PUBLICIDADE
Topo

Saque e Voleio

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Serena vai às oitavas e suas chances aumentam com cabeças rolando em RG

Getty Images
Imagem: Getty Images
Alexandre Cossenza

Alexandre Cossenza é bacharel em direito e largou os tribunais para abraçar o jornalismo. Passou por redações grandes, cobre tênis profissionalmente há oito anos e também escreve sobre futebol. Já bateu bola com Nadal e Federer e acredita que é possível apreciar ambos em medidas iguais. Contato: ac@cossenza.org

Colunista do UOL

04/06/2021 12h54

Quando a chave de Roland Garros foi sorteada, Serena Williams ocupava apenas a décima posição na lista de tenistas mais cotadas ao título pelas casas de apostas. A veterana de 39 chegou a Paris vindo de atuações pouco empolgantes no saibro e tinha um caminho duro no torneio. O cenário, no entanto, já mudou bastante, e a ex-número 1 do mundo alcançou as oitavas de final nesta sexta-feira ao fazer 6/4 e 6/4 sobre a compatriota Danielle Collins, número 50 do mundo.

Foi a terceira atuação sólida de Serena no torneio, e ela agora vai enfrentar a cazaque Elena Rybakina (21 anos, #22 do mundo) em busca de um lugar nas quartas. Será a 64ª vez na carreira que a americana disputará as oitavas de final de um torneio do Grand Slam.

Se os prognósticos tivessem se confirmados, Serena estaria enfrentando Petra Kvitova nas oitavas. A tcheca, número 12 do ranking, vinha de boas campanhas no saibro europeu (quartas em Stuttgart e Madri) e era vista como séria candidata ao título. Kvitova, porém, abandonou o torneio após vencer na primeira rodada. Ela sofreu uma queda fora de quadra, lesionou o tornozelo e preferiu não continuar na disputa.

Outro nome de potencial que estava no caminho de Serena era Aryna Sabalenka, número 4 do mundo, que recentemente foi vice-campeã em Stuttgart e campeã do WTA 1000 de Madri. A bielorrussa encontraria a americana nas quartas de final, mas foi surpreendida nesta sexta-feira pela russa Anastasia Pavlyuchenkova por 6/4, 2/6 e 6/0.

Como Serena venceu

A veterana já começou a partida ameaçando o serviço de Collins, que conseguiu escapar de um 0/40 e evitar a quebra no terceiro game. As devoluções de Serena, contudo, seguiram pressionando até que Collins cometeu dois erros não forçados no sétimo game, abrindo o caminho para a ex-número 1 alcançar a quebra com um winner. Danielle ainda salvou um set point no nono game e teve uma pequena chance no décimo, quando Serena fez duas duplas faltas. A favorita, contudo, saiu de 0/30 com quatro pontos perfeitos para fazer 6/4 na parcial.

A veterana também começou o segundo set com uma quebra, mas não disparou na frente como costuma fazer. Depois de dois erros não forçados, cometeu uma dupla falta diante de um break point e também perdeu seu game de serviço. O jogo mudou totalmente por alguns minutos. Collins ganhou confiança, enquanto Serena perdeu o serviço novamente ao cometer outra dupla falta. De repente, a favorita se viu sacando em 1/4 na parcial, mas conseguiu reagir. No sétimo game, devolveu a quebra ganhando um belo rali e contando com a fita para atrapalhar a rival no break point. O momento mudou de novo. Serena parou de errar e engatou uma sequência extraordinária, quebrando Collins mais uma vez e vencendo cinco games seguidos para fechar a partida em 6/4.