PUBLICIDADE
Topo

Saque e Voleio

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

AO, dia 7: Nadal e Barty avançam, três top 10 tombam e Bia vai às quartas

Reuters
Imagem: Reuters
Alexandre Cossenza

Alexandre Cossenza é bacharel em direito e largou os tribunais para abraçar o jornalismo. Passou por redações grandes, cobre tênis profissionalmente há oito anos e também escreve sobre futebol. Já bateu bola com Nadal e Federer e acredita que é possível apreciar ambos em medidas iguais. Contato: ac@cossenza.org

Colunista do UOL

23/01/2022 11h48

O domingo do Australian Open, que marcou o início das oitavas de final, teve um punhado de resultados nada esperados nas duas chaves. Entre as mulheres, as top 10 Paula Badosa e (#6) e Maria Sakkari (#8) foram eliminadas por americanas, enquanto do lado dos homens o grande tombo do dia ficou por conta de Alexander Zverev (#3), que era o favorito das casas de apostas para alcançar a final em Melbourne.

Enquanto isso, Ashleigh Barty e Rafael Nadal confirmaram seu favoritismo, e o Brasil teve mais um bom resultado com Bia Haddad Maia, que avançou às quartas de final na chave de duplas - algo que não acontecia com uma brasileira no Australian Open desde Maria Esther Bueno.

Favoritos que avançaram

A rodada começou com uma bela atuação da tcheca Barbora Krejcikova, que estava até cotada como zebra por parte da imprensa. A número 4 do mundo, porém, deu poucas chances para a ex-número 1 do mundo Victoria Azarenka, que lutou, mas não mostrou nem condições físicas nem a qualidade para derrubar a atual campeã de Roland Garros. Krejcikova fez 6/2 e 6/2 em 1h24min somando 23 winners e 12 erros não forçados contra 16 e 28 de Vika, respectivamente.

Mais tarde, foi a vez de Rafael Nadal (#5) entrar na Rod Laver Arena para encarar um bravo Adrian Mannarino (#69), que deu muito trabalho no primeiro set, jogando perto da linha de base e tirando o rival da zona de conforto no fundo da quadra. Os dois jogaram um tie-break insano que durou 28 minutos e terminou com Rafa aproveitando seu sétimo set point. Depois disso, Nadal deslanchou, enquanto Mannarino teve problemas físicos e não conseguiu manter o nível da primeira parcial. Assim, Nadal fez 7/6(14), 6/2 e 6/2, somando números de respeito: 42 winners e apenas 22 erros não forçados, 16 aces e 88% dos pontos vencidos com o primeiro serviço.

Na sessão noturna, Ashleigh Barty também espantou a zebra. Diante de uma Amanda Anisimova (#60) em grande fase e que vinha de eliminar Naomi Osaka, a australiana usou seu vasto repertório para impedir a rival de controlar os ralis no fundo de quadra. Sem muitos problemas, a número 1 do mundo prevaleceu. Não foi uma atuação perfeita, já que Barty finalmente teve seu serviço quebrado (ela começou o jogo com 58 games de saque confirmados de forma consecutiva) e viu Anisimova abrir 2/0 no segundo set, mas depois disso a australiana venceu seis dos sete games seguintes e fechou o jogo por 6/4 e 6/3.

Outro top 10 a avançar sem drama no dia foi Matteo Berrettini. O número 7 do mundo, atual vice-campeão de Wimbledon, passou em três sets pelo espanhol Pablo Carreño Busta (#21), com parciais de 7/5, 7/6(4) e 6/4. O jogo foi bastante parelho, com apenas uma quebra de saque no 11º game do primeiro set e outra no último game da partida.

Três top 10 que tombaram

A primeira zebra do dia foi a eliminação da espanhola Paula Badosa, que vinha em ótimo momento e estava cotada para brigar - por fora - pelo título. A número 6 do mundo, entretanto, foi vítima de uma inspiradíssima Madison Keys (#51), que disparou 26 winners (18 erros) e fez 6/3 e 6/1 em apenas 1h09min de partida. Badosa, que não conseguiu igualar o nível da americana, somou apenas 10 bolas vencedoras, enquanto cometeu 20 erros não forçados.

Keys será a próxima adversária de Krejcikova, e o duelo valerá vaga nas semifinais. A americana, que já foi top 10 e vice-campeã do US Open, não fez uma grande temporada em 2021 e, na segunda semana deste ano, chegou a cair para o 87º lugar no ranking. Madison, porém, vem se recuperando. Na última semana antes do Australian Open, ela conquistou o título do WTA 250 de Adelaide e agora, com a boa campanha em Melbourne, soma nove vitórias consecutivas.

