PUBLICIDADE
Topo

Saque e Voleio

Djokovic fortíssimo em Viena, chave aberta em Nur-Sultan

Reuters
Imagem: Reuters
Alexandre Cossenza

Alexandre Cossenza é bacharel em direito e largou os tribunais para abraçar o jornalismo. Passou por redações grandes, cobre tênis profissionalmente há oito anos e também escreve sobre futebol. Já bateu bola com Nadal e Federer e acredita que é possível apreciar ambos em medidas iguais. Contato: ac@cossenza.org

Colunista do UOL

29/10/2020 23h08

Novak Djokovic já era favorito ao título quando o ATP 500 de Viena começou, e pouca coisa mudou desde então. Na verdade, o que aconteceu entre o começo da semana e o fim da rodada desta quinta-feira parece apenas ter facilitado as coisas para o sérvio. Stefanos Tsitsipas, cabeça 3 e maior ameaça para Nole antes da decisão, não se mostrou nem tão afiado nem tão fisicamente bem e perdeu de virada para Grigor Dimitrov: 6/7(5), 6/4 e 6/3.

Além disso, o número 1 do mundo tem pela frente nas quartas o lucky loser Lorenzo Sonego (#42), que faz boa campanha e derrotou Lajovic e Hurkacz, mas não tem armas para, em um dia normal, derrubar Djokovic. Ênfase, negrito e itálico em "um dia normal", por favor. Já vimos coisas mais estranhas acontecerem. De qualquer modo, Nole é muito favorito para bater Sonego nas quartas e, depois, superar Dan Evans ou Dimitrov na semi.

A parte baixo da chave segue pesada. Dominic Thiem, o cabeça 2, vem de uma vitória imponente por 6/3 e 6/2 sobre Cristian Garín (algoz de Wawrinka), mas deve ter mais trabalho contra Andrey Rublev. O russo (#8), que faz grande temporada, chega às quartas descansado porque jogou apenas três games e viu Jannik Sinner abandonar nas oitavas. O outro jogo de quartas tem Kevin Anderson (#111), que vem tirando bom proveito das condições rápidas de Viena, e Daniil Medvedev (#6), que virou um jogo nada simples contra Vasek Pospisil nesta quinta. No papel, o russo é o favorito, mas Anderson, ex-top10, não pode ser ignorado.

Enquanto isso, no Cazaquistão, o ATP 250 de Nur-Sultan perdeu seus dois principais cabeças de chave - que já não eram tão favoritos assim - e tem quartas de final tão interessantes quanto imprevisíveis: Kukushkin x Ruusuvuori, Mannarino x McDonald, Paul x Millman e Gerasimov x Tiafoe. Se alguém se arrisca a cravar um campeão, boa sorte.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.