PUBLICIDADE
Topo

Saque e Voleio

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Fernandez e Raducanu batem favoritas e farão final adolescente no US Open

Leylah Fernandez comemora a vaga na final do US Open de 2021 - Getty Images
Leylah Fernandez comemora a vaga na final do US Open de 2021 Imagem: Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Alexandre Cossenza

Alexandre Cossenza é bacharel em direito e largou os tribunais para abraçar o jornalismo. Passou por redações grandes, cobre tênis profissionalmente há oito anos e também escreve sobre futebol. Já bateu bola com Nadal e Federer e acredita que é possível apreciar ambos em medidas iguais. Contato: ac@cossenza.org

Colunista do UOL

10/09/2021 00h41

A canadense Leylah Fernandez, 19 anos e número 73 mundo, e a britânica Emma Raducanu, 18 anos e #150, surpreenderam em uma noite emocionante no Estádio Arthur Ashe. As adolescentes bateram rivais mais velhas, experientes e favoritas, e disputarão, no sábado, a final do US Open.

Fernandez, que já havia derrotado as gigantes Naomi Osaka, Angelique Kerber e Elina Svitolina, superou nesta quinta-feira a bielorrussa Aryna Sabalenka, atual vice-líder do ranking, por 7/6(3), 4/6 e 6/4. Em seguida, no segundo jogo da noite, Raducanu superou a grega Maria Sakkari, #18 do mundo e semifinalista de Roland Garros, por 6/1 e 6/4, e se tornou a primeira pessoa na história do tênis a passar pelo qualifying e alcançar uma final de slam.

Será apenas a oitava final em um torneio do Grand Slam a reunir dois adolescentes na Era Aberta (a partir de 1963). Não havia um duelo assim desde o US Open de 1999, quando Serena Williams derrotou Martina Hingis.

Fernandez: consistência e cabeça no lugar

No primeiro jogo da noite, Fernandez fez valer sua maior regularidade e sua tranquilidade nos momentos importantes. Depois de conter um início de altíssimo nível de Sabalenka, a canadense equilibrou o primeiro set e levou a decisão ao tie-break. A bielorrussa abriu o game com dois winners, mas desandou a errar. Seis erros não forçados depois, viu Fernandez fechar o set por 7/6(3).

Na raça e na pancadaria do fundo de quadra, Sabalenka foi melhor no segundo set, fez 6/4 e levou o jogo para o set decisivo. Nesse momento, estava claro que a maioria dos pontos era decidida pela número 2 do mundo. Ou Sabalenka disparava winners ou cometia erros não forçados, que foram se empilhando (foram 52 em toda a partida). Enquanto isso, Fernandez, que terminou o jogo com 26 winners e 23 erros, mantinha a calma e atacava nas poucas oportunidades que tinha, mas dava menos pontos de graça.

A regularidade da adolescente foi premiada no décimo game do terceiro set. Sacando em 4/5, Sabalenka abriu o game com um erro não forçado e cometeu duas duplas faltas em seguida. Com 0/40 e diante de três match points, a bielorrussa cometeu mais um erro e deu números finais ao jogo.

Raducanu: domínio desde o começo

Sakkari, 26 anos e mais bem ranqueada, era a favorita para avançar, mas desde o começo ficou claro que a grega teria problemas. Sem conseguir encaixar primeiros serviços, Maria teve dificuldades também do fundo de quadra e a britânica, mais calma e precisa, rapidamente abrir 5/0. Sakkari ainda conseguir confirmar um serviço a duras penas, mas já era tarde para iniciar uma reação na parcial.

Depois de fechar o primeiro ser por 6/1, Raducanu seguiu no controle. Sem se deixar levar pela ansiedade, continuou sólida da linha de base, atacando com precisão, mas sem correr riscos desnecessários. No terceiro game, com uma madeirada de direita, Sakkari perdeu o saque mais uma vez. Nada que a grega tentava funcionava consistentemente, enquanto Raducanu fazia um jogo inteligente, aproveitando-se da noite ruim da favorita. Sakkari lutou até o fim, salvando quatro break points no sétimo game. alongando a partida, mas nada adiantou. A britânica foi impecável até fechar a partida no décimo game.

Raducanu, que teve de passar pelo qualifying para entrar na chave principal, tornou-se a mais jovem finalista de slam desde Maria Sharapova, em 2004, e a primeira qualifier da história do tênis - homem ou mulher - a alcançar uma final de slam.

.

Quer saber mais? Conheça o programa de financiamento coletivo do Saque e Voleio e torne-se um apoiador. Com pelo menos R$ 15 mensais, apoiadores têm acesso a conteúdo exclusivo (newsletter, podcast e Saque e Voleio TV), lives restritas a apoiadores, além de ingresso em grupo de bate-papo no Telegram, participação no Circuito dos Palpitões e promoções imperdíveis.

Acompanhe o Saque e Voleio no Twitter, no Facebook e no Instagram.