PUBLICIDADE
Topo

Soares e Pavic perdem para alemães e ficam com o vice em Roland Garros

Getty Images
Imagem: Getty Images
Alexandre Cossenza

Alexandre Cossenza é bacharel em direito e largou os tribunais para abraçar o jornalismo. Passou por redações grandes, cobre tênis profissionalmente há oito anos e também escreve sobre futebol. Já bateu bola com Nadal e Federer e acredita que é possível apreciar ambos em medidas iguais. Contato: ac@cossenza.org

Colunista do UOL

10/10/2020 14h00

Depois de dez vitórias seguidas em slams, Bruno Soares e Mate Pavic não conseguiram repetir em Paris o feito de Nova York. Brasileiro e croata, campeões do US Open, foram derrotados neste sábado e ficaram com o vice na chave de duplas masculinas em Roland Garros. O troféu ficou com os alemães Kevin Krawietz e Andreas Mies, campeões em Paris também em 2019. Eles fizeram 6/3 e 7/5 na decisão de hoje.

Foi apenas a segunda vez que Soares saiu derrotado de uma final de slam nas duplas masculinas. A primeira foi em 2013, no US Open, quando seu parceiro na época, Alexander Peya, sofreu uma lesão nas costas e entrou em quadra na decisão sem condições de brigar pelo título, que ficou com Leander Paes e Radek Stepanek.

Bruno e Mate buscavam seu segundo troféu de slam como parceria. Seria o sétimo na carreira de Soares. O mineiro de 38 anos tem no currículo as conquistas do US Open e do Australian Open de 2016 - ambos ao lado do britânico Jamie Murray - e mais três títulos nas duplas mistas: US Open em 2012 (com a russa Ekaterina Makarova) e 2014 (com a indiana Sania Mirza) e Australian Open em 2016 (com a russa Elena Vesnina).

Para Pavic, seria a terceira conquista nas duplas e a quarta no total. Ele venceu o Australian Open de 2018 junto com o austríaco Oliver Marach e também foi campeão nas mistas em Nova York em '16 e em Melbourne em '18.

Como aconteceu

A parceria alemã começou afiada do fundo de quadra e pressionou o saque de Soares já no segundo game. Pavic, então, errou um voleio colado na rede, o que deu a quebra e a vantagem a Krawietz e Mies. Com os adversários fazendo uma ótima apresentação, o erro custou caro. Brasileiro e croata tiveram poucas chances. Eles até conseguiram ameaçar o serviço de Mies no sétimo game, mas Pavic cometeu três falhas seguidas após o 0/30, e os alemães fizeram 5/2. Foi a única chance real de Bruno e Mate na parcial.

O segundo set começou igualmente bem para os alemães. Já no primeiro game, com Pavic no saque, houve break point, mas Soares salvou com um smash, e o croata confirmou o game pouco depois. As primeiras chances de quebra de Bruno e Mate vieram no saque de Mies, no quarto game. O alemão de 30 anos, porém, sacou bem para salvar três break points. Depois disso, houve um período de domínio dos sacadores, com a partida em alto nível, mas sem chances de quebra. No 11º game, porém, o brasileiro voltou a ser ameaçado após ótimas devoluções dos germânicos. Um ótimo voleio angulado de Pavic salvou o primeiro break point, mas uma devolução vencedora de Krawietz praticamente decidiu o jogo.

Os alemães quebraram, fizeram 6/5 e, na sequência, Mies confirmou o saque para garantir o título. Soares e Pavic ainda salvaram um match point e tiveram duas chances de quebra, mas Krawietz salvou a primeira com um smash e o brasileiro errou uma devolução de backhand na segunda. Os alemães fecharam o jogo dois pontos depois.

Derrota também no juvenil

O Brasil também ficou com o vice na chave de duplas juvenis masculinas. Bruno Oliveira e Natan Rodrigues, cabeças de chave 8 do torneio, foram derrotados pelo italiano Flavio Cobolli e pelo suíço Dominic Stephan Stricker por 6/2 e 6/4.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.