Ainda na chave feminina, a grega Maria Sakkari foi outra top 10 a dar adeus a Melbourne neste domingo. Ela foi eliminada pela americana Jessica Pegula (#21), que aplicou 7/6(0) e 6/3 e teve excelente aproveitamento quando jogou com o segundo saque - venceu 64% desses pontos. Sakkari conseguiu até duas quebras de saque, mas ambas no primeiro set. Na segunda parcial, a grega teve apenas duas chances de quebra, que vieram no mesmo game, e não conseguiu aproveitar. Pegula conseguiu a quebra no quarto game e manteve a vantagem até o match point.

A americana medirá forças nas quartas de final contra Ashleigh Barty. Elas só se enfrentaram no circuito uma vez. Foi em Roland Garros, em 2019, ano em que Barty conquistou o título do torneio. Ela bateu Pegula por 6/3 e 6/3 na primeira rodada daquele slam.

A maior surpresa do dia, porém, ficou por conta da eliminação de Alexander Zverev, número 3 do mundo e favorito das casas de apostas para alcançar a final do Australian Open. Sascha caiu em sets diretos diante do canadense Denis Shapovalov (#14), que jamais havia passado das oitavas em Melbourne. Enquanto o alemão não conseguiu mostrar sua consistência do fundo de quadra e cometeu mais erros do que o normal (32 falhas e 18 winners), Shapovalov fez seu jogo agressivo de sempre, correndo riscos e sendo recompensado por não deixar o oponente tomar a dianteira dos pontos. No fim, o placar mostrou 6/3, 7/6(5) e 6/3, com Shapo acumulando 35 winners e 37 erros não forçados.

Shapovalov será o próximo adversário de Rafael Nadal. O espanhol, por sua vez, passa a ser o favorito desse lado da chave. Quem vencer essa partida e avançar às semis terá pela frente Mateo Berrettini ou Gael Monfils. O francês, aliás, segue sem perder sets no torneio. Monfils aproveitou o quadrante "aberto" depois que Djokovic foi excluído do torneio e chega às quartas sem perder sets. A vítima deste domingo foi o sérvio Miomir Kecmanovic (#77), e as parciais da vitória do veterano foram de 7/5, 7/6(4) e 6/3

Os brasileiros: Bia vai às quartas

Até a segunda-feira passada, Bia Haddad Maia era apenas a número 482 no ranking de duplas. A paulista, que prioriza o circuito de simples, porém, vem em uma sequências de vitórias na modalidade. Antes do Australian Open, foi campeã do WTA 250 de Sydney ao lado da cazaque Anna Danilina. Agora, em Melbourne, segue triunfando e, neste domingo, alcançou as quartas de final ao superar, de virada, Aliona Bolsova e Ulrikke Eikeri: 3/6, 6/4 e 7/6(10/5). Bia e Danilina vão enfrentar na sequência a dupla formada pela sueca Rebecca Peterson e a russa Anastasia Potapova.

Bruno Soares não teve a mesma sorte. Ele e o britânico Jamie Murray tiveram um match point no tie-break do segundo set, mas não conseguiram converter e foram eliminados nas oitavas pelos italianos Simone Bolelli e Fabio Fognini: 3/6, 7/6(7) e 6/3. O mineiro era o último homem brasileiro com chances em Melbourne. Enquanto isso, Bolelli e Fognini alcançam as quartas após três vitórias sobre brasileiros: bateram Rafael Matos e Felipe Meligeni na primeira fase e Marcelo Melo e Ivan Dodig na segunda rodada, antes do jogo contra Bruno.

Frase do dia

"Acho que o mais importante é tentar ser eu mesma. Eu apenas continuo a ser eu mesma. É só o que eu posso fazer. É nisso que eu sou boa. É quem eu sou e é quem eu quero ser."
Ashleigh Barty, sobre o segredo para continuar sendo número 1 do mundo.

O melhor da segunda

As oitavas de final continuam nesta segunda-feira, e os destaques, para mim, são Halep x Cornet, que começa não antes das 23h, na Rod Laver Arena; Cilic x Auger-Aliassime, não antes da meia-noite na John Cain Arena; e Tsitsipas x Fritz, abrindo a sessão noturna não antes das 5h na RLA.

Todos horários citados são de Brasília.
Os direitos de transmissão são do grupo Disney, que mostra o torneio ao vivo em um dos canais ESPN e no serviço por streaming Star+.

.

Quer saber mais? Conheça o programa de financiamento coletivo do Saque e Voleio e torne-se um apoiador. Com pelo menos R$ 15 mensais, apoiadores têm acesso a conteúdo exclusivo (newsletter, podcast e Saque e Voleio TV), lives restritas a apoiadores, além de ingresso em grupo de bate-papo no Telegram, participação no Circuito dos Palpitões e promoções imperdíveis como esta.

Acompanhe o Saque e Voleio no Twitter, no Facebook e no Instagram.