e Krajinovic em sets diretos. Agora encontra-se diante do "maior desafio da terra": bater Nadal, no saibro, em melhor de cinco. Vai como grande azarão, precisando de um dia excelente no saque e de uma jornada abaixo da média do rival.

Rafa, como sempre, vem crescendo no torneio. A vitória sobre Van de Zandschulp, na terceira rodada, foi sua melhor atuação em Roland Garros este ano. Ainda assim, Nadal teve seus altos e baixos aqui e ali. Está um pouco atrás do que Djokovic mostrou até agora (negrito e itálico em "até agora", por favor), mas se seu pé não voltar a incomodar, convém não duvidar do espanhol. É favoritíssimo contra Auger-Aliassime, obviamente.

[3] Alexander Zverev x Bernabé Zapata Miralles

Todo mundo já viu esse filme: Alexander Zverev sofrendo no saibro de Roland Garros, mas vencendo e alcançando a segunda semana com chances de título (por que não?). Escapou por pouco de eliminação diante de Báez e precisou de dois tie-breaks contra Nakashima, mas está aí, nas oitavas, e favorito para avançar pelo menos mais uma rodada.

Zapata Miralles eliminou três americanos (Mmoh, Fritz e Isner) e era azarão contra dois deles. Chega com a confiança em alta, mas Sascha tem muito mais a oferecer do que as bombas de Isner no saibro. O espanhol vai ter que ser muito melhor do fundo de quadra e com o primeiro saque. Aqui, não dá mais para empurrar o segundo serviço - como ele fez tantas vezes contra Isner.

[21] Karen Khachanov x Carlos Alcaraz [6]

Khachanov fez um pré-Roland Garros discreto, sem grandes resultados, e chegou a Paris meio fora do radar, mas pegou uma chave amigável e aproveitou. Bateu Nuno Borges e Hugo Dellien em quatro sets. A surpresa mesmo foi a vitória sobre o cabeça 10, Cameron Norrie, na terceira rodada. Passar às quartas, porém, vai exigir ainda mais.

Alcaraz faz um torneio de sensações inéditas. Primeiro porque chegou a ser "o" mais cotado nas casas de apostas, na frente até de Djokovic. Depois porque logo na primeira rodada fez sua primeira partida na Quadra Philippe Chatrier. Em seguida, na segunda fase, fez um jogo cheio de erros e precisou salvar match point para sobreviver ao compatriota Albert Ramos Viñolas. O susto, entretanto, parece ter ficado no passado. Na terceira rodada, Carlitos fez uma partida inteligente e bateu o perigoso Sebastian Korda em três sets. É favorito para encontrar Zverev nas quartas.

[8] Casper Ruud x Hubert Hurkacz [12]

Casper Ruud não tem recursos como o trio Djokovic-Alcaraz-Nadal nem como Tsitsipas, mas é um tenista consistente e chatíssimo de bater, especialmente no saibro. O norueguês sabe usar bem o top spin na terra, tem preparo físico para cinco sets e não tem muitas quedas de concentração. Neste sábado, Sonego foi brilhante por dois sets e meio. Quando perdeu o saque no fim do quarto set, Ruud cresceu e tomou conta de um jogo que parecia muito mais perto do italiano.

Logo, Hubert Hurkacz vai precisar de três grandes sets. O polonês é outro tenista perigoso que chega às oitavas navegando fora do radar. Fez quartas em Monte Carlo e Roma, mas não teve nenhuma vitória surpreendente nessas campanhas. Em Roland Garros, fez o mesmo até agora. Ganhou os jogos que devia - em tese - ganhar (Zeppieri, Cecchinato e Goffin). Agora, entra como leve azarão aqui. Ressalte-se, porém, que Hurkacz tem as armas para bater Ruud. Tem um belo saque, tem variações e pode subir à rede, tirando Casper da zona de conforto.

Holger Rune / Hugo Gaston x Stefanos Tsitsipas [4]

Holger Rune sofreu mais do que deveria com Gaston, mas por motivos físicos (esse é momento em que o US Open do ano passado vem à mente) e se o dinamarquês teve problemas em três sets, é difícil imaginá-lo superando Tsitsipas. Ainda assim, Rune faz um louvável torneio até agora. Começou eliminando Shapovalov (que teve um dia horrível) e aproveitou o caminho do cabeça 14 para superar Laaksonen e Gaston.

No saibro, Tsitsipas ainda parece claramente atrás de Djokovic, Nadal e Alcaraz, mas acima do resto da chave. E, considerando que os três estão na outra metade da chave, a responsabilidade é toda do grego aqui. Seu tênis tem tido um quê de Jekyll e Hyde, com personalidades distintas. Tsitsipas parece genial e versátil quando tudo dá certo, mas também passa a imagem de ingênuo quando se depara com um adversário superior e não consegue encontrar uma solução para o jogo - vide a final de Roland Garros no ano passado ou até mesmo o duelo com Musetti na primeira rodada deste ano. Nada disso tira seu favoritismo até a final, mas pode, sim, tirá-lo da final.

[7] Andrey Rublev x Jannik Sinner [11]

Não é segredo que Andrey Rublev passa pelos slams como uma montanha russa, com as partidas em melhor de cinco evidenciando ainda mais os aspectos inconsistentes de seu tênis (e a parte mental tem grande influência aqui no caso de Rublev). Ainda assim, o russo chegou às oitavas passando por dois bons saibristas (Delbonis e Garín) e precisa ser observado com atenção.

Do outro lado, Jannik Sinner, que também tem um jogo mais reto do que o desejável para a terra batida, enfrentou poucos solavancos nas três primeiras rodadas. Vejo o italiano como favorito aqui sobretudo por oscilar menos mentalmente do que o russo. Sinner também venceu - não por acaso - os dois duelos que fez com Rublev no saibro. Quem vencer aqui tem uma chance rara: chegar às quartas e encarar Medvedev em seu piso menos favorito. Ou seja, uma semifinal de slam nada, nada impossível.

[20] Marin Cilic x Daniil Medvedev [2]

Marin Cilic somou apenas quatro vitórias e quatro derrotas no saibro pré-Roland Garros, e dois desses triunfos foram sobre o quase aposentado Tsonga e o #275 do mundo, Matteo Arnaldi. Logo, o croata não estava nada badalado. No entanto, aproveitou a seção encabeçada por um Carreño Busta nada inspirado e bateu Balazs, Fucsovics e Simon (sim, Gilles Simon, aquele!) para chegar às oitavas. Vem bem e confiante, mas será um azarão aqui.

Daniil Medvedev gosta de fazer um teatrinho e exagerar sua relação de amor e ódio com o saibro, dizendo que nunca espera muito no piso. Muita gente "compra" esse discurso e logo descarta o russo, mas o fato é que seu tênis é bom o bastante para avançar com certa folga nas primeiras rodadas de Roland Garros. A vitória deste sábado, contra Kecmanovic, que tem um histórico respeitável na terra batida, prova que Medvedev pode mais até do que as quartas que alcançou em Paris no ano passado. Daniil é favorito aqui e será novamente contra Rublev ou Sinner se confirmar contra Cilic.

.